Título de cidade mais inteligente do mundo causa inveja em Paris, Amsterdã e Dubai

Sem dormir, prefeitos europeus pensam no que precisariam fazer para chegar aos pés da capital paranaense

A notícia de que Curitiba foi eleita a cidade mais inteligente do mundo caiu como uma bomba em vários pontos do globo. Estarrecidos, povos de cidade que se consideravam mais avançadas andam pensando dia e noite, sem dormir, no que podem fazer para chegar ao nível da capital paranaense.

Será que deviam começar encomendando um hino com a força daquele escrito por Bento Mossurunga? Paris, em todo caso, mandou encomendar um “cheval qui bave” (afrancesamento do “cavalo babão”) para pôr no Champs-Élysées.

Em Oslo, o prefeito anda se lamentando que não há mendigos pelas ruas. Caso contrário, poderia seguir os sábios conselhos da presidente da FAS e tascar a Guarda Municipal pra cima do pessoal.

Wellington, a capital da Nova Zelândia, aliás, andou se interessando pelas estratégias letais da nossa guarda, que desde 2006 matou 16 pessoas. Em 2023, a polícia da Nova Zelândia inteira matou apenas uma pessoa. “Precisamos cancelar mais CPFs”, disse entredentes o prefeito local.

O pessoal de Amsterdã fez uma reunião de emergência e ficou se perguntando o que Curitiba deve estar fazendo para incentivar a bicicleta que eles ainda não fizeram

Na Prefeitura de Frankfurt, não se fala de outra coisa: a Alemanha é campeã mundial de reciclagem, mas ainda não tem a tecnologia de fazer aditivos emergenciais com uma mesma empresa fornecedora de aterro sanitário durante dez anos. A imprensa local cobra melhorias e diz que talvez tenha sido esse o motivo de nenhuma cidade alemã ter sido páreo para Curitiba no prêmio.

Em Dubai, onde as paradas de ônibus têm não só bancos como ar-condicionado, os emires estão se perguntando quanto devem ser confortáveis essas tais estações-tubo.

Os habitantes de Tóquio não suportaram a humilhação e andam pedindo que a administração da cidade desalinhe um pouco as calçadas lisinhas por onde eles andam. “Em Curitiba, o pessoal anda na rua e já pratica parkour ao mesmo tempo, mesmo sem querer. Isso é cidade inteligente”, afirmou um professor de engenharia de uma universidade local nas suas redes sociais

Os jornais de Toronto têm cobrado explicações da administração local. “É isso que dá manter maternidades que fazem parto humanizado. Em Curitiba, o Greca fechou a maternidade do Bairro Novo, que era referência, e está aí, ganhando títulos”, diz um editorial.

A todas essas, em sua chácara São Rafael das Laranjeiras, o prefeito da cidade mais inteligente do mundo sonha com seus novos prêmios, que certamente causarão ainda mais inveja nas rivais imaginárias.

Sobre o/a autor/a

Compartilhe:

Leia também

Melhor jornal de Curitiba

Assine e apoie

Assinantes recebem nossa newsletter exclusiva

Rolar para cima