Livro "Tormenta" narra intrigas e bastidores do Governo de Jair Bolsonaro
escola-publica-de-qualidade
26 Maio 2020 - 19h09

“Tormenta” faz uma análise madura das crises e intrigas do governo Bolsonaro

Jornalista Thaís Oyama costura fatos do passado do presidente com acontecimentos atuais para explicar seu primeiro ano de mandato

Quem viveu 2019 e acompanhou pelo menos parte do noticiário percebeu que o primeiro ano de governo do ex-capitão eleito presidente, Jair Bolsonaro, “não foi para amadores”. Do Caso Queiroz, envolvendo um dos filhos do presidente; passando pelo episódio “Tchutchuca” na Câmara dos Deputados, protagonizado pelo ministro da economia, Paulo Guedes; até os impasses com Alemanha e França envolvendo questões ambientais. Isso só para citar alguns dos vários acontecimentos políticos do ano passado.

O que a jornalista e escritora Thaís Oyama se propõe a fazer em “Tormenta – O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos” é um grande panorama do que foram esses 365 dias iniciais. Até porque, mais do que acompanhar as notícias, para entender a fundo os acontecimentos (como a briga entre olavistas e militares) é preciso uma certa proximidade do clã Bolsonaro. “Crises” e “intrigas” são, sem sombra de dúvida, as duas palavras-chave do livro de Oyama.

Com passagem por veículos como “Veja”, a sucursal da TV Globo em Brasília e os jornais “Folha de S.Paulo” e “O Estado de S.Paulo”, Oyama tem uma visão experiente, de quem conhece os meandros e caminhos que o poder costuma tomar no Brasil. Citando reportagens e fontes próximas ao governo do 38º presidente da República, a narrativa da autora é fluída, direta e fácil de ser devorada – mesmo para quem não é tão fã de política.

As imagens que Oyama constrói se baseiam em acontecimentos carregados de simbolismos reveladores, mas ela ao mesmo tempo permite que o leitor construa sua própria perspectiva. “Bolsonaro caminhou rígido na direção do púlpito e, quando se virou para a assistência, fotógrafos notaram que seu lábio inferior tremia incontrolavelmente”, escreve ao fim do “Prólogo” que narra a ascensão de Jair Bolsonaro do “baixo clero” à presidência da República.

Para além da explanação sobre as múltiplas crises que acometeram o governo, e sobre as intrigas por trás de muitas delas, o livro traça ainda um segundo – e talvez mais importante – paralelo: a mudança de tom, e a forma como Bolsonaro ficou mais à vontade com o Poder, com P maiúsculo. É preciso um olhar mais amplo, permitido pelo livro, para perceber como o presidente deixa de ser uma figura insegura e apagada (como no episódio do Fórum Econômico Mundial) para se tornar o homem que se tornou próximo do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, e rivalizou com o experiente presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

É um processo similar ao que levou Bolsonaro de deputado do “baixo clero” à presidência. O fato é que, taxado de imprevisível até mesmo por assessores próximos, Bolsonaro parece tirar seu poder de uma flexibilidade absurda – presa a poucas coisas, ou quase nada. Talvez seja esse o maior segredo revelado em “Tormenta”.

Serviço
“Tormenta – O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos”, de Thaís Oyama. Companhia das Letras, 272 páginas, R$ 54,90.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?
0 0 voto
Article Rating
Subscribe
Notificação
guest
0 Comentários
Comentário no texto
Ver todos

Últimas Notícias

0
Adoramos ouvir você, deixe seus comentáriosx
()
x