“Piedade” tem trama familiar com lances melodramáticos | Jornal Plural
Clube Kotter
18 jun 2020 - 18h40

“Piedade” tem trama familiar com lances melodramáticos

Filme tem exibição grátis para inaugurar o serviço de streaming do Espaço Itaú de Cinema

A companhia PetroGreen tenta comprar uma propriedade à beira-mar, na Praia da Saudade, mas alguns moradores resistem à proposta. A empresa envia Aurélio (Matheus Nachtergaele) para tentar fechar um acordo. Esse enredo familiar é o ponto de partida de “Piedade”, filme que abre um festival de pré-estreias no Espaço Itaú Play, o serviço de streaming da rede de cinemas.

O empecilho para a PetroGreen comprar o terreno é Omar (Irandhir Santos), um dos filhos de Dona Carminha (Fernanda Montenegro). Sentado na praia, olhando para o que devem ser barcos petroleiros, ele diz a si mesmo: “Seus gafanhotos de ferro, estão querendo roer minhas memórias! Não saio, não. Viu? Não saio, não”.

Numa reunião com os moradores, Aurélio tenta usar os argumentos rasos que tem e diz que, na prática, não se trata de comprar os terrenos. “É um ressarcimento por causa das modificações ocorridas no local, seguido de um realocamento das famílias para um lugar mais favorável”, diz ele, soando como o pedante que é.

O filme começa assim, arrastado como essas falas.

Logo, Aurélio descobre que Dona Carminha, além de fazer uma bela moqueca de cação, tem um terceiro filho, que foi roubado da maternidade pouco depois do parto. A família passou décadas procurando pelo rapaz, sem nunca encontrá-lo.

Eis que o executivo consegue descobrir o paradeiro do rapaz, que se chama Sandro (Cauã Reymond). Ele administra um cinema pornô chamado Mercy que funciona também como motel, com cabines para sexo. A estrutura tosca do lugar contrasta com seus equipamentos de vigilância. Numa tela enorme de tevê, Sandro consegue monitorar o que fazem as pessoas em todas as cabines.

Sandro recebe de Aurélio a notícia de que sua mãe morta, na verdade, não era sua mãe. E de que sua verdadeira mãe continua viva. E de que tem dois irmãos, filhos do mesmo pai. Num primeiro momento, Sandro se recusa a entrar em contato com essa outra família.

Depois, porém, ele perde o chão, enche a cara e decide ver qual é. De quebra, acaba dormindo com Aurélio, mais de uma vez. As cenas de sexo entre Reymond e Nachtergaele são gráficas, mas não explícitas (isso significa que eles transam no escuro). A trama segue, com desdobramentos cada vez mais melodramáticos e com alguns clichês grotescos (como o vilão feito por Nachtergaele).

O Brasil é famoso por sua teledramaturgia. É onde os atores, diretores e roteiristas ganham a vida porque cinema não dá dinheiro no país. Talvez isso explique a existência de tantos filmes nacionais com cara de novela de tevê. “Piedade” é assim. Tire o sexo e ele poderia ser exibido depois do “Jornal Nacional”. Com o sexo, depois do “Jornal da Globo”.

Serviço

“Piedade” inaugura o serviço de streaming Espaço Itaú Play e será exibido de graça apenas nesta sexta-feira (19), no horário que você quiser acessar o filme. Ele segue em cartaz até o dia 22. Aqui, saiba mais sobre o festival de pré-estreias do Espaço Itaú, em que cada filme custa R$ 10.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias