Complexo Médico Penal pode ser interditado pelo Conselho de Medicina | Jornal Plural
Clube Kotter
9 set 2020 - 22h02

Complexo Médico Penal pode ser interditado pelo Conselho de Medicina

Faltam condições de trabalho para profissionais da saúde e atendimento necessário para os presos

O Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) tem 180 dias para resolver problemas graves detectados no Complexo Médico Penal do Paraná (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Além da falta de estrutura, como equipamentos e insumos, o número de profissionais de saúde atuantes é insuficiente para atender os presos. A constatação é do Conselho Regional de Medicina (CRM-PR), que promete interditar o espaço para a prática médica caso as irregularidades não sejam sanadas.

O órgão apresentou um indicativo de interdição do CMP na manhã desta quarta-feira (9). Segundo o órgão, a atual estrutura do local inviabiliza a prática da medicina e o atendimento de qualidade à população carcerária. As irregularidades, segundo o CRM, colocam em risco ético os médicos e demais profissionais da saúde. Além deles, os presos também estão sendo expostos a riscos em razão das limitações que envolvem a assistência médica. Entre elas, falta de pessoal, insumos e equipamentos.

Caso as irregularidades persistam ao fim do prazo estabelecido (seis meses), o CRM deve decretar a interdição do local para a prática médica. Cópias do ato indicativo de interdição serão encaminhadas à Chefia do Executivo Estadual, Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), à qual o Complexo Médico está vinculado, Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Ministério Público Estadual (MP/PR) e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PR).

Documento entregue ao Depen. Foto: Plural.jor

Queixas frequentes

De acordo com o CRM, o Complexo Médico Penal tem sido objeto de queixas frequentes por parte de médicos e da sociedade civil. As reclamações são registradas há pelo menos três anos.

Em março de 2019, irregularidades semelhantes já haviam sido indicadas pelo CRM às direções técnica e administrativa do CMP, apontando que a unidade não dispunha de recursos humanos e estrutura física para o adequado cumprimento de suas finalidades.

O Complexo Médico Penal também é um hospital de custódia e serve para tratamentos psiquiátricos de presos inimputáveis ou semi-imputáveis, aos quais é aplicada medida de segurança. Dados divulgados pelo CRM mostram que 17 profissionais fazem parte do corpo médico do CMP, mas a maioria está afastada por aposentadoria ou tratamento de saúde. Conforme mostrou o Plural, dos 14 servidores médicos, apenas dois estavam na ativa em abril.

Nos últimos anos, o CRM apresentou indicativo de interdição em serviços do Hospital de Clínicas da UFPR, Hospital Universitário de Maringá e Maternidade Victor do Amaral, entre outros. A ideia é que essa medida extrema sirva para atenuar o impacto para quem depende dos serviços médicos.

Reorganização da Saúde Prisional

Alguns dos problemas já haviam sido apontados pelo Núcleo de Política Criminal e Execução Penal da Defensoria Pública do Paraná (Nupep), que solicitou recentemente ao CRM inspeção no Complexo Médico Penal para avaliar o atendimento médico de cerca de 20 cadeirantes e acamados; muitos com problemas graves na pele, pela impossibilidade de locomoção e ausência de Fisioterapia.

A Defensoria Pública reforça a necessidade de contratação de mais médicos e enfermeiros, já que o último concurso para os cargos foi em 2006 – e não incluiu Fisioterapia. “Isso é um problema crônico, mas com a pandemia houve o afastamento de muitos profissionais do grupo de risco. Tem que contratar, não tem como continuar como está. É preciso pensar na reorganização da Saúde Prisional no Paraná”, afirma o defensor público André Giamberardino, coordenador do Nupep.

Segundo ele, o atendimento no CMP é precário e a Covid-19 serviu para escancarar este problema antigo. “Acreditamos que esse prazo é uma oportunidade para corrigir, sobretudo, a contratação de profissionais e para um repensar total na política pública relacionada à saúde mental da população carcerária.”

Enquanto isso, o Nupep organiza uma convocação de voluntários para atendimento de emergência no CMP. “A convocação é feita considerando a ausência de profissionais de medicina e enfermagem disponíveis no âmbito do sistema penitenciário estadual e que as tratativas para adesão municipal à Política Nacional de Saúde Prisional (PNAIS) estão em curso, mas sem a velocidade necessária.” 

No prazo

O Plural procurou Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) para falar sobre a interdição ética do Complexo Médico Penal. Em nota, o Depen informou que já está tomando as medidas cabíveis para buscar atender, dentro do possível, às demandas estabelecidas pelo Conselho Regional de Medicina, dentro do prazo estipulado pela instituição.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “Complexo Médico Penal pode ser interditado pelo Conselho de Medicina

  1. Boa noite.. sou policial.penal, estou no sistema ha 15 anos.. gostaria de ajudá-los n medidar possível do para fazer o melhor da informacao sobre sistema..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias