Segunda dose depende de nova aprovação da Anvisa | Jornal Plural
17 jan 2021 - 17h28

Segunda dose depende de nova aprovação da Anvisa

Novo lote de vacinas depende de importação de matéria-prima da China, que não recebeu ainda autorização do governo chinês

A segunda dose da primeira fase de vacinação para coronavírus no Paraná e no resto do país volta a depender de uma nova liberação da Anvisa, informou o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, em coletiva de imprensa em São Paulo. Apesar da vacina Coronavac do Butantan ter sido aprovada neste domingo, dia 17 de janeiro, o protocolo estabelecido pela Anvisa para liberação de emergência do imunizante exige que a análise seja feita por lote.

Ou seja, a autorização deste domingo é para seis milhões de doses produzidas pela Sinovac e que já estão no Butantan. Outras 4,8 milhões de doses da Coronavac já produzidas no Brasil com matéria-prima importada da China estão prontas e terão o pedido de autorização de aplicação submetido na próxima semana a Anvisa.

Se aprovado, esse lote garante a segunda dose das 250.000 pessoas que deverão ser vacinadas no estado a partir da próxima quarta-feira, dia 20 e o acréscimo de outras dez mil pessoas na primeira fase, considerando ainda os 5% de perdas operacionais previstas pelo Ministério da Saúde.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos:

Últimas Notícias