9 jun 2021 - 9h13

Empresa traz peixe fresco a Curitiba e gera renda extra para pescadores artesanais

Olha o Peixe! comercializa kits avulsos e pacotes por assinatura, e paga aos pescadores valores mais altos que os praticados pelo mercado

Foi durante a faculdade que o estudante de oceanografia da Universidade Federal do Paraná, Bryan Muller, 30, percebeu as dificuldades enfrentadas no dia a dia pelos pescadores artesanais em Matinhos e Pontal do Paraná. O gargalo principal está na comercialização dos pescados: como conseguir que os atravessadores paguem um preço justo aos pescadores?

“Os pequenos pescadores não têm estrutura para estocar grandes quantidades de pescado e não têm acesso a canais de venda direta, por isso sempre dependeram dos atravessadores”, explica Muller. Com a faca e o queijo na mão, os intermediários estabelecem o preço do mercado, o que reverte em valores muito baixos para os pescadores.

Em setembro de 2018, a situação de vulnerabilidade desses produtores levou o estudante a criar a Olha o Peixe!, uma empresa com um olho no negócio e outro no impacto sobre pessoas e meio ambiente.

Bryan Muller (esq) é o criador da Olha o Peixe. Foto: Divulgação.

Ao vender seus produtos para a Olha o Peixe!, os pescadores recebem valores bem acima dos praticados pelo mercado. Segundo Bryan, em alguns casos, a renda mensal dos pescadores aumentou em até 200%. Do preço para o consumidor final, 60% do dinheiro vai para o pescador, o restante para a empresa.

“O preço do Bryan é bem melhor que o do atravessador. Minha renda dobrou e não passo mais apertado”, afirma o pescador Henrique Keiki da Silva, 45. A pesca é fonte de sustento para a sua família, que conta com a esposa Jucélia, as filhas Pamela e Sabrina, além de dois tripulantes.

Ele cita como exemplo a cavala – espécie muito comum no inverno. Olha o Peixe! paga R$ 11 o quilo, já um atravessador não compraria por mais do que R$ 6 o quilo, segundo Henrique. No final do mês, diferenças de preço como essa resultam em renda extra significativa para as famílias.

A rotina de Henrique é puxada. Acorda às 5h, toma um café e vai para o mar “atrás do cardume”. Às vezes roda a manhã inteira a bordo de seu barco Pamela Keiki, dedicado à filha, para localizar e cercar os peixes. Num dia de sorte, junto com as redes ele poder puxar mais de 2 toneladas de peixe.

Olha o Peixe tem 94 famílias de pescadores parceiros em dez comunidades do litoral. Foto: Divulgação.

De volta para a terra firme, no começo da tarde, a esposa e as filhas se encarregam de beneficiar o pescado. Lavam, limpam e congelam os produtos que a equipe de Bryan – que hoje conta com dez pessoas – distribui para os clientes em Curitiba e região metropolitana.     

A empresa fornece pessoas físicas e 35 restaurantes – como Quintana Restaurante e Obst. – e um hospital na capital. “Além de gerar impacto positivo sobre a renda das famílias, outro foco é não trabalhar com espécies ameaçadas de extinção”, garante Bryan. Henrique confirma: “Se você aparecer com um peixe que está no [período de] defeso, ele não compra”.

A chef Gabriela Carvalho, do Quintana, é uma entusiasta desde que o projeto foi lançado. “A cadeia da pesca é muitas vezes insustentável e o produto que chega nas nossas mesas tem uma qualidade enfraquecida. Bryan trabalha para reconectar a comunidade pesqueira e nos traz o peixe mais fresco que a gente vai conseguir no mercado”, afirma.

A moqueca de Gabriela é feita com posta de cavala, abundante no litoral paranaense, enquanto que o cação, geralmente usado nesse preparo, é uma espécie ameaçada de extinção. Além disso, peixes que fogem do comum são descobertas saborosas: a chef prepara em seu restaurante a pescada bembeca, levemente empanada na farinha de milho e grelhada com um fio de azeite.

“Bryan elevou a qualidade do nosso peixe graças a um processo de respeito ao meio ambiente, consumidores, atravessadores e pescadores”, diz Gabriela.

Além de abastecer restaurantes, Olha o Peixe! trabalha com encomendas avulsas e clube de assinatura para pessoas físicas. A empresa não tem loja física e atende apenas pelo delivery. São três opções de pacote: o de R$ 45 que dá direito a 1 kg de peixe; o de R$ 60 que vem com 1,5 kg e o de R$ 140 que tem 2 kg. O cliente escolhe qual pescado receber dentro de uma gama de opções.

A safra é anunciada semanalmente nas redes sociais. Nesta época do ano, por exemplo, o mar está cheio de cavala, tainha, linguado e camarão sete barbas. Já pescadinha, carne de siri, bacucu (um tipo de marisco) se encontram o ano inteiro. No verão, o mar é mais generoso ainda: pescadores e clientes fazem a festa com robalo, bagre, salteira, peixe porco e pescada amarela.

Nada é jogado fora durante o beneficiamento. As aparas e a carne que fica entre as espinhas na hora de filetar o peixe são reaproveitadas para fazer coxinhas; siri e camarão também viram hambúrgueres e quiches que são congelados e comercializados pela Olha o Peixe!. A clariana – uma espécie saborosa, mas cheia de espinhas – é preparada na panela de pressão para que as espinhas desmanchem e, em seguida, vira escabeche.

“A importância do projeto é também criar uma nova cultura entre os consumidores e fazer um contraponto à enorme indústria de tilápia e salmão”, diz Bryan.

A zootecnista, Regina Nicodemo Cândido, 57, virou cliente assídua no final do ano passado. “Acho legal apoiar os pescadores. De longe não podemos fazer muita coisa, mas pequenos gestos podem fazer a diferença”, avalia. “Além disso, estou experimentando peixes que eu não conhecia e não sabia cozinhar”, acrescenta.

Para ajudar seus clientes na cozinha, Olha o Peixe! lançou um livro com mais de 60 receitas que ensinam a preparar 22 tipos de peixe do litoral paranaense, desde moqueca de bagre a ceviche de robalo. O e-book pode ser baixado gratuitamente no site (link no final).

Olha o Peixe vende pescados congelados em Curitiba e região. Foto: Divulgação.

Impacto social

Atualmente, Muller colabora com dez comunidades pesqueiras em Guaratuba, Pontal do Paraná, Paranaguá, Guaraqueçaba e Ilha do Cardoso, e atinge diretamente 94 famílias de pescadores. De acordo com o idealizador, o projeto já comercializou 22 toneladas de pescados e gerou R$ 370 mil em receita para as comunidades, em menos de três anos.

A empresa já realizou mais de 5 mil entregas e, atualmente, conta com 275 assinantes. A expectativa é chegar a 1 mil até o final do ano. A iniciativa, que já foi premiada pela Fundação Boticário, prevê também envolver mais comunidades do litoral e levar a distribuição para Morretes e outros municípios da região.

Serviço

www.olhaopeixe.com.br; Telefone e WhatsApp (41) 9 9152 – 0391; [email protected]; Instagram: @olhaopeixee.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

9 comentários sobre “Empresa traz peixe fresco a Curitiba e gera renda extra para pescadores artesanais

    1. A conta tá certinha Rafael, obrigado pela análise haha :)) A média de kg por valor assinado é essa mesmo, mas quanto maior o valor assinado maior a possibilidade de pescados mais caros (linguado, camarão branco, robalo) como opções ao assinante.

    2. Olá Rafael, chequei novamente valores e quantidades e estão corretos. Além do peso do peixe entram na conta outros fatores. O pacote mais caro, por exemplo, oferece também maior variedade de escolha para o cliente. Daí a diferença. Espero que eu tenha esclarecido suas dúvidas. Abs.

  1. Maravilhosa a reportagem e a iniciativa da Olha o peixe!!! Eu morei na praia e não conhecia o projeto. Agora já sei de quem comprar pescado em Curitiba! Parabéns!

  2. A pesca é um trabalho de respeito muita gente que come peixe nem imagina o esforço e o risco de adentrar ao mar todos dias , comparo um pescador aquele profissional aguerrido determinado, parabéns pela situação Bryan e time !! Gostaria de participar sendo cliente , aguardo contato abraço wal

    1. Verdade, Walfredo! Acompanhei diariamente por 3 anos a rotina de pesca deles, embarcado e na praia, durante minha pesquisa de mestrado. E as adversidades são enormes! Precisamos valorizar cada vez mais. Nosso contato por whatsapp, pra faclitar a comunicação, é 41 9 9152-0391. Abraço!

  3. Parabéns ao oceanógrafo. Unir conhecimento científico, sensibilidade social, tino comercial e tecnologia digital, agradando ao pescador e ao consumidor, auferindo lucro e protegendo espécies no período de defeso: grande sacada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds