23 mar 2021 - 17h13

Outdoors que defendem tratamento precoce da Covid-19 são retirados

Publicidade foi estampada em seis bairros de Curitiba, mas MP e Prefeitura mandaram tirar

Na última semana, quem precisou se deslocar por Curitiba se deparou com outdoors que defendem o tratamento precoce da Covid-19. Apesar de estarem assinados pelo Movimento Médicos Pela Vida, quem financiou a ação foi um grupo de empresários e sociedade civil da Cidade. Agora, o Ministério Público e a Prefeitura pedem para que sejam retiradas as seis publicidades instaladas na Capital.

“Não dê chances à Covid-19. O tratamento precoce pode salvar vidas” é o que diziam os outdoors instalados nos bairros Uberaba, Jardim Botânico, Boqueirão, Fanny, Parolin e São Lourenço. Ontem, a empresa responsável pela instalação – a RPO Espaço Publicitário LTDA – recebeu notificações da Secretaria Municipal de Urbanismo, dando 12 horas para a retirada das publicidades. Procurada pelo Plural, a empresa não quis dar entrevista e pediu para que o Jornal falasse com a cliente que solicitou a disseminação da notícia.

Notificação dá 12h para retirada do material. Foto: Plural.jor


“Eu nunca vi isto nos meus mais de 50 anos de vida. Essa pressa toda para tirar um outdoor”, disse a cliente da empresa RPO e também criadora do grupo que financiou a ação. Ela prefere não se identificar, por medo de represálias.

Ela conta que no aplicativo de mensagens WhatsApp cerca de 50 pessoas da sociedade civil se reuniram por acreditarem no tratamento precoce e decidiram bancar a iniciativa. “No grupo tem de tudo: empresários, advogados, engenheiros, médicos”, diz. “Somos de direita, mas ao mesmo tempo, vou te deixar claro: hoje, nós estamos apartidários em relação ao tratamento precoce.”

Ela também diz que ninguém do grupo tem intenções políticas. “Ninguém quer aparecer. Somos pessoas civis, que não têm nada por trás. Não é o Bolsonaro a questão, não é ministro da saúde”, afirma. Ainda assim, diz que defende as ações e o governo do presidente Jair Bolsonaro. “Eu posso defendê-lo até morrer.”

Quando questionada sobre a não comprovação científica da Cloroquina e Ivermectina, medicamentos usados no tratamento precoce da Covid, ela garante que, por não ser profissional da área, não pode dar uma explicação científica, mas que o “irmão, irmã e cunhada tomaram Cloroquina e estão bem”.

A assessoria do Movimento Médicos Pela Vida confirma a história e diz que “a divulgação desses outdoors tem sido uma iniciativa de pessoas da sociedade civil. Defensores e simpatizantes do Tratamento Precoce que estão se mobilizando por todo o país”. Ainda, dizem que o movimento Médicos Pela Vida, não está bancando as iniciativas. “Não é a Associação Médicos Pela Vida quem está bancando. Eles próprios se organizam e fazem essa divulgação.”

Sem eficácia comprovada

Procurada, a assessoria da Secretaria Municipal de Urbanismo disse, em nota, que atendeu a um ofício da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba, do Ministério Público Estadual, para “notificar a empresa responsável pelo equipamento de publicidade para retirada dos painéis com mensagem sobre ‘tratamento precoce’ da Covid19”.

O ofício do Ministério Público argumenta que, entre outras coisas, há inexistência, até o momento, de comprovação científica sobre a eficácia do uso de medicamentos para tal tratamento, além de um veto no Código de Ética Médica de se “divulgar, fora do meio científico, processo de tratamento ou descoberta cujo valor ainda não esteja expressamente reconhecido cientificamente por órgão competente”.

Além disso, o ofício do MP afirma que não há reconhecimento dos próprios fabricantes de que tais medicamentos são indicados para tratamento precoce da Covid19. Segundo a nota, a orientação também é seguida por “sociedades como as de Cardiologia, Infectologia, Pediatria e pela Associação Médica Brasileira e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)”.

Prefeitura pediu e recebeu Cloroquina

Na última semana, em vídeo divulgado nas redes sociais do prefeito Rafael Greca, no dia 19 de março, ele também se coloca contrário ao tratamento precoce. “Lombriga não é vírus, portanto ivermectina não cura, só faz mal pro rim”, afirmou o prefeito, fazendo referência ao uso de vermífugos no tratamento do Coronavírus.

No entanto, matéria do Plural mostra que a Prefeitura de Curitiba pediu e recebeu do Ministério da Saúde 11 mil comprimidos de difosfato de cloroquina (3 mil solicitados pela Secretaria Municipal e 8 mil pela Secretaria de Estado da Saúde). A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), apesar de dizer não recomendar o uso do medicamento, autoriza a prescrição e a entrega na Rede Pública de Curitiba, com a apresentação de receita médica em duas vias, o número total de comprimidos para todo tratamento, a assinatura de um termo de ciência e consentimento e a anotação do CPF do paciente.

Empresa distribui para colaboradores

Em vídeo divulgado nas redes sociais de uma empresa de casas pré-fabricadas, a Casas Kurten, o presidente do Grupo, Waldemir Kurten, diz que após 11 casos de Covid-19 em funcionários, adotaram o método preventivo. “Distribuímos para nossos colaboradores a profilaxia precoce contra o vírus. Nestes últimos três meses, praticamente zeramos a Covid na nossa empresa.”

Nas imagens, que também estão na área publicitária das redes RICTV Record e Rede Massa (SBT), Waldemir Kurten diz estar “fazendo minha parte” e estimula outros empresários a tomarem atitudes parecidas. “Senhores empresários, peçam a seu médico que lhes ajudem a fazer o protocolo preventivo da Covid. Somente o governo não consegue combater esta pandemia”, diz.

Procurado pelo Plural, o empresário disse que faz na empresa o que já fazia com a família. “Na minha família, fazemos tratamento precoce desde agosto e nós não tivemos nenhum caso até então”, afirmou. “Como nós tivemos muitos casos aqui e mais pessoas pegando atestado, eu decidi fazer alguma coisa”, completa.

Waldemir Kurten não tem distribuído o tratamento precoce apenas para funcionários. “O médico que atesta os medicamentos é o mesmo que o dos meus familiares. E por isso, atesta para familiares de funcionários e também empreiteiros interessados”, concluiu.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

7 comentários sobre “Outdoors que defendem tratamento precoce da Covid-19 são retirados

  1. Eu pensava em comprar uma casa Kurten. Veja bem: usei o verbo no passado. Nem vou visitar e nem chegar perto dessa empresa…
    Que vergonha!

  2. Esse prefeito de Curitiba é um genocida. Conheço várias pessoas que foram curadas assim, com tratamento precoce. Quem apoia esse tipinho é pior que ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br