União da Vitória distribui kit sem eficácia comprovada para tratar Covid | Jornal Plural
20 jul 2020 - 21h37

União da Vitória distribui kit sem eficácia comprovada para tratar Covid

“Kit Vida” pode ser entregue para qualquer pessoa com sintomas gripais leves

A prefeitura de União da Vitória, no Sul do Paraná, está entregando quatro remédios sem eficácia comprovada para tentar mitigar os efeitos da Covid-19. Segundo a administração municipal, a ideia é que os sintomas sejam tratados de maneira precoce, com o uso de um protocolo específico de medicamentos.

Todos os mais de 57 mil habitantes da Cidade podem receber o “Kit Vida” caso procurem atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de União da Vitória. O Kit pode ser entregue até para quem tiver sintomas gripais leves. Os medicamentos devem ser ingeridos em até cinco dias e, durante esse período, os pacientes devem manter isolamento social.

O Kit Vida é composto por Cloroquina, Azitromicina, Oseltamivir e Sulfato de Zinco. Em caso de febre alta, um medicamento antipirético também será receitado. O prefeito Santin Roveda (PR) acredita que esses medicamentos podem fazer a diferença no tratamento.

Em seu site oficial, a Prefeitura afirma que o município é “destaque” na distribuição dos remédios sem comprovação para tratar a Covid-19. De acordo com o secretário Municipal de Saúde de União da Vitória, Ary Carneiro Junior, o kit é ofertado e só é entregue se for de interesse do paciente, que faz a assinatura de uma documentação para recebê-lo.

Apesar do protocolo da Prefeitura, não há testes científicos conclusivos que comprovem a eficácia desses medicamentos contra a Covid. Segundo o Executivo, o objetivo é fazer com que os remédios atuem logo depois dos primeiros sintomas do vírus começarem a aparecer, com isso, a consequência seria evitar futuras complicações com a doença.

Além de Santin Roveda, outro Chefe do Executivo do Paraná que está distribuindo medicamentos sem eficácia é Marcelo Roque (Podemos), prefeito de Paranaguá, Região Metropolitana de Curitiba. Roque reservou uma arena para distribuir a Ivermectina para a população, um remédio antiparasitário que não tem comprovação científica contra a Covid-19.

Atendimento

De acordo com a Prefeitura, a UPA de União da Vitória tem duas entradas para receber pacientes. Uma delas serve para moradores que apresentam algum sintoma como febre alta, dor de garganta, dor no corpo e a segunda entrada para outros problemas de saúde.

O primeiro atendimento é feito pela equipe da enfermagem que fica responsável em aferir a temperatura, pressão, e questionar o estado de saúde do cidadão. Após o repasse das informações, o paciente é atendido pelo profissional médico que fará o pedido da coleta do material RT-PCR, que será encaminhado ao Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen) em Curitiba.

Se o estado de saúde não requer internamento o médico ofertará à todos os pacientes que coletam material para RT-PCR, o Kit Vida. Se a situação do morador foi mais grave, ele é encaminhado para um hospital de referência em União da Vitória, sendo o São Camilo Regional e a Associação de Proteção a Maternidade e a Infância (APMI).

O Plural tentou entrar em contato com a Secretaria de Saude de União da Vitória para falar sobre o uso do Kit Vida. O órgão não atendeu à nenhuma das ligações da reportagem.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias