10 maio 2022 - 19h58

Dez crimes que levaram à cassação de Renato Freitas

Negro, pobre, periférico, Renato Freitas acreditou que era possível lutar contra o racismo e a exclusão e sair impune. Mas a Câmara nos mostra mais uma vez que isso é impossível

Por que a Câmara de Curitiba vai cassar Renato Freitas? Punir um colega vai contra tudo que os vereadores da cidade acreditam – e no entanto, ficou claro que dessa vez não há escapatória. Derrotado no Conselho de Ética, Renato provavelmente sofrerá um resultado ainda mais humilhante em plenário. Perderá não só o mandato como os direitos políticos. Não exercerá mais o cargo para o qual foi eleito, nem poderá disputar as eleições de outubro.

Mas por quê? A Câmara de Curitiba é conhecida por seu corporativismo: teve todas as oportunidades para cassar mandatos, e sempre recuou. Um presidente que mandou por 15 anos a Câmara com mão de ferro foi pego em um escândalo milionário – não foi cassado. Vereadoras foram pegas fazendo rachadinha em seus gabinetes – não foram cassadas. Um vereador cometeu assédio sexual – não foi cassado. Outro cometeu racismo explícito – e escapou.

Por que Renato Freitas não escapará? Por que pela primeira vez a Câmara decide que é preciso punir como máximo rigor um de seus pares. Uma vereadora que roubou o erário perdeu apenas o direito de falar ao microfone por uns dias. Renato Freitas será cassado, expulso da Câmara, expelido da vida política de Curitiba – será enxotado como um cão indesejado que entrasse pela porta da Câmara. Por quê?

Há motivos para isso, e não são difíceis de se perceber. Renato Freitas é vereador, e aí acaba toda a semelhança entre ele e seus pares julgados anteriormente. Em todo o resto ele é uma exceção. E ser fora do padrão é seu crime.

O primeiro erro de Renato Freitas foi nascer preto. O segundo foi nascer pobre. O terceiro foi nascer na periferia.

Claro, há outros vereadores negros (poucos). Há quem tenha nascido pobre, e sempre há os representantes da periferia. Mas Renato Freitas é diferente dele também. Porque há outros crimes que o levam a ser alvo dessa cassação.

Ao contrário de outros vereadores negros, ele é um dos dois únicos que fez da raça a causa de seu mandato – a outra é Carol Dartora, e não seria de se espantar se ela for a próxima.

Ao contrário de outros vereadores pobres, Renato Freitas fez da defesa dos pobres um motivo de seu mandato. Não usou seus eleitores para trocá-los por emendas, por cargos e privilégios, e sim realmente tentou mudar suas vidas.

Ao contrário de outros vereadores periféricos, Renato Freitas continuou estando à margem: fez questão de manter seu cabelo afro, para horror da Câmara; e para horror da Câmara, veste camiseta, anda de skate, fala como quem é.

Esse é o quarto crime de Renato – não ter mudado depois da eleição, nem ter decidido que a política era algo que deveria mudar sua vida. Muito pelo contrário, ter tomado a decisão de ser quem é e de usar a política para mudar a vida de seus eleitores.

O quinto crime de Renato Freitas foi achar que não era preciso baixar a cabeça. Que chegando à Câmara seria possível ser encarado como um igual. Isso jamais acontecerá. No mandato, foi chamado de moleque, destratado, detido, preso, arrastado, levado à força pela Guarda Municipal, que subiu em seu corpo negro e algemado, como numa pintura do século 18.

O sexto crime de Renato foi acreditar que a Câmara era um lugar para se fazer política, para lutar por causas, e não para se dobrar ao prefeito, aos empresários, aos donos da cidade.

O sétimo foi sua convicção de que uma cidade pode mudar rapidamente, que é possível convencer as pessoas de que é possível viver sem se sujeitar a regras econômicas injustas, que é dever de um político se rebelar contra o que vê de errado.

O crime de número oito foi ter orgulho. O de número nove foi não ter medo.

Mas o décimo crime, o realmente imperdoável, foi o de revelar com sua coragem o quanto são pusilânimes os vereadores em sua maioria. Aqueles que se elegem em nome da ambição pessoal; que se realizam ao ganhar loas e cargos; que vivem para si e para navegar em privilégios; e que jamais pensaram em mudar nada com seus mandatos. Pelo contrário: pois na maioria os vereadores de Curitiba, como a maior parte dos políticos, existe para garantir que tudo permaneça exatamente como está.

Existem para garantir que os pobres continuem pobres.

Que o prefeito possa governar para os privilegiados sem que haja uma revolta.

Existem para garantir que a educação seja frágil e “sem partido”.

Para ter certeza de que a ganância dos empresários do lixo, do transporte, da saúde seja saciada e passe impune.

Ocupam seus mandatos para ser parte de uma máquina que garante a divisão da cidade em mandantes e mandados. Nos que podem tudo e nos que nada podem.

Revelar essa monstruosidade, revelar a cumplicidade da Câmara com tudo isso, é imperdoável. Lutar contra o racismo quando a maioria dos vereadores é racista; cobrar justiça quando a maior parte da Câmara é injusta; exigir que as coisas mudem quando tudo o que os vereadores querem é que tudo permaneça no seu lugar, principalmente o que está errado; eis o crime imperdoável.

Renato Freitas será expulso da vida pública. Mas surgirão outros Renatos. Porque não é possível que isso permaneça para sempre. É preciso acreditar que as injustiças não perduram indefinidamente, ou perderemos a vontade de ser cidadãos.

A Câmara de Curitiba nos ensinou mais uma vez a eterna lição: não existe mudança que venha fácil. Mas os eleitores jovens, negros, pobres, periféricos de Curitiba ainda vão prevalecer. E nesse momento, os atuais vereadores vão ser vistos pelo que são – artífices voluntários de uma cidade sempre mais injusta e excludente.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Assuntos:

79 comentários sobre “Dez crimes que levaram à cassação de Renato Freitas

  1. Belíssimo texto, Galindo! Você estava nos devendo esse! Foi ao ponto: o Renato foi cassado pelas suas virtudes e pelos vícios dos nossos vereadores. Orgulho de ser leitora do Plural!

  2. Excelente texto. Me senti representado na luta anti racista.
    O texto deveria ser lido na sessão da câmara municipal para que os pústulas que votaram pela sua cassação ouvissem e, quem sabe, se envergonhassem um pouco.

  3. Nos corredores da câmara ouve-se o riso dos Capitães do Mato que arrastam um preto fujão, que ousou levantar corpo e voz contra os senhores da fazenda. O nome desses caçadores de liberdades devem ser lembrados. Não passarão!

  4. Cidade mais racista do país. Povo, com exceção de alguns, asqueroso. Os únicos negros aceitos aí são os jogadores da cútis escura do Coritiba e do Athlético. Esses jogadores deveriam se manifestar nas entrevistas, nas comemorações, sendo solidários com o irmão Renato Freitas.

  5. E pensar que desculpa que usaram pra finalizar a perseguição política contra Renato foi ele ter entrado na igreja construída pelos próprios ancestrais. O racismo dessa cidade não vê limites.

  6. O vereador foi muito infeliz na forma de protestar invadindo desnecessariamente uma igreja e caindo nas redes sociais . Essa atitude provocou sua queda e não a sua cor.
    Uma pena !
    De fato gostaria demais que todos os outros vereadores que fizeram atos criminosos tivessem sido cassados ( infelizmente não tiveram a mesma repercussão) .
    Mas um erro não justifica o outro !

  7. Caríssimo Rogério
    Sua análise foi perfeita. Pungente. Foi e faz chorar por escancarar que o Brasil continua ainda na Idade Media, das trevas. Quando sairemos dela vai depender de nós mesmos. Podemos tentar ser convincentes para muitos e elucidar agora, urgentemente que a escolha não é difícil. Ela está postada e é claríssima .
    Votemos pois em mais Renatos para os legislativos deste país

  8. O cara não passa de um baderneiro, nunca fez nada pela cidade!! Nascer pobre, negro e na periferia, não significa nada, o Obama que o diga… Quem quer defendê-lo que o leve para casa!!!

  9. Denso e real, o texto expressa a verdade do que somos: uma estrutura de poder pós-política. Sedimentada e bancada por uma escória da sociedade contrária a todos os princípios encontrados na origem do Pacto Social. Uma estrutura totalmente enrijecida e corrompida por uma gentaça totalmente avessa ao pluralismo social e de valores, além de representar a ruptura da ordem, na medida em que revela os seus contrários. Mostra-nos, sobretudo, quão resistentes são os três poderes constitutivos da nação brasileira: o colonial, o patriarcal e o poder do capital, insensíveis às diversas subjetividades manifestamente marginalizadas, constantemente julgadas e criminosamente condenadas.

  10. É verdade, um erro não justifica o outro.
    Foi infeliz a manifestação dentro da igreja.
    Eu sou católica e fico me questionando:
    Por que um grupo de manifestantes dentro de uma igreja nos deixa tão indignados, enquanto que a injustiça, a corrupção, o racismo, a intolerância, os maus políticos, o descaso com o ser humano… não provocam em nós a mesma indignação? Foi inevitável não revisitar o texto bíblico de Isaías 1,11-18 (…) Eu odeio o incenso que vocês queimam…. Eu não suporto suas festas e celebrações….Parem de fazer o que é mau… Tratem os outros com justiça, socorram os que são explorados, ….
    Tomo a liberdade de parafrasear Isaias: Eu odeio a hipocrisia da Câmara de vereadores de Curitiba.

  11. Quando o sistema é forte, não se pode bater de frente.
    Pois terá de ter uma força maior para ganhar, a maneira mais simples de derrotar e corroê de dentro para fora. O que mantem o sistema vivo é seus generais, eliminar os generais primeiro e mais certo e fácil do que ficar brigando com soldadinhos.
    Soldadinho é apenas massa de manobra dos grande.
    Acho que ele errou querendo bater de frente em uma sociedade altamente escravagista, racista, preconceituosa como é essa eleíte atrasada do paraná em especial da grande Curitiba.
    O Paraná é um esgoto fétido dessa elite do atraso e a vergonha do SUL. Dos três estados é o mais atrasado social e psicologíco acho que por causa da proximidade com São Paulo , Talvez.

  12. O positivo que o Caso Renato nos deixa, não só pela conservadora,excludente,racista Câmara dos Vereadores de Curitiba.É que tem de fazer alarde,escrachar estes picaretas que são eleitos enganando,ludibriando os encaotos e despolitisados eleitores não só de Curitiba mas de muitas cidades deste imenso Brasil, principalmente da minha pequenina Catuji Vale Mucuri/Jequitinhonha-MG.
    O Estado do Paraná na sua origem agrícola,de imensos latifúndios,foi o primeiro Estado Brasileiro a usar e abusar das políticas de expansão agrícola da ditadura militar ou seja serviu como laboratório,”Fronteira Agrícola”.Hoje os Herdeiros da Casa Grande com apoio do Desgoverno Fascista e seu Excrementissimo Capitão Talkei tentam impor e implantar a Ditadura. Não Passarão!!!!
    Estes parlamentares golpistas,tiveram aulas da República da Justiça de Curitiba sob o comando do Marreco de Maringá o Juizeco Moro e de seu fiel escudeiro fanfarrão Dallagnol.
    Parabéns Renato pela sua coragem de detonar este antro de picaretas.
    Em 02 de Outubro vamos mandar estes fascistas para o esgoto que saíram para nunca mais voltarem!!!!
    #13LulaPresidente
    #RequiãoGovernador⭐⭐⭐🇻🇳🇻🇳🇻🇳🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  13. E com tudo eu lamento uma cidade que se diz tão independente , com uma cultura elevada ,que povo eleitor pobre e inculto , devido o grau de representante que tens, sou do RS e tenho uma curiosidade como aqui os pobres votam em empresários e políticos de carteirinha? Isso é triste pois hoje podemos nos informar bem seja qual for sua classe social. Lamento essa situação mais tenho certeza que o Renato sairá muito forte e com seu apoio poderá alavancar muitos em sua volta !

  14. Sr. Marlon Iurk! Você faz alguma coisa?? Acredito que não pela tua postura. Proteger a insanidade do poder, a cultura racista, a discriminação, o preconceito, a xenofobia de uma sociedade, de uma cidade que se diz superior, é no mínimo inaceitável. Imagino que indivíduo se TORNOU!

  15. Exatamente, Rogèrio. Perfeito seu texto. Não cabe mais tanto nojo dentro de mim. Só salva pensar que ele é jovem, que pode voltar, e como você disse, haverá outros Renatos.

  16. Não podia ter sido mais fantástica a sua análise, prezado jornalista Rogério Galindo. E qual foi mesmo o ato praticado pelo vereador Renato, que o tornou criminoso, perante a tão sagrada ética da Câmara Municipal de Curitiba? Por ter protestado contra a injustiça do racismo estrutural deste país? Foi pior, entrou na igreja dos pretos, da cidade branca, de forma pacifica, sem qualquer resistência, pois o culto que estava sendo realizado já havia terminado e a igreja deve permanecer aberta ao povo. Ou será que Jesus Cristo não permitiria o povo na igreja? Ah, mas um tal deputado federal fez apenas bravatas ao agredir a democracia, ao propor a volta de ato institucional bárbaro, ao propor a morte de ministros do STF, ao agredir agentes públicos que estavam trabalhando, impondo toda sua arrogância e prepotência. Foi compelido a pagar pelos seus crimes, mas tem a proteção celestial, opa, não, tem a proteção do rei da honestidade. Claro, o vereador Renato não é branco, não é amigo do rei. Jamais teria amenizada a sua conduta, pois a igreja foi vilipendiada, ultrajada, porque lá não se pode pedir por justiça. Aliás, onde está a igreja neste momento? Já que defende tanto a justiça, será que vê pecado tão grande diante de um protesto contra a injustiça? Claro queno vereador vais ser punido pelos crimes que o Rogério tão bem evidenciou. Claro que as oligarquias políticas (brancas) que comandam as casas legislativas de todo o país não vão permitir barbáries como essa: protestar contra uma das maiores atrocidades cometidas pela “humanidade”, a escravidão e, em consequência o rascismo, em todas as suas terríveis formas. Parabéns por dizer onque a gente gostaria de falar.

  17. Nunca será crime nascer negro, pobre ou em periferia. O maior erro dele foi se fazer de vitima, e se aliar a bandidos de um partido que só pretende destruir o Brasil. O pior é invadir a Igreja imaginando que estava na casa da mãe joana, e que poderia fazer o que quisesse na casa de Deus. Se ele não tem capacidade de saber o que é certo ou errado, nunca deveria ser representante do povo.

  18. A questão não é ser contra ou a favor do Renato. É saber qual foi o crime. Uma Igreja construída por e para corpos escravizados deveria, antes de qualquer assunto, defender àqueles de sua procedência. Mas, o que aconteceu? O lugar para os corpos negros não mais lhes pertencem, quiçá seus próprios corpos, pois é como a velada segregação. Aqui semana “por outros motivos” os negros, os povos originários, enfim a população periférica politicamente. É fácil apontar e chingar, colocar a pecha de baderneiro, difícil é ter a coragem de representar os “invisíveis sociais”, onde os novos “capitãs do mato” à espreita aguardam um descuido para anular suas presenças. Renato Freitas a Câmara Municipal de Curitiba está agora lhe proporcionando a visibilidade, mas do seu jeito, com o seu modo de ser, pois “todo negrinho tem que saber o seu lugar”. Escuto isso há 54 anos e Você representa minha vontade de gritar bem alto “vidas negras importam”.

  19. A Câmara de Curitiba sempre me envergonhou. Nunca representou a população da cidade. Sempre defendeu os interesses dos vários prefeitos que tivemos e do empresariado (principalmente do transporte coletivo). O que esses vereadores racistas e hipocritas estão fazendo com Renato Freitas eh simplesmente confirmar essa vergonha.

  20. “Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.”

    perguntar nao ofende:
    o texto nao é do Rogerio Galindo? o “Plural” nao é do Rogerio Galindo?
    o texto do dono do jornal nao reflete necessariamente a opiniao do jornal?
    é ruim hein.

    diz a Talita em seu comentário, “parei de ler no título”. certíssima ela. eu só nao parei porque queria ver o teor de mediocridade onde chegava.

    e antes que me atirem pedras, já vou dizendo o seguinte:
    eu tenho nojo do PT – e igualmente do Jair Bolsonaro – mas apesar disso me compadeço da situaçao do Renato Freitas, nao por ele ser “negro, ou pobre ou da periferia” porque nada disso deve servir como medida de um ser humano, mas por ele estar nesse ninho de vermes imundos que constitui qualquer câmara municipal.

    a única diferença que existe entre uma câmara municipal e um prostíbulo, é que as prostitutas trabalham pelo seu dinheiro, sao pessoas honradas que além do mais nao se ridicularizam se fazendo de puras, sábias e importantes.

  21. Renato já consolidou um perfil de legislador que permanecerá, forte e altivo, a contrastar com a politicalha que impera nos quadros políticos! E por isto mesmo, vamos lutar com muita garra para que #RenatoFique e avance na renovação política de Curitiba!

  22. Texto irretocável que explicita uma representação falida que é essa Camara Municipal, dissociada que é dos verdadeiros anseios da população! Aprisionada ao sistema fisiológico de fazer política e de ceder aos poderosos!

  23. Decepcionante a direção do plural compactuar com uma manchete tão descabível quanto essa, convenhamos que haja certo apontamento para determinado espectro político que se faz bem evidente no jornal, mas essa notícia é de mal gosto e ofensiva até mesmo para os que tentam acompanhar livre de preceitos.
    Esse rapaz deveria ter mais respeito por sua profissão, honrar a faculdade que frequentou, o salário que recebe tudo por nos custeado. Se mesmo vindo de berço humilde e periférico não
    aprendeu o mínimo que se deve é ter noção de exemplo e respeito ao próximo e a órgãos públicos, o que mais esperar disso ? Repugnante.

  24. E por quê não invadir a câmara e mostrar a esses vereadores com quantos paus se faz uma canoa, se é que me entendem! Vamos rachar a lenha!!! Madeira e machado não faltam! O povo tem que exigir que os “sujeitos” façam, sem pestanejar, o que o povo decidir!!!

  25. Mas não foi nessa cidade que o prefeito disse que tinha nojo de pobre? E foi eleito. Renato, saia dessa merda da câmara de Curitiba, ela não o merece. A história com certeza, te reserva grandes saltos, e esses racistas só passarão na sua própria iniquidade!

  26. Justiça sendo feita, um sujeito mal intencionado que tentou cometer crimes usando a prerrogativa de vereador. Falta a sentença por depredação de patrimônio público (pixacão é coisa de quem não presta) e a sentença por ter invadido a igreja. A sentença de falta de decoro foi justa, faltam as outras.

  27. Muito bom o texto, Galindo! Esse texto precisa ser compartilhado ao máximo! Que vergonha essa câmara de vereadores de curitiba (no diminutivo mesmo)! Tb acho que ele deveria renunciar e explicar os motivos dessa renúncia e vir pra estadual ou federal. Com certeza! Outros Renatos virão!

  28. Parabéns! Um texto duro,mas necessário. A Câmara de vereadores de Curitiba reafirmou e intensificou o racismo institucional que paira na Curitiba “cidade de todas as gentes”. E viva a hipocrisia!

  29. Sabe quem também invadiu uma igreja e foi crucificado? Jesus

    O erro do Renatto foi ter acreditado que, à luz do dia e no espaço de “todos”, ele seria considerado igual. Mas ainda bem que ele não é igual.

  30. Na verdade o ser pobre e ser negro não foi o crucial para a cassação; mais o ser idiota e não respeitar as regras e empolar da função exercida. Lamentavelmente ele deu exemplo contraditório a aquilo que deveria !

  31. Renato errou feio ao invadir uma igreja – ou qualquer outro espaço dedicado à meditação/oração que fosse. E também não gosto dessa coisa de tudo puxar pra melanina e pra juba pra justificar abusos. Mas O que a Câmara fez com esse vereador e não faz com coisas muito, mas piores, coloca esse texto num nível de excelência que recomendo: leiam até o fim, sim! E que a sociedade tenha voz e saia em defesa desse jovem para que a sua punição não se concretize com o seu afastamento da vida pública. Seria uma grande perda e uma página triste na história da Câmara de Vereadores de Curitiba. Punição sim. Cassação não!!

  32. Não é a cor que poderá fazer ele perder o mandato. Foi ele invadir uma igreja para protestar e a sua arrogância em achar que poderia fazer isto.
    Se acontece impunidade como foi escrito está errado. Aliás o STF deverá liberá-lo. É só recorrer.
    Com certeza à justiça das instâncias superiores estão liberando ladrões e baderneiros. Ele será inocentado. Verás!

  33. Ele vai ter o que merece, foi preconceituoso e desrespeitou a fé dos outros, isso é discurso de ódio e intolerância. Jesus não invadiu igreja para desrespeitar a fé de ninguém, como o ilustre vereador fez e além de tudo foi covarde por que ofendeu pessoas idosas. Que a lei seja cumprida e seja homem para assumir seus atos!

  34. Mas não comentou sobre suas atitudes de invadir igrejas e perturbar os cultos, atos de vandalismo e contra pessoas de bem, por essa é outros tipos de afrontar não só merece ser expulso como como deveria ser preso.

  35. Teve o que mereceu! A CONSTITUIÇÃO diz que o lugar de culto é protegido e inviolável. O pior é que ele sendo vereador, e não é ignorante deveria saber que nso pode fazer isso. Eisdo bao tem nada a ver se negro, branco, amarelo, vermelho etc… Ele é um representante do povo, e como tal, deveria respeitar as leis. Eu sou negro, pastor, e jamais entraria em qualquer templo religioso para invadir, e levar minhas teses teóricas ou políticas, desrespeitando a laicidade, e liberdade de culto fo próximo. Errou nao por ser negro, de periferia e pobre pois sou negro tbm. Errou porque democracia e respeito andam de mãos dadas. A minha liberdade termina quando começa a do outro. Tudo na vida, tem um preço e limites. O vereador ultrapassou o limite e pagou o preço! “Sede lex dura lex!”

  36. Se fosse um corrupto dariam um jeito! Aos futuros vereadores, recomendo que tenha em seus gabinetes assessores da área jurídica, da sociologia e que planejem sua atuação longe do improviso, pois nessa cidade Sorriso amarelo escondem-se espíritos fascistas. Nem precisa procurar, basta ler alguns comentários aqui mesmo.

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Bolsonaro não concluiu 84% das obras da transposição do Rio São Francisco, como alega vídeo

É enganosa a afirmação de que Jair Bolsonaro (PL) entregou 84% das obras da Transposição do rio São Francisco. Apesar do presidente ter retomado 222 km que haviam sido retirados do projeto original por administração anterior, a execução da obra atravessou outras três gestões federais que, juntas, entregaram mais de 90% da infraestrutura do empreendimento, considerando a extensão inicial – de 477 km

Projeto Comprova