Médico faz apelo: “Se comportamento não mudar, pessoas vão morrer sem assistência” | Jornal Plural
1 dez 2020 - 17h00

Médico faz apelo: “Se comportamento não mudar, pessoas vão morrer sem assistência”

Infectologista do HC pede que população se conscientize e evite aglomerações

O infectologista Jaime Rocha, do Hospital de Clínicas da UFPR, fez um vídeo para pedir que a população mude de comportamento e adote posturas que ajudem a diminuir a propagação do coronavírus.

Professor da PUC e diretor da Unimed, o médico diz que as instituições, tanto públicas quanto privadas, estão abrindo todos os leitos que podem. Mas que isso de nada adiantará se a postura da população não mudar.

“Nao temos mais leitos”, diz ele. “Estamos abrindo leitos, mas o comportamento das pessoas faz com que o número de casos seja de tal tamanho que não damos conta. Se não houver contribuição da população como um todo e compreensão de que aglomerações continuam trazendo casos novos, nós não vamos tolerar e passará a haver óbitos por falta de assistência”.

Conforme noticiou o Plural, o número de casos ativos de coronavírus em Curitiba vem crescendo rapidamente, assim como as internações e mortes. A nova onda da doença já se reflete em hospitais lotados e falta de leitos, tanto para UTIs quanto para enfermarias. A situação está tão crítica que as autoridades não descartam o colapso no sistema de saúde em Curitiba, que já suspendeu cirurgias eletivas e estuda enviar pacientes contaminados para o Interior do Estado, por falta de vagas na Região Metropolitana de Curitiba.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Médico faz apelo: “Se comportamento não mudar, pessoas vão morrer sem assistência”

  1. Estou recolhida no isolamento, mas penso que esta postura do médico infectologista deveria ser copiada por todos profissionais de saúde, numa grandes corrente de alerta e consciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias