Após pressão de mulheres, Ratinho nomeia Luciana Carneiro de Lara para o TJ

Coletivo de magistradas e Secretária da Mulher pediam que vaga de Regina Portes fosse para uma mulher

Depois de uma campanha das mulheres tanto no Judiciário quanto fora dele, o governador Ratinho Jr. (PSD) nomeou nesta quarta-feira (6) a advogada Luciana Carneiro de Lara como nova desembargadora do Tribunal de Justiça do Paraná. A pressão era para que o governador escolhesse uma mulher na vaga de Regina Portes, desembargadora que foi a primeira mulher no TJ paranaense e que acaba de se aposentar.

O Plural mostrou que o Tribunal de Justiça paranaense está entre os piores do Brasil em termos de disparidade de gênero. Segundo números deste ano, divulgados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Paraná aparece no 18º lugar do país na proporção de mulheres no segundo grau do Judiciário. São apenas 15% ocupadas por mulheres das 126 vagas de magistrados no TJ paranaense.

Luciana Carneiro de Lara é advogada e entra no TJ pelo quinto constitucional, que reserva 20% das cadeiras do tribunal para membros da advocacia. A nova desembargadora ficou em primeiro lugar tanto na votação para a lista sêxtupla, organizada pela OAB, quanto na formação da lista tríplice, em que votam os atuais desembargadores.

A campanha pelo nome de Luciana contou com uma carta aberta da Secretária da Mulher do próprio governo Ratinho, Leandre Dal Ponte (PSD), e do coletivo Antígona, que reúne magistradas paranaenses. Ratinho tem apenas duas mulheres no primeiro escalão de seu governo.

Formada em Direito pela PUCPR em 2004, Luciana Carneiro de Lara é pós-graduada em Direito Processual Civil, em Direito Civil e Empresarial e mestre em Direito Econômico e Socioambiental pela mesma universidade. Tem atuação na área contenciosa e de arbitragem, foi professora de Direito Civil na Unicuritiba e tem experiência nas áreas de Direito Civil, Societário e Processual Civil.

Na OAB/PR, Luciana foi diretora da Caixa de Assistência dos Advogados e coordenadora da Caixa de Assistência dos Advogados. Também integrou a Comissão de Direito Processual Civil e a 3ª Comissão de Fiscalização do Exercício Profissional.

Sobre o/a autor/a

Compartilhe:

Leia também

O (des)encontro com Têmis

Têmis gostaria de ir ao encontro de Maria, uma jovem vítima de violência doméstica, mas o Brasil foi o grande responsável pelo desencontro

Leia mais »

Melhor jornal de Curitiba

Assine e apoie

Assinantes recebem nossa newsletter exclusiva

Rolar para cima