Cadeiras improvisadas sustentam pacientes e equipamentos nas UPAs | Jornal Plural
19 mar 2021 - 21h53

Cadeiras improvisadas sustentam pacientes e equipamentos nas UPAs

Faltam macas, espaço, respiradores e monitores cardíacos, além de profissionais e saídas de oxigênio

“Até o presente momento não há falta de oxigênio na Rede Municipal. Tampouco há problemas estruturais nas UPAs”. Foi assim que a Secretaria Municipal de Saúde respondeu a questionamentos sobre a estrutura das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) feitas pelo Plural. No entanto, segundo relatos ouvidos pela reportagem, fotografias e vídeos enviados, a situação é caótica em todas elas: faltam profissionais, macas, espaço, suportes, mobiliário, respiradores, monitores cardíacos e o consumo de oxigênio dobrou, acentuando o problema estrutural da Rede para atender tantos pacientes ao mesmo tempo.

Com recordes de infectados e uma média diária de 25 óbitos, Curitiba já tem 100% dos seus leitos para Covid-19 ocupados nas Redes Pública e Privada. Nas UPAS, que atualmente foram transformadas em mini hospitais para atendimento de pacientes da doença, a situação não é diferente: estão lotadas.

Pacientes na UPA Sítio Cercado. Foto: Plural.jor

Com isso, ao invés dos pacientes estarem em macas e salas, eles são amontoados em poltronas, cadeiras e corredores. “Todos ficamos muito próximos dentro das emergências Covid da UPA. Tem ficado 5 a 6 camas em um espaço que era para ficar 3 macas”, conta um servidor da UPA Sítio Cercado. “Nas enfermarias há sempre muitas poltronas, umas próximas das outras e pacientes que ficam dias aguardando vaga em hospital ou outra UPA que tenha leito.”

Superlotação em salas da UPA. Foto: Plural.jor
Corredores também são usados para atender pacientes. Foto: Plural.jor

O trabalhador conta que existem monitores cardíacos e de pressão, quebrados há algum tempo. “Os monitores que temos, são bastante sucateados e alguns estão quebrados. Poderiam ter sido comprados novos neste ano”, completa.

“É desesperador e desumano”

Já na UPA Pinheirinho, os vídeos mostram que há equipamentos, como monitores, que sem mobiliário ideal ficam empilhados em cima de cadeiras de plástico improvisadas, ao lado das macas dos pacientes. “Colocamos o equipamento em uma cadeira, porque não tem onde colocar as coisas”, disse outra funcionária. “O monitor ligado na paciente é um improviso, ele não é um monitor multiparamétrico, necessário em UTI”, conta.

Em outro vídeo, é possível ver que os funcionários estão tendo que revezar um monitor cardíaco entre um paciente e outro, para poder monitorar a pressão arterial. “Ficamos sempre na tensão se vamos ter mais alguém para intubar ou não. É desesperador trabalhar assim. É desumano.”

Ainda assim, a Prefeitura diz que, por contarem com rede de gases para respiradores, “é importante que a Secretaria Municipal de Saúde tenha apostado na estratégia de usar as UPAs.”

Além da falta de estrutura, os profissionais da Saúde ainda precisam lidar com ameaças de exoneração da SMS caso divulguem as reais situações das UPAs.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “Cadeiras improvisadas sustentam pacientes e equipamentos nas UPAs

    1. Neusa, cada leito de UTI Covid custa pelo menos R$ 1600 por dia. Nós temos hoje mais de 480 leitos de UTI só em Curitiba para a doença. Só isso custa quase um milhão de reais POR DIA. O negacionismo custa muito caro. Se as pessoas usassem máscara, fizessem distanciamento e não confiassem em tratamentos precoce de mentira não estaríamos vivendo o colapso que estamos vendo hoje. Mas infelizmente temos um presidente que nega a gravidade da doença e anima um exército de negacionistas. O resultado é isso aí que está na matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos:

Últimas Notícias