Deputado é denunciado pelo MP e chama promotora de desequilibrada | Jornal Plural
15 abr 2020 - 16h33

Deputado é denunciado pelo MP e chama promotora de desequilibrada

Associação repudia a afirmação de Filipe Barros e disse que fala causa “perplexidade”

O deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) foi denunciado pelo Ministério Público de Londrina. Em resposta nas redes sociais, ele chamou a promotora de Justiça, Suzana Lacerda de “desequilibrada”. Como o parlamentar tem foro privilegiado, as investigações foram encaminhadas ao Ministério Público Federal e estão desde a semana passada com o procurador-geral da República, Augusto Aras.

Aliado ferrenho do presidente Jair Bolsonaro, Barros é acusado de descumprir medidas sanitárias quando liderou, no último dia 15, uma manifestação a favor do governo federal em Londrina. Na ocasião, o presidente havia convocado uma manifestação contra medidas que estavam em discussão no Congresso Nacional.

Em nota, a Associação Paranaense do Ministério Público (APMP) reprovou a declaração de Barros e disse que a sua fala causa “perplexidade” e ainda evidencia um “pleno desconhecimento das atribuições constitucionais e legais do Ministério Público”. O deputado se manifestou no Twitter dizendo que está sendo censurado pelo MP.

Para a associação, é inadequado que um parlamentar faça uso da sua condição pública para realizar adjetivações negativas por conta de uma eventual discordância com uma integrante do Ministério Público.

Quando falou sobre a promotora no Twitter, o parlamentar disse que “Londrina sofre por conta dos devaneios autoritários de uma promotora de justiça desequilibrada, a senhora Suzana Lacerda”. Ele ainda atribuiu a ela “o aumento exponencial dos moradores de rua, ideologia de gênero nas escolas e o desemprego em massa”.

O deputado Filipe Barros se manifestou por meio de nota dizendo que participou de manifestação a favor do presidente em 15 de março, porque o primeiro decreto para restringir a circulação de pessoas só aconteceu no dia 19. Além disso, o estado de calamidade pública em todo o Brasil só foi aprovado em 20 de março.

O parlamentar afirmou ainda que o despacho contra ele é fruto de rancor e que a denúncia é apenas um “ato de intimidação, desejoso por holofotes”. Barros termina dizendo que está estudando se cabe ou não alguma ação de abuso de autoridade contra agentes do Ministério Público

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Últimas Notícias