Prefeitura diz que não orientou repreensão a manifestações políticas durante vacinação | Jornal Plural
17 jun 2021 - 19h18

Prefeitura diz que não orientou repreensão a manifestações políticas durante vacinação

Município, no entanto, não informou como irá agir diante de um caso de agressão registrado na quarta-feira

Nesta quinta-feira (17), a prefeitura se manifestou a respeito do caso em que uma professora teve seu cartaz de protesto contra Jair Bolsonaro rasgado dentro de uma unidade de saúde por um funcionário municipal. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, não existe norma que impeça manifestações nas unidades de saúde, sendo assim, a ação do servidor foi arbitrária e individual.

Na última quarta-feira (16) a professora Eliane Basilio de Oliveira teve seu cartaz com os dizeres “Viva o SUS. Fora Bozo” rasgado por um funcionário da unidade de saúde em que foi se vacinar. Ela e seu marido estavam na fila esperando para receber o imunizante quando foram abordados pelo rapaz, que estava distribuindo as senhas no local, afirmando que ali não era permitido manifestações por não ser um espaço, segundo ele, político.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ainda não emitiu um posicionamento sobre o caso nem deu informações sobre as ações que tomará diante da agressão.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Prefeitura diz que não orientou repreensão a manifestações políticas durante vacinação

  1. Minha solidariedade aos professores. Absurdo isso. Eu diria que a força do fascismo não está somente nos tiranos de ontem e de agora. Aqueles que se acham eternos e que de forma covarde se escondem atrás do aparato repressivo. Mas nesses pequenos autoritários que a exemplo do ou da “besta” fazem suas próprias leis. A questão é quem controla o guarda da esquina? A liberdade de expressão é um valor fundamental. É um antídoto contra as maiorias. É preciso por um fim nisso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias