1 set 2021 - 19h46

Policiais erram o alvo e dão voz de prisão ao juiz que expediu o mandado

Tribunal de Justiça está investigando o que aconteceu

Na quinta-feira da semana passada, policiais à paisana foram à casa do juiz Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior por volta de meio-dia e meia. Tocaram a campainha e, dizendo apenas que eram do Fórum Criminal, pediram que o magistrado abrisse a porta. Assim que ele se apresentou, recebeu voz de prisão.

Eduardo é um juiz conhecido na cidade. Há dez anos, ele atua na 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba e já mandou prender muita gente, mas nunca esteve do outro lado. Ele pediu para ver o mandado de prisão, mas os policiais disseram que não tinham o documento em mãos e acabaram mostrando um print na tela do celular.

Tratava-se de um documento assinado pelo próprio Eduardo duas horas mais cedo. Um mandado de prisão relacionado a um caso de furto. De fato, seu nome estava lá, mas era no campo “juiz expedidor”. Depois de constatado o erro de leitura, os oficiais do serviço reservado da Polícia Militar (PM) pediram desculpas e foram embora dizendo que o “setor de inteligência” é que havia passado a informação errada.

Desdobramentos da voz de prisão

O juiz Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior foi contatado pela reportagem, mas optou por não se posicionar. Segundo ele, o caso será resolvido institucionalmente.

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) ainda não terminou de apurar a situação. Ao Plural, a assessoria disse que está verificando, junto com a Polícia Militar, onde ocorreu a falha de comunicação para “providenciar a devida correção no fluxo do procedimento” e “evitar que situações similares ocorram”. 

A redação também entrou em contato com a PM para saber como andam as investigações internas, mas não foi respondida até o fechamento.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

34 comentários sobre “Policiais erram o alvo e dão voz de prisão ao juiz que expediu o mandado

  1. O que posso dizer. Erraram feio, leram e não interpretaram o mandado de prisão. Erro primário que pode caracterizar abuso de autoridade. Imaginem se não fosse Juiz quem recebeu ordem de prisão, ainda mais que foi o próprio Juiz que assinou o mandado de prisão. O Brasil não é para amadores.

  2. Em primeiro lugar acredito que essa não é uma atribuição da Policia Militar. E por quê esse mandado foi encaminhado para o setor de inteligência da PM. Se esse setor deveria apurar, apenas, crimes envolvendo militares.

  3. Polícia Militar ,cuja função é de policiamento preventivo e ostensivo, fazendo ( usurpando) a função da Polícia Civil ( polícia judiciária) só podia dar na neste tipo de falha,para não usar outro termo.

  4. Polícia militar fazendo serviço que não é dela, acontece isso. Tem que acabar com a divisão da polícia e reestruturar como a polícia americana.

  5. Bravo!! Essa é a nossa policia do “Serviço Reservado ” – imaginem a policia convencional!. Mandava todos pra um “chá” atrás das grades, pela ousadia.

  6. A PM não pode realizar trabalho investigativo, é inconstitucional, não realizam nem o preventivo direito que é sua missão constitucional…. totalmente ilegal esse reservado da PM que muitas vezes se passam por polícias civis

  7. Equívocos acontecem em todos os quadrantes. Só ocorrem críticas e MIMIMI quando é protagonizado por policiais, vulneráveis e eternas vidraças. Cabia ao magistrado, na ocasião, fazer o que fez, ESCLARECER e inclusive, elogiar a pronta ação dos policiais que não deixaram de cumprir a missão que lhes foi dada … apesar do endereço equivocado.
    O mais, bem, o mais é procurar holofotes. Viu?

  8. Polícia Militar a paisana cumprindo mandado de prisão , com link no celular isso e cara do derradeiro fracasso jurisdicional do País aonde a Constituição Federal e CPP vem sendo usado como papel Higiênico .

  9. Bem que poderiam passar todos os Mandados de Prisão expedidos pelo “Juízes” do STF para esses Policiais cumprirem , estaria resolvido parte dos problemas do País !!!!

  10. A tal da vaidade às vezes pode explicar:
    Já vi dezenas de mandados em que o nome do juiz é escrito em uma fonte 10 vezes maior que o do réu.
    Às vezes que incluiu o mandado tinha mais uns 50 para incluir.
    O judiciário, vida de regra, se mostra alheio às necessidades da polícia (e da sociedade)

  11. Bom dia Jess Carvalho. Estou dando de cara pela primeira vez com seu jornal.Gostei de lê a notícia sobre o equívoco que houve com o Dr. Juíz; primeiro que ele sentiu na pele o que é ser injustiçado nesse país, segundo, quero vê o meretíssimo fazer o próprio Estado o indenizá-lo.
    Aí eu digo que o juiz é macho pra “caralho”. Bom, esse foi o meu ponto de vista que não pode ser o seu; é por isso que existe a tal DEMOCRACIA!E viva ela até existirem JORNALISTAS COMPETENTES no seu OFÍCIO de publicar aquilo que é dígno de ser lido até para o maior analfabeto desse país.
    E tenho dito,minha cara jornalista Jess Carvalho. Bom dia,e que as forças universais lhe ampare e mantenha a sua garra rara…(…)

  12. A PM tem que fazer o servico OSTENSSIVO PREVENTIVO cabe a POLICIA CIVIL E JUDICIARIA FAZER ESTE TIPO DE SERVIÇO DE INVESTIGACAO E CAPTURA DE PRESOS.

  13. É isso que dá …PM não é polícia judiciária; não tem,portanto, base jurídica mínima para esses procedimentos.
    São desprovidos de conhecimento e cultura, em todos os sentidos. Mal sabem marchar. Ridículo o acontecimento!

  14. Kkkkk! O Magistrado deve ter sentido na pele um pouco do bom preparo da PMPR! Será que foram ‘amorosos’ com o Meritíssimo assim como o são com os simples mortais? Quero ver quem vai ‘pagar o pato’! Pobre estagiário!!!

  15. Eu não entendi também o porquê de PMs, à paisana, estarem tentando cumprir mandado de prisão. A legislação no PR é diferente dos demais estados? Ou tá faltando trabalho ostensivo? Aí não tem Polícia Judiciária? Meu Deus!!! Não conseguem ler um MP e ainda querem fazer o papel de outra polícia?

  16. Até parece que jornalista nunca erra também…
    Vivem errando, as vezes manipulando e outras fazendo assassinato de reputações a mando de quem pagar mais.

  17. Kkkkk, fosse um cidadão desprovido da investidura no cargo de autoridade, teria sido encarcerado, esfolado e depois de esclarecido o equívoco, a notícia teria que sair em todos os telejornais do país e aguardar uns bons meses até que o Sr. Juiz emitisse alvará de soltura e …..bem, foda-se.

  18. O erro foi da SSP porque cabe a polícia judiciária no caso a Polícia Civil o cumprimento de mandados e não a PM , antes do cumprimento do mandado faz-se a investigação e pesquisa no acusado e com certeza a PM, não cumpriu essas tarefas pertinentes a quem cabe investigar

  19. Infelizmente tais erros aconteceu, porque a PM, como em todo os estados querem abraçar o mundo. O cumprimento de mandado de prisão é de responsabilidade da Polícia Civil, e não dá PM, salvo se deparar em via pública com pessoa procurada. E reservado da PM, não são investigadores judicial para dar cumprimento a mandado de prisão. Mostra se neste erro que cometerem com o Sr. Juiz, que se passam por civis, quando são PMs, e a população não sabe. Deveria ser revistos estes procedimento que são comuns em todos dias executado pelo reservado da PM, que parece que não sabe ou se faz de besta, que sua atitude atrapalha a polícia civil etc, em vários fatores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br