fbpx
OR
destaque Poder

Governo Ratinho dá a entender que servidores ficarão de novo sem reposição

Escrito por Rogerio Galindo
Compartilhe

Ratinho afirma que seria irresponsabilidade colocar as contas do estado em risco neste momento

Compartilhe

O governo do Paraná deu dois indícios importantes nos últimos dias de que está preparando o funcionalismo para mais um ano de negativa na reposição salarial. Em entrevistas a veículos de imprensa, dois dos principais atores do processo prepararam o terreno para dizer que novamente não haverá condições para repor os salários, já defasados em mais de 16% .

O secretário da Administração do governo Ratinho Jr. (PSD), Reinhold Stephanes, declarou em entrevista à Rádio T nesta sexta que ainda não há solução à vista para pagar o reajuste do funcionalismo.

Na entrevista à repórter Mareli Martins, Stephanes disse que o governo está se preparando para a próxima reunião com os sindicatos, marcada para a semana que vem, no dia 25, e que nesta data deve dar seu parecer sobre a data-base e os motivos para que ela seja paga ou não.

Ratinho

Já no domingo, foi o próprio Ratinho quem teve declarações publicadas pela Gazeta do Povo, em entrevista à repórter Giulia Fontes. Segundo o governador, é importante reconhecer o “sacrifício” que os funcionários vêm fazendo, mas é preciso levar em conta também a crise econômica do país.

“Eu posso dar o reajuste neste ano e no ano que vem as pessoas não receberem o salário. Tem que ter essa consciência. Posso dar uma de bonzinho agora e, no ano que vem, acontecer de muitos não receberem o salário ou a aposentadoria. Eu prefiro que a gente faça um esforço agora no começo – não só o governo, a sociedade e os servidores também. Prefiro que a gente faça um trabalho para poder pagar ao menos uma parte do 13º em junho, para dar a garantia de que vai ter o salário em dia e poder ir avançando em outras áreas, do que chegar e dar um reajuste para o servidor, dar uma de bonzinho e colocar as contas do Paraná em risco”, disse.

Ratinho disse que tem buscado negociar com o sindicato, dizendo “olha, vamos fazer um esforço no primeiro ano de governo, em que é muito difícil até você colocar a casa em ordem, e no ano que vem a gente consegue trabalhar pra 1,5%, 2%, 3,5%”. Vamos trabalhar com o cheiro da economia melhorando, para que o ajuste que estamos fazendo possa trazer resultados”.

Sem reposição

Os servidores públicos paranaenses estão sem reposição da inflação desde 2016, quando o governo Beto Richa (PSDB) deu um calote na promessa de repor a inflação, que havia até mesmo sido transformada em lei.

A previsão é de que a inflação dos últimos 12 meses, até maio, quando completa o ciclo salarial do funcionalismo, fique em torno de 4,5%. Os sindicatos exigem pelo menos a reposição desse índice. No entanto, desde 2016, a defasagem é de mais de 16%.

Ratinho, na campanha, se propôs a fazer uma política de quatro anos que repusesse as perdas dos trabalhadores, mas até agora não apresentou nada sobre o tema.

Quem quiser ouvir o áudio de Stephanes clica aqui.

Sobre o autor

Rogerio Galindo

Rogerio W. Galindo é jornalista e tradutor. Responsável pelo blog Caixa Zero, é um dos profissionais que criaram o Plural.jor.br

Deixe seu comentário