Veneri chama deputado defensor da ditadura de covarde e caso quase acaba em briga

Ricardo Arruda disse que quem foi torturado na ditadura mereceu o que teve

É raro, mas acontece. A fala absurda do deputado Missionário Ricardo Arruda (PSC) na tribuna da Assembleia Legislativa em defesa da ditadura militar não só foi respondida como foi respondida à altura. Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, o deputado Tadeu Veneri (PT) afirmou com todas as letras que o discurso era indício de covardia. O caso quase acabou em briga, e a turma do deixa disso teve que separar os dois.

Tudo começou com um discurso do deputado Goura (PDT), que fez uma menção à ditadura de 1964. Arruda, um bolsonarista que usa o discurso de ódio sempre que tem oportunidade, subiu à tribuna para elogiar o regime militar. Falou o que seu público gosta de ouvir: que nunca existiu ditadura no Brasil, que o que houve por aqui foi um governo dos militares a pedido do povo. Que se vivia muito bem no Brasil e que o governo dos generais foi muito bom.

O que irritou Veneri foi quando Arruda comentou sobre os casos de tortura registrados na época. “Quem foi torturado é porque mereceu ser torturado”, disse ele, num discurso não só reproduzido pela tevê como também ouvido por jovens que tinham ido visitar a Assembleia em um passeio escolar.

Veneri, em geral um sujeito cordato, fez um dos discursos mais fortes de seu mandato. “O deputado que diz que não houve tortura devia ser torturado pra saber o que é tortura”, disse ele da tribuna. “É uma vergonha o que o senhor fala na tribuna. O senhor nunca teve coragem de enfrentar a ditadura”, afirmou Veneri.

O petista disse que “para quem fica só encostadinho no canto é cômodo falar”. E deu a entender que embora instigue seus seguidores a apoiarem a tortura, e quem sabe até a praticar atos de violência, o bolsonarista prefere não sujar as mãos. “O senhor torturaria alguém? Encostaria um revólver na cabeça e daria um tiro mesmo com a pessoa estando algemada? Tiraria uma pessoa de casa e levaria com um capuz para uma chácara para espancar? Porque é isso que o senhor está pregando”, disse Veneri.

Num gesto bem pouco usual, Veneri chegou a usar uma colega de plenário como exemplo. Apontando para Mabel Canto (PSDB), perguntou se o deputado pregava que mulheres como ela, caso não fizessem parte da base do governo militar ou ditatorial de plantão, mereciam ser estupradas ou espancadas.

Quando Veneri encerrou o discurso, Arruda tentou responder o petista em uma questão de ordem. Começou a vociferar sobre a esquerda armada mas teve o microfone cortado por ordem do presidente da Assembleia, Ademar Traiano (PSD), que lembrou que aquilo não era questão de ordem, e sim debate. “Se o senhor quiser, usa de novo a tribuna amanhã.”

Nesse momento, Veneri já tinha descido da tribuna e os dois começaram a gritar um com o outro, a apontar dedos e a se aproximarem. Os deputados do grupo de oposição seguraram Veneri enquanto Traiano pedia que Arruda se contivesse.

Para quem quiser acompanhar, é possível ver o discurso de Veneri e a confusão toda a partir de 1h43 no YouTube da Assembleia.

Sobre o/a autor/a

10 comentários em “Veneri chama deputado defensor da ditadura de covarde e caso quase acaba em briga”

  1. Reinaldo Soares de Souza

    A ALEP tivesse um Presidente tal pronunciamento deveria ser comunicado a Comissão de Ética com um pedido de cassação do mandato desse degenerado..Deputado O Paraná conheceu essa Ditadura Militar que mandou as celas de torturas centenas de paranaense .Ouvir seu pronúnciamento causou-me asconojo quem foram os pústulas que elegeram-no.Meus cumprimentos ao Deputado Tadeu Veneri corajoso enquanto outros se calaram.

  2. Parabens, Veneri, só essa tua atitude e teu discurso justificou meu voto em você. Continue lutando contra esse brucutus ignorantes.

  3. Haroldo R Bonancio

    Haroldo R. Bonancio
    1 h · Compartilhado com Público
    Não podemos transigir com aqueles que defendem a tortura os torturadores ou que pretendem mudar a história tentando esconder a ditadura civil militar do golpe de 1964 seus crimes hediondos e imprescritíveis!
    Parabens Tadeu Veneri por enfrentar e denunciar degenerados que defendem as torturas, os torturadores do passado, do presente.
    Estes vis degenerados que através destes discursos ou ações torpes visam incentivar e apoiar governos e seres ditatoriais, truculentos e defensores da violência e tortura do presente e garantirlhes no futuro.
    O nosso (de todos) futuro depende da nossa coragem e das nossas atitudes agora (no presente)!
    Do texto:

  4. Isso não aconteceria se na época quando um certo deputado elogiou um conhecido torturador num golpe que estava acontecendo tivesse sido preso. Passaram a mão na cabeça e essas monstruosidades absurdas continuam.

  5. O diálogo e o entendimento é sempre o caminho mais difícil mas nunca devemos desistir. Essa gente pragmática com teorias egocêntricas, fascista e higienista que acha que a força bruta é a solução não têm competência para representar o povo na câmera. Aliás, uma bela contradição, em uma ditadura militar, primeira ação seria dissolver e acabar com o poder legislativo. Ou seja, está admitindo que é incompetente como deputado e prefere que um militar ocupe o lugar dele. Por outro lado, palavras fortes do Veneri!! Eu nunca fui simpatizante dele mas essa fala dele foi muito necessária.

  6. Simon Taylor Salem Santos

    Me ferve o sangue quando um merda desses vem defender a tortura. Me sinto em um filme distópico, mas me lembro que é a realidade nua a crua. É má!
    O Tadeu devia mesmo ter dado uma porrada no verme, embora eu saiba que isso é errado. Mas tem horas….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima