fbpx
Crônicas destaque

Três faces do silêncio

Escrito por Ana Justi
Compartilhe

Ao contrário dos pontos de ônibus dispersos pela Avenida do Batel, a calçada do Shopping Hauer fervilha com ocupantes. A paisagem é preenchida por corpos jovens e copos plásticos. A fumaça dos cigarros sobe e se mistura à massa de ruídos da multidão: o zunido das conversas e a música alta dos bares enfileirados ao longo da Coronel Dulcídio.

Em busca de uma janta rápida e descomplicada, evito vasculhar o mar de rostos – encontrar qualquer meio conhecido me obrigaria a um contato social que não almejo. Encostada em um dos pilares que sustentam a fachada externa do Hauer, saio do fluxo frenético de seus frequentadores. Em silêncio, os olhos e os ouvidos são inundados por conversas e ações que não as minhas. Absorvo cada aspecto como se flutuasse em meio ao movimento contínuo das ondas do mar, tomada pelo sentimento extraordinário de ser apenas mais uma gota no oceano.

Saciada, caminho até a Vicente Machado – as luzes brancas e a fachada vermelha marcam a conveniência do posto de gasolina, e o fim da minha busca por cigarros. Enquanto repasso meu pedido ao homem uniformizado atrás do balcão, uma dupla de mulheres adentra o recinto. Os saltos altos e os vestidos festivos denunciam que a quinta-feira será de festejos. Enquanto o atendente seleciona randomicamente a cor do meu próximo isqueiro, o par pede licença: “Estamos sendo seguidas, vamos ficar um pouco aqui”, informam de braços dados, olhando furtivamente para o pátio externo do posto. O homem não faz perguntas, permanece imóvel atrás do balcão.

Vou até o pátio e, lentamente, começo o processo de desembalar o maço: puxo a fina película plástica que envolve a caixa, desgrudo a parte superior do selo do IPI, levanto a capa que funciona como tampa e, por fim, arranco a camada de papel que envolve as porções de tabaco. Levo um deles aos lábios, enquanto manuseio o isqueiro com a mão direita. A ponta queima por igual. Qualquer que fosse a ameaça, deve ter seguido seu caminho.

O sabor do cigarro se mistura ao do chope fresco, ainda na minha saliva. Deixo para trás os poucos seres que ainda se aventuram pelas calçadas da Vicente, e procuro abrigo entre os prédios altos da Brigadeiro Franco. Passaram-se poucos minutos das 23h quando a tranquilidade do céu noturno é interrompida. Dois carros pretos usam o semáforo do cruzamento com a Professor Fernando Moreira como bandeirada inicial de um racha. As luzes traseiras se perdem ao longo da subida até a Manoel Ribas, enquanto olhos inquietos apenas acompanham o movimento.

Já no tubo, conto um amontoado de quinze silenciosos ocupantes, um número razoavelmente excepcional para o horário. A maior parte dos corpos se dirige ao interior do primeiro ligeirinho que chega à plataforma. Um persistente vendedor de balas segue o fluxo dos usuários do sistema de transporte público de Curitiba. Sem fazer ruídos, o homem se senta nas fileiras iniciais, logo atrás do motorista. Já avançamos alguns metros quando ele finalmente começa o ato: se levanta e projeta, com a boca meio mole, um sonoro “Fala galera”. Silêncio. A segunda tentativa seria digna de um apresentador de programa de auditório, não fosse – novamente – a ausência de resposta. Ele recolhe o que ainda restou do seu pouco carisma, e volta a se sentar – as costas curvadas, o rosto entre raiva e frustração. Encara o motorista pelo retrovisor e declara, irritado: “Curitiba é isso aí, não passa disso aí”.

Sobre o autor

Ana Justi

Ana Justi é jornalista, graduada na Universidade Positivo (UP), e tem formação em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Deixe seu comentário