8 abr 2022 - 18h19

Professores da rede privada querem reajuste de 15% nos salários

Categoria reclama da defasagem salarial

O Sindicato dos Professores no Estado do Paraná (Sinpropar) reivindica reajuste salarial para a categoria. Eles pedem 15% de reajuste e reclamam da defasagem, agravada pela pandemia da Covid-19.

Segundo os professores desde 2019 não há reajuste. Atualmente o sindicato estima que haja 50 mil trabalhadores da rede particular em todo estado, dos quais 20 mil são sindicalizados. Esses profissionais atuam em mais de 2,7 mil unidades educacionais.

O piso salarial para Curitiba e Região Metropolitana é de R$ 975,87 (por turno) para educação infantil e R$ 994,31 para fundamental. O valor da hora-aula pode chegar a R$ 27,49 para quem atua no ensino superior. Os valores também podem variar de acordo com a hora-atividade.

No entanto ainda seriam insuficientes para os trabalhadores, conforme argumenta o sindicato. Outra reclamação é sobre o período de pandemia, quando os professores tiveram de usar equipamentos próprios para trabalharem de casa. “Isso sequer entra na pauta de discussões. Muita gente precisou comprar notebook, melhorar a internet, fora a energia elétrica gasta”, critica o diretor do Sinpropar, professor Damião Lima, de Curitiba.

Entre 2019 e 2021, auge da pandemia, houve redução de 21,6% de estudantes na rede privada no Brasil, segundo informações da primeira etapa do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Em 2022, as mensalidades da rede particular tiveram reajustes de até 12% no estado. “Eles alegam que houve prejuízos com a pandemia, mas as mensalidades aumentaram e quando os pais questionam, dizem que são despesas com salários, mas os professores não receberam esse dinheiro”, critica Lima.

O Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe) foi procurado pela reportagem para falar das negociações com os professores. A atendente recomendou que a assessoria de imprensa fosse informada, que por sua vez disse que retornaria em breve. No entanto, até o fechamento deste texto, não houve resposta.

Não há previsão de rodada de negociação entre os sindicatos.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Um comentário sobre “Professores da rede privada querem reajuste de 15% nos salários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds