7 maio 2022 - 9h46

Oposição vai questionar uso de propagandas em ônibus metropolitanos da Grande Curitiba

Segundo a Comec, dinheiro vai reduzir o preço das passagens, mas deputados argumentam que o projeto não deixa clara a destinação dos valores arrecadados

A oposição ao governador Ratinho Junior (PSD) na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vai questionar o projeto de lei que autoriza a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) a explorar espaços publicitários nos ônibus de linhas intermunicipais na região metropolitana de Curitiba.

Para a bancada de oposição, a proposta, que promete “favorecer a modicidade tarifária”, não deixa claro onde os recursos serão aplicados.

O texto já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alep e agora será votado pela Comissão de Finanças. Se for aprovado, seguirá para análise do plenário.

A ideia é utilizar os recursos obtidos para reduzir as tarifas ou financiar investimentos no serviço prestado. A receita poderá ser empregada “na complementação da cobertura dos custos operacionais do serviço, visando reduzir ou conter os valores das tarifas ou na manutenção do seu equilíbrio econômico-financeiro”, segundo a proposta.

A própria Comec ficaria responsável por regulamentar o padrão das peças publicitárias, que seriam selecionadas por meio de uma licitação.

De acordo com o projeto, a verba arrecadada “será constituída em receita própria do órgão gestor do sistema de transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba e será recolhida por meio de fonte própria de recurso”. A prestação de contas seria feita todos os anos ao Conselho de Transporte Coletivo da Região Metropolitana.

“O projeto não diz exatamente qual a finalidade da arrecadação. Diz que pode usar em duas coisas, para subsidiar ou para melhorar o sistema, mas não diz quanto vai ser usado”, disse o líder da oposição na Assembleia, deputado Arilson Chiorato (PT). “Vamos questionar qual o uso desse dinheiro, se será usado como subsídio ou se vai ser transferido”.

A Comec informou que não há uma previsão a respeito de quanto poderá ser arrecadado. Segundo o órgão, caso o projeto seja aprovado, será necessário contratar uma consultoria e elaborar um plano econômico-financeiro para iniciar o processo de licitação.

Segundo o presidente do órgão, Gilson Santos, é preciso criar uma fonte alternativa de receitas após a queda de usuários causada pela pandemia do coronavírus.

Subsídio

Uma das dúvidas é se os valores arrecadados serão utilizados diretamente para reduzir as tarifas ou para aliviar o subsídio mensal repassado pelo governo do estado.

Segundo a Comec, para este ano a previsão do governo era aportar R$ 16 milhões para subsidiar a tarifa do transporte coletivo na região metropolitana de Curitiba. Para manter o sistema de Curitiba integrado ao metropolitano, mais R$ 60 milhões seriam aportados durante o ano.

As tarifas metropolitanas foram reajustadas no dia 15 de março e variam de R$ 5 a R$ 7 (elas são mais baratas se forem pagas com o cartão Metro Card e vão de R$ 4,50 a R$ 6,50).

De acordo com a Comec, o valor da tarifa técnica (o custo do sistema divido pelo número de usuários pagantes) está atualmente em R$ 8,79. O subsídio do governo do estado responde por R$ 3,27, o que evita que todo o valor da tarifa técnica seja repassado para o usuário.

Um projeto que está sendo analisado na Alep estende o subsídio para as outras regiões metropolitanas do estado (Londrina, Maringá, Cascavel, Toledo, Campo Mourão, Apucarana e Umuarama), nos moldes do repasse mensal feito pelo governo do estado à Comec. Nove deputados apresentaram o projeto.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Um comentário sobre “Oposição vai questionar uso de propagandas em ônibus metropolitanos da Grande Curitiba

  1. Conheço essa história: vão colocar publicidade para baixar o preço e no final das contas simplesmente não baixam.
    Por que o fariam? A Operação de linhas de ônibus é oligopólio na RMC (e monopólio em alguns municípios). O que os oligarcas da RMC escolherem cobrar, cobrarão e a URBS carimba.
    Mais um exemplo do capital escolhendo enfear a paisagem pública para aumentar lucros. Canalhas.
    Já não basta o plano diretor e a lei de zoneamento de curitiba permitir esses prédios horríveis aos quais apenas olhar causa depressão em qualquer um, agora vão destruir a bela uniformidade da frota de ônibus com publicidade vendendo esquemas de pirâmides e clareamento dental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds