11 mar 2022 - 11h30

Mutirão quer reduzir número crianças que não têm o nome do pai no registro de nascimento

Ação da Defensoria será neste sábado (12), com atendimento no centro e na Caximba

Neste sábado (12), a Defensoria Pública realiza um mutirão de orientação jurídica em Curitiba. Durante a ação será desenvolvido o Dia D do projeto “Meu pai tem nome”, que visa incluir a paternidade nos documentos de crianças, e ocorre em diversas cidades do Brasil.

O número de crianças que não têm o nome do pai na certidão de nascimento subiu pelo quarto ano consecutivo no país. De acordo com a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) quase 100 mil crianças nascidas no ano passado não têm esse registro.

No Paraná, somente em 2022 quase 5% das crianças nascidas não tiveram a paternidade reconhecida. Dos 24.352 bebês paranaenses nascidos neste ano, 1.229 só têm o nome da mãe no registro, uma média de 18 por dia. Os dados foram divulgados pela Defensoria Pública Estadual do Paraná (DPE-PR).

Em Curitiba mães e filhos podem ir até a rua José Bonifácio, 66, perto da PraçaTiradentes, ou ainda na Associação Biblioteca Amigos do Caximba, na rua Francisca Beralde Paolini, 267. O atendimento em ambos os endereços é gratuito das 9h às 17h, neste sábado (12).

Apesar de o foco ser o reconhecimento de paternidade, quem precisar de auxílio jurídico para outras questões também será atendido. “A DPE resolveu ampliar o foco do mutirão, possibilitando que todos que queiram assistência jurídica sejam atendidos, independentemente da área”, disse o defensor público Matheus Cavalcanti Munhoz, que é coordenador da Assessoria de Projetos Especiais.

Consequências

De acordo com Clodoaldo Porto Filho, professor de psicologia jurídica da UniAlfa e psicólogo na Defensoria Pública, a falta do reconhecimento da paternidade causa impactos na vida da criança. “Tem uma questão simbólica, que é saber sobre suas origens e também há um sofrimento muito forte nas questões sociais. Quando você vai preencher um cadastro e a pessoa pergunta o nome do pai e não tem isso, gera um constrangimento e muitas vezes vergonha”, analisa.

Moradora de Piraquara, Valéria Rocha lembra de como preenchia o nome nas provas da escola. “Na época eu colocava o sobrenome do meu pai que me criou, apesar de saber que no meu documento não tinha nome do biológico”. E embora tenha pouco contato com o pai biológico, ela teve a figura paterna do seu Devanir Honório, que a educou desde os dois anos.

Mais que o nome do pai no documento, o reconhecimento permite que os filhos tenham acesso ao convívio com a família, pensão alimentícia etc.

“Outra questão é que ela passa a ter uma referência, uma pessoa certa a identificar como seu pai, acabando com possíveis incertezas e angústias que a indefinição de quem é o pai pode lhe causar ao longo da vida”, salienta Fernando Redede Rodrigues, coordenador do Núcleo da Infância e Juventude (NUDIJ).

Serviço

Quem for ao mutirão deve levar alguns documentos para dar entrada no reconhecimento de paternidade: certidão de nascimento da criança, RG e CPF da mãe ou de quem tem a guarda, comprovante de endereço e provas de que a mãe teve um relacionamento com o pai. São aceitas mensagens de texto, áudio e fotos. Além disso, também é necessário apresentar nomes de testemunhas, e o nome e endereço completo do pai.

Para as mulheres que pretendem pedir pensão alimentícia a orientação é para que apresentem comprovante de renda (carteira assinada, últimos três holerites ou inscrição no CadÚnico); comprovante de gastos com a criança (pode ser feito a mão) e número de conta bancária.

Com informações da DPE-PR.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

2 comentários sobre “Mutirão quer reduzir número crianças que não têm o nome do pai no registro de nascimento

  1. Sou professor. E as vezes o nome do pai significa abuso, violência e abandono. Sei da importância legal disso. Porém tambem sei de crianças que fazem questão de esquecer a paternidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds