MP descarta novas fitas do Caso Evandro sem pedir acesso a elas | Jornal Plural
4 jun 2021 - 18h14

MP descarta novas fitas do Caso Evandro sem pedir acesso a elas

Podcaster se colocou à disposição do MP há um ano, mas não foi procurado

O Ministério Público do Paraná voltou a afirmar nesta sexta-feira, dia 3 de junho, que não reconhece as provas de torturas realizadas contra os acusados de matar o menino Evandro Ramos Caetano. “Desde que o mencionado conteúdo veio a público, há pouco mais de um ano, o mesmo não foi submetido ao Poder Judiciário, razão pela qual não têm valor como prova judicial”, afirmou o órgão em nota enviada a imprensa. Porém, segundo Ivan Mizanzuk, que descobriu as fitas e as apresentou em março de 2020 no podcast O Caso Evandro, em nenhum momento desde então o MP solicitou acesso ao material, nem o convocou para prestar esclarecimentos.

Mizanzuk é responsável pelo podcast sobre o caso que virou recentemente uma série documental exibida no canal de streaming Globoplay. Também foi ele que localizou, digitalizou e divulgou o material, que seria a versão integral das confissões utilizadas nos julgamentos contra os acusados. No entanto, a versão usada pelo promotor do caso contém cortes. As novas fitas, indica Mizanzuk, contém o que teria sido retirado delas.

No último episódio da série, que foi publicada no último dia 2 de junho, o promotor Paulo Sérgio Markowicz de Lima ouve trechos de gravações feitas com três dos sete acusados do crime em que há indicações de que eles estão sob coação e sendo submetidos a tortura. A gravação, informou Mizanzuk, foi feita em março de 2020.

O último trecho, uma gravação de Beatriz Abagge, a voz de um suposto policial diz que irá voltar para a “sessão” quando ela falha em dizer o que querem. Após ouvir as gravações, Markowicz diz que “pelo que estou ouvindo, parece que a coisa não andou como deveria”. Procurado pelo Plural, o promotor disse que por orientação do MP não se manifesta sobre o caso.

Mas o MP encaminhou uma nota na qual afirma que “o conteúdo em áudio citado carece de prova de autenticidade e de contemporaneidade”. E completa que “as condenações, ocorridas em dois júris distintos – um em 2004 e outro em 2011 – não se deram exclusivamente com base nas confissões”.

Ainda segundo Mizanzuk, após quase um ano de posse das fitas, ele as entregou para o advogado de defesa das Abagge, Antonio Augusto Figueiredo Basto, que prepara um pedido de revisão criminal. Ainda em março de 2020 Mizanzuk havia registrado no podcast e em entrevistas à imprensa que estava à disposição do MP.

Sobre o caso

Evandro Ramos Caetano, de 6 anos, desapareceu em 1992, em Guaratuba, litoral do Paraná, quando caminhava de volta para casa. O corpo dele foi encontrado dias após o desaparecimento, num matagal da cidade. Sete pessoas foram acusadas do crime, entre elas a esposa e a filha do então prefeito da cidade, Aldo Abagge. O caso foi revisto pelo jornalista Ivan Mizanzuk no podcast Projeto Humanos – Caso Evandro, que culminou com a apresentação das novas provas encontradas por ele que reforçam a denúncia feita pelos acusados de que as confissões que fizeram haviam sido obtidas sob tortura.

Além do podcast, o caso também foi recém apresentado em uma série documental na Globoplay e é tema de um livro que será lançado em junho de 2021.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

12 comentários sobre “MP descarta novas fitas do Caso Evandro sem pedir acesso a elas

    1. Inaceitável. E dizer que não foi baseado nisso são palavras ao vento, para tapar a boca da opinião pública. Ora, um processo de centenas de milhares de páginas! Quero ver sem essas confissões, como vcs colocam os acusados na cena do crime!

  1. O estado esta com o …. na mão se isso acontecer e sei que vão ter que nos inocentar em letras garrafais, eles sabem que a indenização vai ser bem salgada.

  2. Simplesmente acobertaram porque certamente envolve políticos ainda em atividade com seus mandatos “íntegros”, assim como policiais, advogados, juízes, promotores e demais ingredientes dessa pizza vergonhosa à moda da casa.

  3. Acho que nao querem tocar nesse assunto, por que foram cometidas várias injustiças, e as pessoas importantes envolvidas ainda poderiam ser responsabilizadas.

  4. Rsss… Não estou surpreso com nada desse desfecho do MP. Querem de todas as maneiras achar um culpado seja ele inocente ou não. Como já sofri uma injustiça semelhante do MP e da PM, assim como os acusados do caso Evandro, paguei por um crime inventado. Não acredito no judiciário brasileiro.

  5. Como exaustivamente colocado pelo podcast e o próprio MP disse em sua nota, as provas não são exclusivamente baseadas na confissão. Há uma série de documentos, fotografias e testemunhos que dão a certeza da culpa. Sem a confissão, a responsabilização seria a mesma. Parem de beatificar bandidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias