Sem vacinas, Paraná quer retomar aulas presenciais na Rede Pública | Jornal Plural
28 abr 2021 - 22h18

Sem vacinas, Paraná quer retomar aulas presenciais na Rede Pública

Ministério Público pressiona e governador Ratinho Júnior diz que volta da educação pública será em maio

Quando as aulas presenciais foram suspensas, em 26 de fevereiro, o governador do Paraná, Ratinho Jr (PSD), afirmou que o retorno só aconteceria com a vacinação dos professores. Após a pressão judicial do Ministério Público do Paraná (MPPR), o governo voltou atrás e disse, nesta semana, que a retomada do modelo híbrido pode se dar ainda em maio, mesmo sem previsão de que as doses da vacina sejam suficientes para todos os docentes.

O Plano Nacional de Vacinação não prevê a inserção da categoria nesta fase – que vacinará pessoas com comorbidades. Para incluir os professores, o governo precisa que doses extras sejam liberadas pelo Ministério da Saúde, que não tem conseguido suprir a demanda para as fases prioritárias. Hoje, ao menos 18 Estados estão com a imunização de idosos e profissionais de saúde suspensa por falta de vacinas, seja para a primeira ou para a segunda doses – 12 cidades paranaenses também têm o mesmo problema.  

Ainda assim, Ratinho diz que avançam as conversas para a retomada presencial em maio, especialmente em cidades menores, com poucos casos de Covid-19. Questionada, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) afirma que “trabalha com a previsão de um retorno das aulas em modelo híbrido de acordo com análise e estudo dos casos da Covid-19 e da ocupação de leitos, sempre em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde e os municípios”.

Em nota, a pasta diz que “todo o estudo para uma possível volta das atividades presenciais está sendo analisado cuidadosamente e em parceria com a própria comunidade escolar”.

A previsão de vacinação dos professores “está mantida e o trabalho é para que ela comece assim que as pessoas com 60 anos sejam vacinadas; com isso, os docentes recebem a vacina simultaneamente às pessoas com comorbidades”.

Ações judiciais

No dia 16 de abril, o Ministério Público do Paraná (MPPR) entrou ações civis públicas contra a Prefeitura de Curitiba e o Governo do Estado. Elas pedem prioridade na volta às aulas presenciais nas Redes Públicas Municipal e Estadual. A ideia é garantir uma Educação “equânime” aos alunos e a apresentação de um plano de ação indicando as etapas para a retomada, que deve ser imediata.

“Não é legítimo, muito menos justificável, que dentro do mesmo cenário sanitário estejam autorizadas as atividades educacionais presenciais das instituições de ensino privadas, ao passo que à Rede Pública Municipal de ensino as atividades presenciais permanecem suspensas, sem qualquer definição de sua retomada. A diferença, lamentavelmente, reside no tratamento desigual e não prioritário à Educação”, diz o MP na ação.

Questionado sobre o andamento dos processos, o Tribunal de Justiça (TJPR) informou que eles tramitam em sigilo.  “Apenas as partes e seus respectivos advogados podem ter acesso às informações relativas ao processo. O segredo de justiça não pode ser flexibilizado, de forma a proteger os interesses de todos os envolvidos.”

Terceira onda

A doutora em Educação Claudia Silveira Moreira, professora e pesquisadora do Núcleo de Políticas Educacionais (Nupe) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) lembra que vários pesquisadores estão prevendo uma terceira onda da pandemia no Brasil, “da mesma forma que se dizia que entre fevereiro e março teríamos a segunda onda. O que aconteceu? O governo do Estado bateu o pé, junto com várias prefeituras, dizendo que as escolas iam abrir a qualquer custo em fevereiro. O que aconteceu? Tiveram que fechar pra conter a transmissão”.

“Não existe especialista sério, hoje, dizendo que há condições de termos aulas presenciais. Dizem priorizar as escolas, mas não é verdade. Priorizaram todos os setores econômicos que pressionaram pela reabertura, sem um enfrentamento sério da pandemia. Essa foi a prioridade. Dizer que vai reabrir a escola a qualquer custo, neste momento, é um escárnio, em especial quando relembramos o massacre do Centro Cívico, que amanhã, dia 29 de abril, completa seis anos”, aponta a pesquisadora.

Professora da Rede Estadual há 13 anos, Edimara Domingues de Oliveira ressalta que não há um plano de retorno para as aulas presenciais, nem estrutura física adequada para isso. “Esta organização das escolas precisa ser da Seed, que demonstra uma grande falta de responsabilidade. A vacina é essencial, mas não adianta pensar somente nela e nos professores. Existem famílias de mais de 1 milhão de estudantes e 100 mil profissionais envolvidos. A responsabilidade com a vida é inexistente neste governo”, avalia a educadora.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

8 comentários sobre “Sem vacinas, Paraná quer retomar aulas presenciais na Rede Pública

  1. É realmente difícil entender o porquê que o governo ainda não priorizou a vacinação de professoras e professores ainda. Volta às aulas é um pilar essencial para a retomada da atividade econômica. Muitos pais e mães dependem do retorno a aulas presenciais para poderem trabalhar (triste ou não é a realidade principalmente nas periferias).
    Agora, mais uma vez, estudo não associam o retorno a aulas presenciais com aumento de casos que levaram as grandes ondas de infecção (principalmente um estudo realizando em São Paulo). Também, dizer que “Não existe especialista sério, hoje, dizendo que há condições de termos aulas presenciais” é totalmente correto. Este argumento pode ser melhor desmembrado e trabalho. Retorno as aulas com salas cheias seria inaceitável (e os especialistas que defendem o retorno as aulas não defendem isso), mas dividir os alunos e pequenos grupos em salas bem ventiladas poderia, sim, ser uma alternativa para retorno das atividades escolares de modo presencial. Síndicato, professores, pais e mães e o governo precisam encontrar um a solução para isso. Mas verdadeiramente, volta às aulas é essencial para a nossa soliedade!!!

    1. Oi Pedro, sem querer defender governo nenhum, mas em parte os professores sofrem de um mal que os persegue: ser uma categoria grande.. Temos mais professores que profissionais da saúde, segurança etc. Só em Curitiba são 45 mil. Mas isso, claro, não justifica o atraso na vacinação desses profissionais e também a falta de políticas adequadas que viabilizem o retorno seguro as aulas.

      1. Oi Rosiane, eu entendo que só Curitba sao 45 mil professores e professoras. Mas eles/elas nao precisam ser vacinados ao mesmo tempo. Poderia iniciar a vacinacao por etapas (e.g., primeiro os professores/professores da 1° série do fundamental, depois da 2° série, assim por diante) priorizando as séries iniciais. Acredito que podemos trabalhar em alternativas, o que nao podemos é deixar de criancas em idade de alfabetizacao foram da escola!

        1. Como mãe de crianças pequenas concordo plenamente contigo. Mas o que a gente vê é que o governo tanto federal, quanto estadual e municipais não têm vontade nenhuma de discutir ou agilizar isto.

  2. Em correção ao meu comentário anterior, dizer “Não existe especialista sério, hoje, dizendo que há condições de termos aulas presenciais” é grotescamente inacurado. Muitos destes especialistas defendem formas alternativas de retorno as atividades presenciais.

    1. Em correção ao meu comentário anterior, dizer “Não existe especialista sério, hoje, dizendo que há condições de termos aulas presenciais” é grotescamente inacurado. Muitos destes especialistas defendem formas alternativas de retorno as atividades presenciais.

  3. É outra insanidade. Vacinem os professores e garanto que não vai haver nenhuma contestação do retorno às aulas presenciais. Mesmo que alguns desinformados por aí digam que os professores não estão trabalhando, isso não passa de uma grande mentira deslavada. Estamos trabalhando muito mais, pois se trata de um momento atípico. Enfim…, vacinem os professores e retornem as aulas presenciais. Sem vacina, sem RETORNO.

  4. Não nos esqueceçamos de que este é um lugar em que historicamente os governos mandam cavalo para cima de professores. “Essencial” é só para ter de voltar sob qualquer condição, seja nas particulares ou na pública. Do governador mais bolsonarista do país, que transformou escolas em qualquer coisas “cívico-militares”, o que esperar? Faz um teatrinho e atende logo ao MP. Se morre professor, no Paraná, no Brasil, quem está ligando, não é mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias