27 dez 2021 - 12h08

Secretário diz que Paraná não vai exigir receita médica para vacinar crianças contra a Covid-19

Com a decisão, Paraná se alinha a pelo menos 13 outros estados, que já anunciaram a divergência em relação ao governo federal

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, disse em suas redes sociais que “o Paraná não vai exigir receita médica para vacinar crianças contra a Covid-19”. A decisão do estado contraria o entendimento federal anunciado pelo ministro Marcelo Queiroga que vem sendo duramente criticado por especialistas, que veem na exigência de receita a criação de uma barreira desnecessária para o acesso à vacina.

“A orientação do governador Ratinho Junior é de ampliarmos a vacinação para toda a população, de maneira segura! Continuaremos mantendo o diálogo e respeito até que essa medida seja revista pelo Governo Federal”, escreveu o secretário.

Com a decisão, o Paraná se alinha a pelo menos 13 outros estados que, segundo levantamento da CNN, decidiram não seguir a orientação federal.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde também é contra a orientação do governo Bolsonaro e deixou isso registrado em uma carta destinada às crianças do Brasil.

“Quando iniciarmos a vacinação de nossas crianças, avisem aos papais e às mamães: não será necessário nenhum documento de médico recomendando que tomem a vacina. A ciência vencerá. A fraternidade vencerá. A medicina vencerá e vocês estarão protegidos”, diz a carta.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Comparação entre aumento da gasolina e patrimônio da família Bolsonaro usa dados imprecisos

É enganosa a comparação feita em uma postagem com percentuais sobre reajuste da gasolina no Brasil e crescimento patrimonial da família Bolsonaro. O índice do aumento do combustível não se refere a um ano, como indicado. O valor de aumento de gasolina se refere a um período de três anos, enquanto a evolução de patrimônio ocorreu em período de 12 anos para Jair e Flávio e quatro anos para Eduardo

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds