Em reviravolta, UFPR define Lista Tríplice que seguirá para Bolsonaro | Jornal Plural
30 set 2020 - 17h30

Em reviravolta, UFPR define Lista Tríplice que seguirá para Bolsonaro

O atual reitor, Ricardo Marcelo Fonseca, e os professores Marcos Alexandre Ferraz e Maria Rita Cesar foram os mais votados

Em uma reviravolta de cenários, o atual reitor, Ricardo Marcelo Fonseca, e os professores Marcos Alexandre dos Santos Ferraz e Maria Rita de Assis Cesar irão compor a Lista Tríplice que definirá a próxima gestão da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Os docentes foram os mais votados na eleição interna do Colégio Eleitoral da instituição, nesta quarta-feira (30). Assim, finaliza-se um dos processos mais polêmicos da Casa, refeito às pressas após impasse.

Com o maior número de votos, 32 dos 64, Ricardo Fonseca vai encabeçar a Lista – referendando o que a comunidade acadêmica já havia decidido. Mas com seis votos, o professor Horácio Tertuliano, diretor do Setor de Tecnologia, ficou de fora do documento por ser o menos votado entre os quatro concorrentes inscritos.

Com 13 e 12 votos respectivamente, Ferraz e César pulverizaram votos e empurraram Tertuliano para o final na fila. O diretor do Setor de Tecnologia integrava a única chapa de oposição concorrente do atual reitor no processo que foi praticamente invalidado depois de uma nova diretriz do Ministério da Educação (MEC).

Formalizado na semana passada, o novo posicionamento da pasta insiste em uma Lista com três nomes, e não menos. Mas o processo da UFPR – iniciado em junho, portanto antes da determinação atual – correu com apenas duas chapas inscritas nos prazos determinados por resolução do Conselho Universitário (Coun).

Diante do impasse, o Colégio Eleitoral decidiu abrir novos prazos de inscrição para atingir o número mínimo de candidaturas, e os professores Marcos Ferraz e Maria Rita Cesar se somaram a Fonseca e Tertuliano – que chegou a impetrar mandado de segurança para invalidar a reorganização da Lista e manter seu nome no documento.

Portanto, a reunião desta quarta funcionou como eleição interna, organizada de última hora em encontros anteriores para refazer a tempo o processo dissolvido após as mudanças do governo.

Alinhados de Bolsonaro, Tertuliano e sua candidata a vice, Ana Paula Cherobim, eram potenciais nomes à reitoria da UFPR. Bastava manter nomes na lista, mesmo contra a tradição, já que o novo parecer do MEC dá ao presidente mais liberdade para interferir nas nomeações.

Desde a redemocratização, era acordo informal entre as universidades e institutos federais enviar à presidência da República apenas o nome do concorrente mais votado pela comunidade acadêmica, com a retirada consentida das chapas derrotadas na consulta acadêmica. Dessa forma, o chefe do Executivo Federal assumia um papel secundário, apenas referendando a escolha da comunidade acadêmica – o que não ocorre mais agora.

Em exemplo recente de decisão final, Bolsonaro nomeou o professor Carlos André Bulhões Mendes o novo reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mesmo a chapa do docente tendo sido a menos votada entre as três com candidatura homologada.

Lista completa

Segundo na Lista Tríplice para reitor, Marcos Alexandre dos Santos Ferraz é atual diretor do Setor de Educação da UFPR. Formado em Comunicação Social, o professor tem doutorado e pós-doutorado em Sociologia.

Na terceira posição segue o nome da Pró-reitora de Assuntos Estudantis da gestão de Fonseca, Maria Rita Cesar. A docente é graduada em Biologia e doutora em Educação.

Como candidato (a) a vice-reitor (a), Graciela Ines Bolzón de Muniz, atual vice-reitora, foi escolhida com 33 votos, seguida de Nelson Luis Barbosa Rebellato, do Setor de Ciências da Saúde (14), e Regiane Regina Ribeiro, diretora do  Setor de Artes, Comunicação e Design (12). Ana Paula Cherobim, da Escola de Administração e vice na chapa de Tertuliano, teve 4 votos.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

5 comentários sobre “Em reviravolta, UFPR define Lista Tríplice que seguirá para Bolsonaro

  1. A Ana Paula é tão perceptivelmente lelé que nem mesmo os 6 votos do Horácio conseguiu ter hahahahahahahaha

    Incrível essa pretensão de querer ser da reitoria da universidade com tanto desprezo dos próprios pares

  2. Gostei do Horácio ficar de fora da lista tríplice. Não era a melhor proposta para a UFPR, e sua chapa tumultuou muito mais do que contribuiu no esforço de se pensar a instituição para os próximos 4 anos.
    Não gostei de como Horácio & Ana Paula foram tirados da lista. Embora a dupla tenha recebido pouquíssimos votos entre professores, técnicos e alunos, foi votada pela comunidade, diferente dos nomes que se apresentaram para a nova eleição do Colégio Eleitoral. Cá entre nós, eleição interna não soa como a coisa mais democrática do mundo, mas pode ser impressão minha. Os Estados Unidos trabalham nesse esquema desde 1787 e o resultado costuma ser incontestável ─ ironic mode on…
    Por que Marcos Ferraz e Maria Rita Cezar não saíram candidatos desde o princípio? Poderiam ter apresentado propostas melhores do que as do atual reitor e do opositor (isso seria até fácil, não?), apontando problemas que ficaram reduzidos na luta do bem contra o mal (Ricardo representando o bem e Horácio o mal OU Horácio representando o bem e Ricardo o mal, a depender do gosto do freguês), e o resultado das urnas poderia ter sido o obtido no Colégio Eleitoral, deixando Horácio de fora sem dar margem para a chapa recorrer & reclamar & espernear.
    Minha impressão é que agora o atual reitor está confiante demais em sua nomeação. Mas qual a garantia de que o presidente irá nomeá-lo, principalmente se a turma dele acabar considerando o resultado do Colégio Eleitoral uma forma de manobra para impedir a indicação de um aliado, ou no mínimo de um entusiasta do governo federal? Cartinhas de bancada, abaixo-assinados e protestos parecem não fazer diferença.
    Caso Marcos ou Maria Rita sejam o próximo ocupante da Reitoria, qual será a posição de Ricardo Marcelo? Vai recorrer & reclamar & espernear? Se tornará pró-reitor, assessor ou quem sabe uma espécie de éminence grise (para não dizer eminência parda, palavra que não gosto mas não achei nenhum sinônimo) da próxima administração? Marcos e Maria são a continuidade da gestão Ricardo & Graziela ou têm algo melhor a nos oferecer? Eu queria saber.

  3. O conselho Universitário mais uma vez fez seu trabalho com bom senso e de forma a garantir o resultado das urnas. A UFPR é uma instituição de administração colegiada e graças a Deus o colegiado sabe e sempre soube de sua responsabilidade para com a comunidade. Meus parabéns a cada um dos membros so COUN.
    Carlos Moreira JR
    Ex- reitor da UFPR

  4. Senhor, e depois falam de democracia na universidade, quem são esses nomes que apareceram do nada e correm a chance de ser reitores e vice reitores, tinha uma lista de interessados na porta RU, putz esqueci de me inscrever ….

  5. Lamenta-se a posição do ex-reitor, bem sucedido empresário da área de oftalmologia. Se fosse valer a democracia, o primeiro resultado seria respeitado. O que se vê é uma manipulação para contemplar interesses ideológicos visíveis. Mas se o objetivo for mesmo democracia, é fácil resolver: sendo a Universidade Pública, de interesse público e que gere recursos públicos, que se abra a votação e escolha para toda a comunidade interessada, inclusive e principalmente, de fora do círculo ideológico. Os Paranaenses têm o direito a escolher os rumos da gestão da Educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias