Literatura brasileira e de língua portuguesa são temas de revista holandesa

Há traduções de nomes praticamente inéditos na Holanda, como Caio Fernando Abreu, Victor Heringer, Lygia Fagundes Telles, Hilda Hilst e Haroldo de Campos

A revista literária holandesa Terras, que a cada edição apresenta um panorama de um país ou uma região específica, tem seu 22º número, lançado essa semana, dedicado aos lusófonos. Com organização de Anne Lopes Michielsen, autores de Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Macau, Madeira, Moçambique, Timor-Leste, Portugal, São Tomé e Príncipe, e Brasil, claro, são representados. Daqui, há traduções de nomes praticamente inéditos na Holanda, como Caio Fernando Abreu, Victor Heringer, Lygia Fagundes Telles, Hilda Hilst e Haroldo de Campos. Os brasileiros foram traduzidos diretamente do português pela própria Anne, além de Joris Kleverlaan, Maartje de Kort, Kitty Pouwels, Bart Vonck, Joana Bértholo e Mário Guerra.

HOLANDA NO BRASIL 1

Alex van Warmerdam. Foto: divulgação.

A Cobogó lançou há pouco uma coleção de dramaturgia holandesa. São cincos peças, todas foram traduzidas do inglês e cotejadas com o holandês por Mariângela Guimarães. São elas:

  • No canal à esquerda, Alex van Warmerdam (tradução de Giovana Soar)
  • Ressaca de palavras, de Frank Siera (tradução de Cris Larin)
  • Planeta Tudo, de Esther Gerritsen (tradução de Ivam Cabral e Rodolfo García Vásquez)
  • Eu não vou fazer Medeia, de Magne van den Berg (tradução de Jonathan Andrade)
  • A nação – Uma peça em seis episódios, de Eric de Vroedt (tradução de Newton Moreno)

HOLANDA NO BRASIL 2

Jan Brokken. Foto: divulgação.

A Âyiné solta em agosto O esplendor de São Petersburgo, de Jan Brokken, um dos grandes autores de não ficção de seu país. A tradução direta do holandês ficou a cargo de Flavio Quintale.

ATWOOD EM DOSE DUPLA

Margaret Atwood. Foto: divulgação.

A Rocco publica neste mês Colchão de pedra: nove contos perversos (tradução de Maira Parula), e Payback: A dívida e o lado sombrio da riqueza (tradução de André Costa), ambos da canadense Margaret Atwood.

BRECHA DE BRECHT

Bertolt Brecht. Foto: reprodução.

A editora 34 solta um volume inédito em português de Bertolt Brecht, Sobre a profissão do ator (organização de Werner Hecht, tradução de Laura Brauer e Pedro Mantovani).

Sobre o/a autor/a

Compartilhe:

Leia também

Mentiras sinceras me interessam

Às vezes a mentira, ao menos, demonstra algum nível de constrangimento, algum nível de percepção de erro. Mas quando a verdade cruel é dita sem rodeios, o verniz civilizatório se perde

Leia mais »

Melhor jornal de Curitiba

Assine e apoie

Assinantes recebem nossa newsletter exclusiva

Rolar para cima