Manifestantes ocupam Assembleia contra reforma da previdência | Plural
3 dez 2019 - 16h04

Manifestantes ocupam Assembleia contra reforma da previdência

Polícia monta forte esquema de segurança e usa gás de pimenta em quem tenta forçar entrada no Legislativo

Milhares de manifestantes furaram a barreira policial, derrubaram grades e entraram na Assembleia Legislativa durante a sessão desta terça (3) para protestar contra a reforma previdenciária proposta pelo governador Ratinho Jr. (PSD). Os manifestantes estavam sendo mantidos do lado de fora pela PM, mas acabaram conseguindo forçar a entrada. Eles exigem a retirada de pauta do projeto.

Atualização 16h58: Os manifestantes irão manter a Assembleia ocupada e votaram pela manutenção da greve. A sessão do dia na Casa foi encerrada sem votações. Quatro manifestantes foram detidos.

Às 15h15, o presidente Ademar Traiano (PSDB), depois de os manifestantes exigirem, acabou suspendendo a sessão. Manifestantes já tinham conseguido forçar as grades da sala de imprensa e bastava passarem de uma porta de vidro, protegida pela ROTAM, para entrarem no plenário.

Há registros de pessoas feridas por bala de borracha e muito uso de spray de pimenta. Não se sabe até o momento o número de feridos. A APP, sindicato que representa professores e funcionários da educação, diz que três pessoas passaram mal pelo uso do gás de pimenta em ambiente fechado, mas já estão bem.

Professora de Cascavel com ferimento na cabeça causado ao tentar entrar na Assembleia. Foto: App-Sindicato

A Proposta de Emenda à Constituição está sendo analisada em comissão especial e, a depender da tramitação, pode chegar já nesta quarta (4) para a primeira votação em plenário.

A reforma proposta por Ratinho impõe as mesmas regras criadas por Jair Bolsonaro (PSL) para o funcionalismo federal. Idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e de 62 para mulheres, além de aumento da contribuição mensal sobre o salário para 14%.

A justificativa do governo é financeira, já que, segundo números oficiais, o Paraná teve déficit de R$ 5,4 bilhões com a Previdência em 2018, com previsão de subir os custos para R$ 6,3 bilhões neste ano.

Foto: Giorgia Prates

A articulação política na Alep é forte. Enquanto os partidos da base aliada correm para tentar inserir o pacote na pauta de votação antes do recesso parlamentar (17 de dezembro), a oposição tenta manobras para prorrogar a votação para 2020.

Os servidores de várias categorias, incluindo os da educação e os agentes penitenciários, estão em greve contra a proposta.

Grades forçadas na sala de imprensa. Foto: Giorgia Prates

O jornalista Gustavo Vidal filmou o momento em que os servidores entram na Assembleia:

Mais informações em breve

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Últimas Notícias