Casos ativos de coronavírus crescem 51% em uma semana | Jornal Plural
26 nov 2020 - 19h39

Casos ativos de coronavírus crescem 51% em uma semana

Em Curitiba, número de contaminados subiu 4,3 mil em 7 dias; todos podem transmitir o vírus

Os casos ativos de Covid-19 em Curitiba bateram recorde pelo oitavo dia seguido e saltaram 51,9% em uma semana, passando de 8.415 no dia 19 de novembro para 12.784 nesta quinta-feira (26). Os dados são do boletim mais recente da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que deve decidir nesta sexta-feira (27) se mantém a bandeira amarela, de flexibilização máxima, mesmo diante da situação caótica nos estabelecimentos de saúde.

A alta dos números pode colapsar o sistema público de saúde da Capital já daqui a uma semana, conforme mostrou o Plural. Nos hospitais particulares, a situação também é bastante preocupante e mantém atendimentos limitados.  

Nesta quinta, o Instituto de Neurologia de Curitiba (INC) se somou a outras instituições da Capital e anunciou o fechamento do Pronto Atendimento (PA) da unidade. A medida vale para casos de síndrome gripal; emergências neurológicas, cardiológicas e consultas agendadas seguem com capacidade limitada. Além do INC, o Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) e Sugisawa também operam em capacidade máxima, sem vaga para novos pacientes contaminados pelo coronavírus. O Pronto Atendimento do Hospital Marcelino Champagnat, que estava fechado desde o início da semana, reabriu, mas com encaminhamento de acordo com a escala de gravidade apresentada.

“Os hospitais são como faixa de areia na praia que segura as ondas todos os dias. Se vem um tsunami, a gente não consegue segurar o tsunami”, diz o presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Sindipar), Flaviano Ventorim.

Segundo ele, a prefeitura vem sendo notificada sobre a situação dos hospitais associados. Embora o Sindipar não tenha levantamento interno da ocupação total, é certo que, hoje, muitas das unidades já operam no limite.

“A situação dos hospitais hoje é preocupante. A gente vem rodando com uma taxa de ocupação alta e temos alertado o município também”, afirma Ventorim “O nosso papel enquanto hospital é informar essa situação, o da imprensa é alertar, e do poder púbico tomar as medidas. Acredito que é um conjunto de fatores, sem politização da situação mas, sim, é um conjunto de fatores”, acrescenta.

SUS tem 94% de ocupação

Nos últimos dois dias, a prefeitura de Curitiba criou dez novos leitos de UTIs exclusivas para Covid-19 na rede do SUS. Somadas às 41 anunciadas na semana passada, já são 51 novas vagas diante deste novo pico de casos. Dos 334 leitos disponíveis, apenas 19 estão livres – uma taxa de ocupação de 94%, a maior da semana até agora.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), cinco dos 11 hospitais com atendimentos pelo SUS de Curitiba e Região Metropolitana, que têm UTIs específicas, estão com a capacidade esgotada. Além do Hospital Erasto Gaertner, que já estava com 100% de ocupação há dias, entram na lista o São Vicente, Evangélico, Trabalhador e São Lucas do Parolin, este último em Campo Largo, na Grande Curitiba. Nos demais, a taxa segue acima de 90%, exceto no Cruz Vermelha, cujo índice é de 63%.

Os dados desta quinta indicam, nas últimas 24 horas, 1.604 novas confirmações de contaminados pelo coronavírus em Curitiba. Também foram registrados 18 óbitos, dos quais onze ocorreram nas últimas 48 horas.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias