Curitiba reabre parques, bares e amplia funcionamento do comércio | Jornal Plural
17 ago 2020 - 18h33

Curitiba reabre parques, bares e amplia funcionamento do comércio

Prefeitura decreta bandeira amarela, com risco baixo para coronavírus; atividades estão liberadas todos os dias

Nesta segunda-feira (17), a capital paranaense liberou atividades que estavam restritas na chamada “bandeira laranja”. O novo decreto (1080/20) passa a valer a partir de amanhã, 18 de agosto. Em “bandeira amarela”, agora serão reabertos parques, bares – desde que sem música ao vivo -, e shoppings e comércios poderão funcionar nos fins de semana.

Galerias, centros comerciais e comércios de rua poderão funcionar todos os dias da semana, das 10h às 20h. Shoppings também poderão voltar a abrir aos fins de semana, das 12h às 22h. Restaurantes, lanchonetes e bares entram no grupo que poderá funcionar todos os dias da semana, porém das 6h às 23h.

“Está vetada qualquer atividade de aglomeração”, diz a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak. Seguem suspensas atividades com música ao vivo, dança, casas de festas e eventos, teatros, cinemas, feiras técnicas e de varejo, congressos e convenções.

Feiras livres, parques e praças, bem como feiras de artesanato contarão com protocolos específicos das secretarias municipais de Segurança Alimentar e Nutricional, do Meio Ambiente e de Turismo, respectivamente.

Motivos

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), os internamentos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e o número de casos e óbitos foram indicadores que melhoraram nas últimas semanas – permitindo a retomada das atividades. Com base nesses critérios, e na capacidade de assistência do município, o cálculo que define a cor da bandeira teria saído de 2,2 para 1,9. Vale destacar que, embora não entre nos detalhes do cálculo, a SMS afirma que uma média 2 é suficiente para estabelecer bandeira laranja, enquanto uma média 3 significaria bandeira vermelha.

“Tivemos um redução de 20% do número de casos novos na última semana, redução de 20% nos óbitos e na taxa de ocupação de UTIs”, afirma a secretária. Curitiba decretou a bandeira laranja em 13 de junho e manteve o alerta em vigor até esta segunda-feira (17). Foram 66 dias de restrições.

A análise foi um comparativo entre a semana de 8 a 14 de agosto, com a semana de 1 a 8 de agosto. De fato, os óbitos caíram de 127 para 102; enquanto os casos confirmados saíram de 3895 para 3132. O número de casos ativos, que ajuda a calcular a taxa de transmissão, também teve uma queda: de uma média de 5.360, para 4.451.

“A gente acredita que estamos em um platô descendente”, afirma Huçulak ao reforçar que a taxa de ocupação das UTIs, que se manteve na faixa dos 80% na última semana, também serviu para nortear a decisão.

“Claro que o número de óbitos é importante para nós, mas ele representa o passado – estamos colhendo frutos de 15, 20 dias atrás”, diz a secretária ao falar que boa parte das mortes foram depois de dias de internamento. A entrada de pacientes em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) também foi considerada.

“Mudar para bandeira amarela, no nosso protocolo de responsabilidade sanitária e social, permanece alerta. Não há nada de normal, não tem vida normal”, diz Huçulak. Ainda assim, a secretária afirma que não se pode tutelar a sociedade o tempo todo. “É muito chato da nossa parte, aliás, a gente não gosta de fazer esse trabalho de chato de dizer quem pode ir. E tem idoso que quer ir no shopping, ué, se ele acha que é importante para ele, tomando as medidas de precaução…”

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “Curitiba reabre parques, bares e amplia funcionamento do comércio

  1. “Ainda assim, a secretária afirma que não se pode tutelar a sociedade o tempo todo. ‘É muito chato da nossa parte, aliás, a gente não gosta de fazer esse trabalho de chato de dizer quem pode ir’. ”
    Gostaria de que prefeito e secrotaria de saúde voltassem no tempo, lá para aquela época medieva da ‘peste negra’ (peste bubônica) e fosse assim liberal na misturança das pessoas para garantir que todos chegassem perto de Jesus mais cedo.

    1. Que comentário ridículo. Aposto que vc adora ter sua vida sendo controlada pelo Estado. Cada um cuida de si. Se está preocupado com sua vida, fique trancado dentro de casa e isole-se do mundo, mas não tente dizer como os outros devem cuidar de suas vidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias