fbpx
Colunistas destaque

Quem tem medo do Lobo Mau?

Escrito por Deyse Campos
Compartilhe

Clássico personagem das histórias que se diz capaz de, com um sopro, fazer tudo ir pelos ares, de transformar criancinhas em mingau, é o responsável por dar a vida aos enredos que participa. Ora, delete  esse coadjuvante e veja o que sobra: palavras soltas, personagens sem repertório para vincular-se com a aventura de viver, crescer e aprender.

Na vida real, a nossa história também funciona assim. É preciso de uma boa dose de agressividade para viver; e quando digo agressividade quero deixar claro que é a vontade de fazer justiça, de ser reconhecido, de ser aceito, ser ouvido e ouvir, enfim, essa energia que nos impulsiona a ser mais e que, vale dizer, é bem diferente de violência. A violência é uma agressividade mal educada.

A agressividade é necessária e o momento mais propício para torná-la uma aliada da vontade de ser mais, (que é tão somente a vocação para aprender), é a infância. Época em que os seres humanos são mais tolerantes e menos fortes, mais velozes e menos furiosos, mais abertos as possibilidades de interagir e aprender. Crianças brigam e brincam em igual proporção, o que pode corromper o peso na balança dessas ações é a intervenção de quem não olha, com olhos de crianças, o mundo das crianças.

Adultos, muitas vezes, querem defender uma criança criticando outra. Muitas vezes, entram na briga sem perceber que agora a sua força está em outra dimensão, a dimensão do julgamento, a qual pode ferir uma criança muito mais que os arranhões, tapas, beliscões e empurrões vivenciados ao brincar e brigar com os seus pares.

A agressividade é um lobo mau que assusta, mas é ela que ensina. Pais e educadores não devem ter medo, porque é por meio dela que se chega ao final feliz. Crianças precisam brincar e brigar para aprender a maior virtude do ser humano, a de perdoar, ser perdoado e perdoar-se.

A melhor intervenção de um adulto diante da agressividade infantil é aceitar que não se trata de violência, que uma criança não é má porque brigou e que uma criança não é detentora de necessidades especiais ou de acompanhamentos específicos porque é um pouco mais agitada. Crianças precisam de cuidado e atenção, não de julgamentos, tampouco pré-conceitos.

Quando uma criança apresenta algo que aos olhos desavisados parece inconveniente é hora de aquietar. E, depois, buscar entender, feito Chapeuzinho Vermelho, de onde vem tudo isso, fazer uma criteriosa análise para intervir de modo assertivo, eficaz, cujo foco não é nem a criança que bate, nem a criança que apanha, mas justamente a construção em ambas da autonomia, essa categoria interna que possibilita ao ser humano encorajar-se, enfrentar seus medos e dificuldades, acolher seus limites e, inclusive, ser verdadeiramente feliz!

Sobre o autor

Deyse Campos

Pedadgoga (PUCPR). Psicopedagoga (PUCPR). Psicomotricista Relacional(CIAR). Especialista em Psicopedagogia Clínica (EPSIBA). Doutoranda em psicanálise (UCES). Autora de livros didáticos, para didáticos e de literatura infantil. Consultora pedagógica para escolas que querem inovar. Conselheira pedagógica da escola Interpares. Atriz. compositora. dubladora e brincalhona.

Deixe seu comentário