Nova série do Netflix desmonta senso comum sobre vítimas de estupro | Plural
Fide 2019
17 set 2019 - 12h16

Nova série do Netflix desmonta senso comum sobre vítimas de estupro

Série mostra caso de garota condenada por denunciar o estupro que sofreu

Está disponível na plataforma Netflix desde o último dia 13 de setembro a série Inacreditável, uma adaptação da reportagem da ProPublica e do Marshall Project “An Unbelievable Story of Rape” e do livro False Report: a true story of rape in America. Vencedora do Pulitzer, a reportagem é uma das mais importantes dessa década.

A série, assim como a reportagem e o livro, começam com os momentos logo após a denúncia de um crime. Uma jovem que mora sozinha diz ter sido estuprada por um homem que invadiu o apartamento, a amarrou e depois da violência fez fotos e ameaçou divulgá-las na internet.

Marie, como a vítima é apresentada, está há poucos meses tentando se adaptar a vida adulta depois de uma infância e adolescências indo de uma mãe social para outra. Ela está estudando, trabalha e mora num apartamento subsidiado por um projeto de apoio a jovens que estão saindo de situação de abrigamento.

Apesar da violência relatada por Marie, ela, numa reviravolta, é acusada de falsa comunicação de crime e forçada a se declarar culpada no tribunal. Mas como o título do livro já entrega, ela foi mesmo vítima de um crime grave e ao falhar em investigar apropriadamente o caso a polícia permitiu que pelo menos duas outras vítimas fossem violentadas por um estuprador serial.

O caso é fundamental numa cultura que coloca sempre o mesmo peso na palavra da mulher que acusa e do homem que nega o crime. A reportagem explora a fundo a tese de que Marie queria atenção, se sentia abandonada e inventou o crime para conseguir o que queria.

Também discute as razões que levam as pessoas a duvidar da vítima, como a inconsistência nos relatos, falhas nas lembranças que ela tem do crime e um comportamento após o estupro diferente do que se espera.

Na série, a produção se apega ao tom formal dos relatos de investigação criminal para dissecar o que aconteceu com Marie. A emoção fica pela violência da realidade dos fatos e para o espectador, que muito provavelmente não ficará indiferente a história.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Assuntos:

Últimas Notícias