fbpx
OR
destaque Poder

Nove provas de que o governo Bolsonaro pode matar você

Escrito por Rogerio Galindo
Compartilhe

Governo anuncia medidas que facilitam crimes, viciam jovens em cigarros e dificultam combate à pobreza extrema

Compartilhe

Várias das medidas anunciadas pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) nos primeiros quatro meses de gestão trazem consequências grave para a saúde dos brasileiros ou tornam mais arriscada a vida no país. No trânsito, na segurança e até na alimentação, a impressão é de que o novo governo federal faz questão de tornar a vida de seus compatriotas uma roleta russa, com riscos literalmente a cada esquina.

Agrotóxicos
Nos primeiros dias de governo, Bolsonaro liberou mais de um agrotóxico por dia. Foram 152 produtos aprovados, sendo que 44% são considerados muito perigosos e 28% já foram banidos na União Europeia. O governo está liberando mais veneno na comida para beneficiar a agroindústria, mas isso acaba com a saúde dos brasileiros e trará inclusive prejuízos econômicos mais adiante, com os tratamentos dos doentes. Leia mais aqui.

Armas
Os estudos mostram que o Estatuto do Desarmamento poupou dezenas de milhares de vidas ao impor limites mais rigorosos para a posse e o porte de armas de fogo. Uma das principais promessas do atual governo é afrouxar a legislação, ideia que não mudou nem mesmo depios do massacre de alunos e funcionários numa escola de Suzano. Leia mais aqui.

Carteira de Habilitação
As mortes no trânsito também podem aumentar. O governo anunciou que pretende ampliar de 20 para 40 a quantidade de pontos que o motorista pode ter na carteira antes de ter cassado o seu direito a dirigir. Isso diminui a pressão para que os motoristas respeitem a lei e mantém maus condutores ao volante por mais tempo. É a impunidade favorecendo os crimes de trânsito.

Cigarros
O governo estuda diminuir os impostos sobre os cigarros no Brasil, contrariando tudo o que as autoridades mundiais dizem sobre o tabagismo. Enquanto a ciência afirma que elevar impostos e preços é o que evita a criação de uma nova geração de fumantes, Sergio Moro alega que vai fazer o oposto para evitar o contrabando – um pretexto tolo, já que combater o contrabando é atribuição da Polícia Federal, comandada por ele mesmo. Leia mais aqui.

Combate à fome
A gestão Bolsonaro já anunciou retrocessos em duas políticas importantes de combate à fome e à pobreza. No salário mínimo, deve retirar da conta der reajuste o aumento do PIB do ano anterior. No Bolsa Família, embora tenha criado o décimo terceiro, avisou que não haverá reajuste neste ano.

Polícia
Um dos elementos mais graves da atual gestão: o pacote anticrime de Sergio Moro permite que a polícia mate com muito maior liberdade, ao aprovar o excludente de ilicitude. A previsão de que não há punição em caso de “violenta emoção” também levanta suspeitas de que isso poderia ser usado, por exemplo, em caso de crimes passionais.

Previdência
A mais famosa das reformas de Bolsonaro também pode deixar milhões de famílias pobres sem condições de se alimentar decentemente ou comprar remédios necessários, entre outros itens – principalmente com as mudanças no Benefício de Prestação Continuada, pago a idosos de baixa renda.

Radares
Bolsonaro também anunciou que estava mandando retirar 8 mil radares de estradas federais, alegando que com isso combatia a indústria da multa. Como só é multado quem infringe a lei, indústria não há: o que há é a coibição de crimes de trânsito, que matam milhares de pessoas ao ano no país. Leia mais aqui.

Sobre o autor

Rogerio Galindo

Rogerio W. Galindo é jornalista e tradutor. Responsável pelo blog Caixa Zero, é um dos profissionais que criaram o Plural.jor.br

Deixe seu comentário