fbpx
Notícias de Curitiba | Vizinhança

Quem tem culpa pelas ameaças à UFPR? Eis algumas pistas

Reitoria da UFPR: alvo de ameaças. Foto: Rodrigo Juste Duarte.
Escrito por Rogerio Galindo
Compartilhe

Joseph Goebbels dizia que uma mentira repetida mil vezes se tornava verdade. Talvez Goebbels nunca tenha dito isso, mas a frase, de tão repetida, já é verdadeiramente dele. E ele sabia do que estava falando: foi um dos principais articuladores do nazismo e daquilo que permitiu aos nazistas conquistas a Alemanha, o uso político do antissemitismo.

Filmes mostravam judeus como ratos. Panfletos falavam do mal causados pelos judeus. Espalhavam-se histórias sobre a ganância e a falta de escrúpulos de um povo. Incentivavam-se as mentiras dos Protocolos dos Sábios de Sião. E de repente todo o país esta agindo contra os judeus: em alguns casos, sem que o governo precisasse fazer nada.

Quem queimou os livros dos judeus em praça pública em 33 não foi o governo: aliás, Goebbels tentou deixar claro que nada tinha a ver com aquilo. Quem praticou as barbáries da Noite dos Cristais não foi Hitler: foi o povo alemão, fanatizado previamente pela propaganda antissemita.

É simples: você instiga as pessoas contra o seu adversário. Depois espera que elas ajam. E aí se mostra surpreso, talvez até solidário.
___

No Brasil dos anos 2010, fica muito claro que há uma nova classe de culpados pelos males do país. São os intelectuais. A ideia é igualmente simples. Primeiro, diga que em algum momento anterior houve uma vida boa. Depois, diga que alguém é responsável por transformar aquela era dourada nisso que temos hoje (e realce bem os problemas, sem jamais falar de coisas boas). Agora resta encontrar o inimigo, para que você seja o antídoto a ele.

Os intelectuais, esses descolados da vida real; esses leitores e produtores de livros críticos; essa gente que muitas vezes nem acredita na mesma religião da maioria da população; essas pessoas que insistem que é preciso mudar coisas que são tradicionalmente aceitas, ao invés de simplesmente aceitar o mundo como ele é, inclusive com suas injustiças; são essas pessoas que merecem ser caladas. São elas o inimigo. São eles os judeus.

____

A universidade, vejam só, está mostrando livros perigosos; e ensinando a nossos filhos que nosso mundo pode ser diferente. O melhor que fazemos é realças o uso de drogas, chamar os professores de doutrinadores e pintar o quadro de um antro em que nada se respeita: assim ficará claro o perigo.

Os artistas muitas vezes ousam dizer em mensagens simples ou em insights reveladores que o governo e as pessoas que comandam a economia podem não estar pensando no bem geral. É preciso colocar neles a pecha de comunistas, de gente que vive de benesses públicas, atacar suas fontes de financiamento, fazer com que eles desistam ou se ajoelhem.

Os sindicatos reúnem os trabalhadores e se tornam uma pedra no sapato da gente de bem que quer empreender. É preciso dizer que há aí uma mamata, acabar com qualquer forma de financiamento dessa gente perigosa – ao mesmo tempo em que se mantêm os rios de dinheiro que fluem para o empresariado.

A imprensa questiona, incomoda, revela o que não se quer. Coloquemos nela o rótulo das fake news, digamos que estão a serviço de interesses escusos, digamos que os jornalistas são todos uns esquerdinhas mal formados em universidades deformadas. Será o primeiro passo para a vitória.

____

Nesta semana, houve uma série de ameaças a universidades públicas no país. Gente em fóruns subterrâneos da Internet dizendo que atacaria a bala (como aconteceu na tragédia de Suzano) pessoas que estudavam em campi espalhados pelo Brasil. Inclusive na UFPR. Um dos textos falava que a ideia era atacar os lugares onde estudam os aidéticos e as putas. As Humanas, evidente. As Exatas, para eles, não são um incômodo.

Incômodo são as ciências que estudam as relações entre as pessoas, e que insistem em não se conformar a uma visão única de mundo. É preciso calar essa gente, nem que seja na força.

Jair Bolsonaro não mandou essas mensagens, certamente.

Nem foram seus autores os homens responsáveis pelos editoriais de jornais que vivem traçando um retrato escabroso da universidade pública, parcial, deformado, grotesco.

Também não foi a nova direita conservadora quem ameaçou a UFPR, ou pelo menos não foram seus braços institucionalizados.

Provavelmente, foi apenas um maluco. Sozinho. Mas quem colocou as ideias na cabeça dele? Quem fez com que ele odiasse os estudantes e visse neles aidéticos e putas que merecem ser executados a tiros?

____

A vida pública exige responsabilidade. E exige que as pessoas sejam responsabilizadas pelos seus atos. Você que fica espalhando mentiras sobre a vida acadêmica e intelectual: você mesmo. Sinta-se envergonhado do que você está fazendo. Pelo menos por hoje, sinta a vergonha que sempre deveria sentir.

Sobre o autor

Rogerio Galindo

Rogerio W. Galindo é jornalista e tradutor. Responsável pelo blog Caixa Zero, é um dos profissionais que criaram o Plural.jor.br

Deixe seu comentário