21 maio 2022 - 9h50

Sentença de Jordi Beffa, preso com cocaína na Tailândia, é adiada para 18 de julho

Uma divergência quanto à quantidade de drogas transportadas pelo paranaense motivou o adiamento

A sentença do morador de Apucarana, Jordi Vilsinski Beffa, preso na Tailândia sob acusação de tráfico de drogas, será determinada apenas no dia 18 de julho. O julgamento estava marcado para esta semana, mas a defesa do paranaense conseguiu o adiamento.

De acordo com o advogado que orienta a família do Brasil, Petrônio Cardoso, a motivação foi uma divergência quando à quantidade de drogas transportadas por Beffa. Os autos indicam 6,5 quilos de cocaína, mas o jovem diz que levou 4 quilos.

Como a quantidade interfere diretamente na pena, a defesa pediu para que sejam feitas mais diligências a fim de apurar outros detalhes sobre o crime.

A situação foi comunicada aos pais de Beffa por ele próprio, por meio de chamada virtual. Até a data do julgamento, ele permanece preso na região de Samut Prakan.

Beffa foi preso em fevereiro, junto com outros dois brasileiros, Mary Hellen Coelho e Ricardo de Almeida da Rosa, quando desembarcaram em Bangkok. Eles já foram sentenciados a 9 ano e meio cada.

O trio supostamente foi aliciado para o tráfico por uma moradora de Curitiba, presa pela Polícia Federal (PF) no início do mês.

O Itamaraty segue acompanhando o caso por meio da embaixada na Tailândia.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds