Uma cruz para cada curso morto: veja como foi o protesto na UP | Jornal Plural
25 jul 2020 - 21h46

Uma cruz para cada curso morto: veja como foi o protesto na UP

Cerca de 60 carros fizeram barulho em frente à instituição e tiveram o apoio da comunidade, que bateu panelas

Na tarde deste sábado (25), o movimento Resiste UP, liderado por alunos da Universidade Positivo, fez um novo protesto. Com o auxílio de um carro de som cedido pelo Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes), foi dada voz à indignação de docentes, discentes e funcionários lesados pela onda de demissões que ocorreram em julho. A comunidade apoiou batendo panelas no condomínio da frente.

As demissões e extinções dos cursos vieram depois da venda da universidade para o grupo Cruzeiro do Sul, que assumiu a gestão no final do ano passado. A Positivo, que manteve o nome, é uma das maiores instituições de ensino superior privado do Paraná.

Entre 15h e 16h, cerca de 60 carros ficaram enfileirados em frente à instituição. Enquanto isso, em ato simbólico, cruzes foram enterradas no gramado, carregando os nomes dos cursos extintos pela UP. Em Curitiba, Ciências Biológicas (bacharelado e licenciatura), Química, Física e Matemática (licenciatura) foram encerrados. No campus Londrina, Administração e Ciências Contábeis.

Vídeo: Resiste UP

“Não somos cinco ou seis alunos. Somos mais de 200 jovens que tiveram seus sonhos arrancados. Não iremos assistir calados à morte da UP”, diz o movimento, fazendo menção à fala do reitor José Pio Martins, em entrevista para o Plural

Foto: Resiste UP

“Nossos professores eram doutores e especialistas nas matérias que ministravam, mas isso não impediu que fossem sistematicamente demitidos por videochamada, em meio a uma pandemia. Professor não é objeto para ser descartado. A Universidade que escolhemos era reconhecida pela qualidade de seu ensino, não por seu autoritarismo.”

Foto: Resiste UP

O protesto foi pacífico e teve o acompanhamento da Polícia Militar. Os manifestantes afirmam que todas as regras da Organização Mundial da Saúde foram seguidas à risca.

Foto: Danilo Georgete
Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

5 comentários sobre “Uma cruz para cada curso morto: veja como foi o protesto na UP

  1. O projeto Maturidade Positivo tambem foi extinto sem nenhuma explicacao ou satisfação aos alunos idosos que participavam do projeto criado em 2015!!

    1. Defendo estatização total e irrestrita da educação, saúde e segurança. Focando proibido qualquer atividade de prestação de serviços nessas 3 áreas por meios e pessoa física ou jurídica privada.

    1. Oi Miriam, está no texto, no terceiro parágrafo: Em Curitiba, Ciências Biológicas (bacharelado e licenciatura), Química, Física e Matemática (licenciatura) foram encerrados. No campus Londrina, Administração e Ciências Contábeis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias