Empresários de ônibus atropelam a democracia de Curitiba - Jornal Plural
26 set 2021 - 19h41

Empresários de ônibus atropelam a democracia de Curitiba

Prefeito Greca pretende assumir dívidas das concessionárias do transporte

A nossa democracia está sendo destruída e os principais responsáveis por essa destruição somos nós e aqueles que elegemos. O mais grave é que a corrosão da democracia em nosso país e em nossa cidade de Curitiba só é  possível porque a base que a sustenta está sob ataque permanente, nos  três sistemas que a compõem: o Executivo, o Legislativo e o Judiciário.

Nada melhor para entender essa afirmação do que ir aos fatos concretos.

Sob o escudo da pandemia da Covid-19, o prefeito Rafael Greca de Macedo (DEM), com o objetivo de proteger os empresários do transporte coletivo, enviou à Câmara Municipal de Curitiba em maio de 2020 – com efeito retroativo a janeiro do mesmo ano – o projeto de Lei criando o Regime Especial de Operação e Custeio. A justificativa do projeto é a de que, com a pandemia, caiu drasticamente o número de passageiros: de 800 mil ao dia em janeiro de 2020 para 320 mil ao dia em março de 2020. Isso é uma falácia, visto que a queda no número de passageiro vem ocorrendo desde a licitação fraudulenta de 2010, que elevou os custos do sistema, tornando a tarifa impossível de ser paga pelos usuários de baixa renda. Saltou de R$ 3,70 no início do mandato do Greca para R$ 4,50 atualmente, com subsídio, para as empresas a  prefeitura paga a tarifa de R$8,31.

Em 1994, a tarifa era a 15ª mais cara do país e hoje é a mais cara. Na época, o sistema transportava 1.800.000 passageiros dia, hoje transporta 438.933 passageiros/dia. Há de se ressaltar que esses dados não são confiáveis, pois recentemente o TCEPR fez uma auditoria e constatou que os ônibus continuam  super lotados, não respeitando o regime emergencial que obriga transportar 50% do número de passageiros, tornando-se a maior fonte de contaminação na  pandemia.

Sem nenhuma transparência nos dados, o projeto foi votado em regime de urgência, houve um “tratoraço” da base do prefeito, sendo aprovado por maioria, com os 10 votos contrários da bancada de oposição.

O prefeito Greca achava que a pandemia iria acabar em julho de 2021 e, como não acabou, sem nenhuma justificativa aceitável, sem dados comprobatórios dos prejuízos dos empresários, envia em 16/9/21 em regime de urgência,  a toque de caixa, o novo projeto de lei prorrogando o regime emergencial sem definir montante, ou dados de custeio. A oposição enfrentou o prefeito com uma emenda contrária ao pedido de urgência, o líder do governo foi contra a emenda da oposição. O líder do governo, numa conversa gravada, orientou a bancada do Greca a votar pela rejeição da  emenda. O resultado da votação foi 20 favoráveis a urgência, 15 contrários e 2 abstenções. Aqui se configura a destruição da democracia, a medida em que o princípio Constitucional é violado: “Todo o  poder emana do povo e em seu nome será exercido”.

De fato, o poder do prefeito Greca e da sua base parlamentar na Câmara Municipal de Curitiba  emanou  do povo pelo voto para representá-lo. Na hora da representação, por analfabetismo político ou má fé, o prefeito Greca e seus vereadores interpretam a Constituição segundo seus interesses e dos empresários de ônibus e  leem “Todo o poder emana dos empresários e em seu nome será exercido”. Não há outra forma de entender a política que estão exercendo, pois o prefeito reedita a prorrogação do regime emergencial justificando que os empresários estão no prejuízo, sem comprovar nada! Isso se chama socialização dos prejuízos com o dinheiro público para preservar o lucros dos donos dos ônibus. Se eles estão no prejuízo, que abram suas contas bancárias e seu imposto de renda.

O mais cruel: o prefeito Greca enviou no dia 24/9/21, uma emenda ao projeto destinando mais R$373 milhões para pagar os empréstimos dos empresários junto aos bancos. Dinheiro que vai para comprar os novos ônibus, que substituíram os com vida útil vencida, e ninguém sabe onde foram parar esses ônibus que deveriam ser entregues a URBS, já que os passageiros pagaram pela sua compra – incluída no valor da tarifa em forma de depreciação da frota. Dinheiro esse que os empresários já receberam e não usaram e foram ao bancos emprestar mais. E agora o prefeitura vai pagar e os empresários, que já embolsaram os R$320 milhões de subsídios, ficam com mais R$373.108,00 milhões  que eles deveriam pagar aos bancos. Porém, a prefeitura é quem vai pagar. Diante desses fatos cabe perguntar: a quem o prefeito e sua bancada representam? O povo é que não!

Se nessa semana a Câmara Municipal de Curitiba aprovar esse projeto, está definitivamente declarado o descaso com a Constituição , com  democracia e com  voto do povo. E moral e eticamente inaceitável essa submissão vergonhosa do prefeito Greca e de seus vereadores aos interesses dos empresários do transporte coletivo de Curitiba. Conclamamos  que as instituições  republicanas como o Ministério Público do Paraná e o  Tribunal de Contas do Paraná impeçam essa falcatrua.

Que as entidades da sociedade civil e os homens e mulheres de bem da nossa cidade reajam diante desse assalto aos cofres públicos.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Empresários de ônibus atropelam a democracia de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias