8 fev 2022 - 17h22

“No ritmo do coração”, filha de pais surdos quer dedicar a vida à música

Refilmagem americana do francês “A família Bélier” recebeu três indicações ao Oscar, incluindo a de melhor filme

Se tem uma cena que resume bem a história de “No ritmo do coração”, deve ser o momento em que a garota Ruby, uma adolescente em idade de passar para a universidade, faz uma apresentação no palco da escola. Ela faz um dueto de uma música de Marvin Gaye e, de repente, a câmera passa para sua família na plateia – imediatamente a cena fica sem áudio, a música que ela está cantando some. É que os pais e o irmão dela são surdos.

Ruby Rossi é a única ouvinte da família, que trabalha com pesca e tem uma vida financeira meio atribulada. A garota tem de acordar todo dia às 3h para subir no barco e servir de intérprete de língua de sinais. Só depois está liberada para ir à aula. E o canto surge na vida dela por mero acaso. Ela quer impressionar um menino da mesma idade que faz aula de coral e acaba se matriculando na disciplina.

Uma primeira coisa que é preciso dizer: Emilia Jones, a atriz que faz o papel de Ruby, é um achado. Além de fazer bem o papel, canta lindamente. No dueto da música de Marvin Gaye a parte dela é simplesmente avassaladora – o diretor parece concordar, e repetiu o trecho diversas vezes ao longo da história. Mesmo assim, não cansa. E a interpretação no final de uma canção de Joni Mitchell também é impressionante. Você ainda vai ouvir falar muito dela.

Atores

Os atores surdos também são excelentes – Troy Kotsur, que faz o papel do pai, se tornou o primeiro ator surdo a receber uma indicação ao Oscar. A história do casal que não consegue tirar a mão um do outro mesmo depois de 20 anos juntos, além de ter momentos engraçados, tem um lado bonito: muitos deficientes auditivos dizem que finalmente alguém fez um filme em que os personagens surdos não são pobres almas desamparadas incapazes de viver vidas boas.

A história é uma refilmagem de um original francês, “A família Bélier”, e não tem lá grandes originalidades. Ainda assim, o filme recebeu três indicações ao Oscar 2022: filme, ator e roteiro adaptado. A garota quer viver sua vida adulta independente, não quer mais estar no barco, mas a família precisa dela, ainda mais num momento em que as autoridades tentam arrochar ao máximo os pescadores. Apaixonada pela música e por um garoto, ela sai um único dia de licença e coloca toda a família numa encrenca. Depois disso, claro, vem a redenção – afinal, a chave do filme está mais para uma comédia ou para um drama leve.

O filme é divertido e tem cenas memoráveis. A presepada do pai de Ruby tentando convencer o menino (que nem namorado da filha é àquela altura) a usar camisinha é hilária. E a música vale muito a pena, não só por Emilia Jones, mas pela seleção e pelos outros músicos envolvidos.

Streaming

“No ritmo do coração” está em cartaz no canal de streaming Prime Video, da Amazon.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Assuntos:

Um comentário sobre ““No ritmo do coração”, filha de pais surdos quer dedicar a vida à música

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds