O pior efeito colateral da aids: o preconceito | Jornal Plural
9 jan 2021 - 9h49

O pior efeito colateral da aids: o preconceito

Décadas foram necessárias para amenizar o preconceito sofrido por pacientes

Esta publicação faz parte do Festival de Jornalismo Literário, organizado em parceria pelo Plural e faculdades de jornalismo de Curitiba e Ponta Grossa. O livro-reportagem de Pedro Macedo está sendo publicado em capítulos nesta semanaVocê pode conferir a primeira parte aqui. A segunda está aqui. A terceira está aqui.


Um dos preconceitos que permanecem até hoje em relação à aids tem a ver com a culpa. O filme Philadelphia (1993), que rendeu o Oscar de melhor ator para Tom Hanks, mostra uma cena em um júri no qual se reflete a ignorância daqueles idos. Ali, usa-se o argumento de que Andrew Beckett, personagem principal, havia contraído o vírus por irresponsabilidade. Diferente do câncer, que é visto como um infortúnio, o HIV é castigo. O infectado é o culpado. Jair Bolsonaro, que ocupa a cargo de presidente da República no momento deste livro, acredita, inclusive, que o paciente é uma despesa para o país.

Nas entrevistas, perguntei aos personagens como enxergavam isso. O paciente tem culpa? 

***

O consultório do psicólogo Antônio Carlos Moreira fica na Avenida Getúlio Vargas, 2.087. Um sobrado azul marinho, ao lado do Estádio do Athletico Paranaense, no bairro Água Verde, divisa com o Rebouças. Uma grade branca separa a porta de entrada da rua. Do lado de fora, pode-se pensar que lá é um centro de lombalgia e cirurgia da coluna, como indicam as inscrições na parede do prédio. No entanto, uma voz confirma pelo interfone que Moreira chegaria em breve. Dentro, uma recepção e um corredor que leva para uma sala de espera. O espaço abriga algumas cadeiras encostadas na parede e uma mesa de centro com revistas. 

Após alguns minutos de espera, entra um homem de 1,70 de altura, vestido de calça jeans, sapatos e uma camiseta polo azul. É 18 de março de 2020, período em que a capital paranaense registrava seu 14º caso de coronavírus. A circulação pela cidade ainda estava normal. No entanto, o uso de álcool em gel, distância de dois metros e o fim dos cumprimentos com apertos de mão e beijinhos no rosto estavam em aplicação. 

Moreira cumprimenta de longe o estudante universitário que lhe aguarda. 

— Por aqui. Vamos subir –, localiza.

Ele vira à esquerda, depois de passar pelas cadeiras da sala de espera. Revela-se um novo corredor que liga a uma escada. Enquanto sobe os degraus, Moreira é questionado:

— Em qual porta?

— A primeira à esquerda. Sempre à esquerda –, risadas.

O consultório é espaçoso. A decoração é vintage, com um tapete marrom no chão, um grande quadro abstrato na parede e uma prateleira com livros de psicologia e psiquiatria, que exibem o conhecimento e a experiência do inquilino. A janela se encontra aberta para aumentar a circulação do ar. Não só como alívio ao calor, mas para evitar o contágio do Covid-19.

Antônio Carlos Moreira. Foto: Facebook

Ele se senta em uma poltrona de couro preta, perto da porta. O convidado se aconchega em uma poltrona de tecido vermelho, perto da janela. Há um pacto não dito de manter uma distância mínima de segurança. 

Em 2020, Antônio se dedica exclusivamente à psicologia clínica. Ele tem especialização em somatização – sintomas físicos gerados de uma conduta psiquiátrica, como ansiedade –, e doenças infectocontagiosas. 

Começou a trabalhar com casos de HIV em 1985, apenas um ano após a chegada do vírus em Curitiba. A prática começou antes de concluir o curso na Universidade Tuiuti do Paraná, formando-se apenas no ano seguinte. Durante todo esse tempo, acompanhou 345 óbitos em decorrência das complicações da aids. Ele foi um dos primeiros profissionais na área da psicologia a trabalhar com a clínica em HIV. 

Moreira não escolheu trabalhar com a doença. A aids o escolheu. Ele vem de um contexto extremamente masculino. Jogador de futebol na mocidade, adora fazer esportes radicais e tem como passatempo favorito a pescaria. Esteve sempre cercado por homens brancos heterossexuais, que provavelmente reproduziam preconceitos persistentes. Depois que atendeu o primeiro paciente com aids, abraçou a causa. Percebeu que não havia ninguém, ainda em 1985, que fizesse o que estava se propondo; e resolveu ser o primeiro. 

Ele lembra que tudo era muito empírico. Tentativa e erro. Desde sempre buscava trabalhar a aceitação do paciente, para que o próprio infectado não tivesse preconceito consigo. Na medida em que se aceita a doença, ela se torna mais favorável ao infectado. Era essa a máxima na qual o psicólogo insistia – e ainda insiste. 

A importância de se tratar o paciente com HIV pela psicologia está na necessidade de inseri-lo novamente em sociedade. Mostrar que com as devidas proteções, é alguém normal. Moreira explica que o mais difícil é fazer com que os pacientes enxerguem o próprio preconceito que criam. 

— A sociedade propaga naturalmente esses estigmas sobre o paciente. Tínhamos que toda hora debater esses rótulos, bani-los. Para que a gente possa enxergar o João como João e a Maria como Maria –, conta.

Uma dessas formas foi a Organização Mundial da Saúde (OMS), na década de 1990, cobrar que os conselhos de psicologia ao redor do mundo retirassem termos que carregam uma aura pesada. Na lista estavam palavras como “aidéticos”, orientando-se para substituir por expressões como “pacientes vivendo com HIV”. O “grupo de risco” também deixa de ser usado, porque pertencer a um grupo não apresenta riscos à contaminação. Utiliza-se “comportamento de risco”, porque todos, independente da orientação sexual ou sexo, estão passíveis de contaminação. Assim como se sugere não usar “morte por aids”, pois ninguém morre de aids, e sim das doenças oportunistas.

Manchetes de tabloides nos anos 80: acusações contra gays

Essas reformulações foram necessárias para amenizar a cicatriz que marca um determinado grupo social. Caso o preconceito se estenda por muito tempo, acaba sendo prejudicial. O paciente fica propício a desenvolver depressão e outros problemas psicológicos, que baixam a imunidade e abrem caminhos para a proliferação do vírus. Moreira aceitou o papel que a aids lhe deu e investiu com energia na sensibilização. Tornou-se um protagonista na luta contra discriminação, sendo convidado para depoimentos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), dentre outros.

Para aprender mais sobre a “sida”, como era chamada a aids em 1985, Moreira ia a São Paulo, com frequência. Era o berço de toda a informação na época. Conversava com médicos, fazia cursos em várias instituições e hospitais universitários. Ele atendeu muitos pacientes que estavam chegando da Europa numa época em que o Brasil saía da ditadura militar. Muitos aterrissaram já com a doença. Além do Sarcoma de Kaposi e da tuberculose, as doenças oportunistas mais frequentes, atendeu diversos pacientes que ficaram cegos. Nem sequer sabiam que a doença podia afetar também a visão. Com o tempo, o vírus foi mutando e outros sintomas apareciam. Diarreia, dor de estômago… Os médicos tinham que fazer experimentos na década de 1980. Foi tentando, testando e ouvindo os próprios infectados que se aprendeu muito sobre a aids.

Qualquer palestra que aparecia em SP, Moreira comparecia. Cansou de sair de Curitiba às 23 horas em um ônibus direto para a capital paulista. Tirava um longo cochilo nas poltronas e via o amanhecer às 6 da manhã, na Rodoviária do Tietê. Pegava o metrô e rumava ao Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo. Não só ele, como outros personagens de todo Brasil, dentre os que enfrentaram a causa.  

Assim como os outros profissionais desse livro, Moreira também sofreu preconceito por trabalhar com aids. Os colegas deixaram de convidá-lo para os jogos de futebol, os jantares e festas. Ele tinha se tornado o aidético. Outros colegas de profissão se recusavam a atender os pacientes de aids. “Eu atendo a elite de Curitiba. Imagine saber que o cara sentado aqui era aidético”, ouvia o psicólogo, de outros profissionais. O que fazia era tentar ver onde estava a humanidade de cada um desses que chamava de parceiros. E separava. Para alguns, o dinheiro e status era o mais importante. De sua parte, preferiu a humanidade. 

***

Como em toda doença de alta letalidade ou degenerativa, Moreira explica que o primeiro momento é de negação. O infectado recusa o diagnóstico e continua com os mesmos comportamentos. Sua terapia, por isso, nasceu focada no diálogo e na conversa. Durante as consultas, tentava tirar o máximo que podia do potencial do paciente. Chegava a explorar o aspecto criativo da mente de uma forma terapêutica. Nunca impôs que o paciente fizesse algo. Pelo contrário, incentivava o que era mais saboroso para o contexto. Por exemplo, se o paciente fosse fã de leitura, o psicólogo sugeria escrever um livro. O foco era explorar algo que o infectado conhecia de si mesmo e que fosse possível lhe proporcionar prazer em um momento de dificuldade. Nos casos mais graves, aprimorava outro sentido, o da experiência. Pedia para o paciente focar naquilo que aprendeu, viveu e transformar, como ele mesmo diz, o amargo em doce. 

— É fácil você destruir uma pessoa com HIV, se chegar perguntando coisas do tipo: “Por que você trepou com todo mundo?” – explica.

— Agora, se eu como psicólogo chegar e perguntar “entre todos com quem transou, qual mais te marcou?,” é uma forma mais humana e carinhosa de falar sobre aquilo.

Essa empatia que o psicólogo exercia rendeu-lhe experiências marcantes. Um de seus pacientes era um homem de 73 anos que frequentava o consultório há mais de 28. Sempre foi bem saudável e passou um tempo sem tomar os medicamentos para a aids (o que não é ideal que aconteça). O homem veio a óbito, porque pegou uma infecção durante um tratamento dentário no inverno. Morreu uma hora depois de conversar com Moreira, que se lembra da última consulta, na qual o paciente resumiu da seguinte forma sua vida após o vírus:

— Aqui foi eterno e durou bastante…

Moreira foi marcado desde o primeiro contato em seu consultório. O paciente “1” – um homem que acabava de voltar da França e trabalhava para uma rede hoteleira europeia cinco estrelas. Era gerente do hotel e tinha um namorado do Velho Mundo, em um relacionamento que durou 12 anos. Os dois sempre viajavam para outras partes do planeta, como Oriente Médio, África e América do Norte. O psicólogo relembra que o paciente acreditava que havia contraído o HIV desse relacionamento fixo. O próprio Moreira diz que geralmente é fácil saber em qual situação se foi contaminado. O paciente sabe. Ao contrário do que se poderia imaginar, a maioria dos que passaram pelo consultório de Moreira não tinha uma reação negativa, como pensamentos vingativos. Alguns davam doces testemunhos em relação ao ex-companheiro. “Ele era tão generoso comigo”. O psicólogo sugeria que o paciente agradecesse essa generosidade para perdoar e seguir em frente. Com os atendimentos, ele tenta fugir das teorias psicológicas que colocam a terapia dentro de uma técnica ou manual. Acredita que, em algumas situações, mostrar o lado mais humano contribui para que o paciente se aceite e não viva baseado na culpa.

***

Na época de Woodstock, na final da década de 1960, começam a surgir anticoncepcionais, preservativos e outros métodos contraceptivos. Nesse mesmo período, o Brasil passava por uma repressão sexual reforçada na ditadura, quando falar sobre sexo abertamente não era comum. E o aprendizado vinha por si só. 

As infecções sexualmente transmissíveis já existiam. Gonorreia, sífilis, eram tratadas com antibióticos. No entanto, repensar e falar sobre sexualidade, corpo e prazeres, veio principalmente com a aids, na década de 1980. Moreira lembra que a doença veio para quebrar esses dogmas de matriz cristã, que focam na culpa do paciente. 

Ele foi muito safado”. “Onde já se viu usar esfíncter para ter prazer?”. O esfíncter é um músculo circular responsável pelos movimentos de abrir/fechar dos orifícios. No caso da frase, sinônimo para o ânus. Há que chame por outras expressões. O próprio presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), Gilson Machado, disse em uma live, pela rede social Facebook, que “não tem nada contra quem usa o orifício rugoso infra lombar para fazer sexo”. Machado, que é ligado ao governo Bolsonaro, fazia a transmissão em parceria com o empresário e advogado Osvaldo Neto e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Todos personagens da gestão de Bolsonaro.

A culpa não refletia apenas no paciente, individualmente. Moreira recorda que durante os primeiros anos, a culpa da doença ter surgido não era de um ser humano, mas de um animal em um continente: os macacos da África. Acreditava-se que o homem foi lá e transou com um macaco e então contraiu a doença. Essa era uma das histórias. Criaram-se crenças do negro ser depositário de “coisas ruins”, que eles eram os responsáveis por carregar esse mal no sangue. 

A transmissão para o homem aconteceu por causa dos novos comportamentos que foram surgindo com a industrialização e globalização. O doutor em Genética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Marcelo Soares, trata a respeito num livreto publicado pela Folha de S. Paulo sobre a principal teoria de transmissão do vírus ao ser humano. A hipótese é que o HIV tenha chegado ao organismo humano em decorrência da caça e do consumo da carne animal crua. Em seguida, há a exploração maior de florestas tropicais para agricultura no continente africano, o que colocou os europeus em contato com doenças típicas da região. Em troca, o homem branco levou para a África a exploração do sexo comercial e uso de drogas injetáveis. Essa combinação de fatores levou à infecção do homem não só pelo HIV, mas outras patologias. O próprio coronavírus, entende-se que pode ter “pulado” para os seres humanos na exploração de animais selvagens que carregam os vírus. 

***

Já faz mais de 35 anos do primeiro caso de aids em Curitiba e quase 40 no mundo. As gerações que nasceram nessa época viram aquele retrato “cazuziano” da doença, que matava sem piedade. No entanto, percebe-se que quem nasceu dos anos 1990 para cá, viveu uma face diferente da doença. Uma época com remédios de última geração, acessíveis, e preservativos à venda até em postos de gasolina. 

Nos anos 2000, houve diversos investimentos em iniciativas e educação sexual para controlar o HIV. 

Moreira enxerga que, de uns anos para cá, a quantidade dessa informação caiu. Ele se lembra que até o primeiro mandato do governo Dilma Rousseff (2011-2014), a propaganda de proteção circulava o ano todo. Recorda de ser convidado a dar palestras em universidades pela região: Joinville e Blumenau em Santa Catarina; Ponta Grossa e Londrina no Paraná; e em São Paulo. Como ele se tornou uma referência, não deixava de ser solicitado. Participava de congressos e fazia falas para mais de mil pessoas em grandes auditórios. Essa era a vida que estava acostumado a ter nas épocas em que as discussões sobre a aids eram fomentadas. 

Agora, conta que no máximo é chamado para uma palestra uma vez por ano, para turmas de 20 pessoas, em escolas do nível fundamental e médio. Não o entendam errado. Moreira gosta de fazer esses trabalhos de orientação com jovens. Inclusive, é uma das fases da vida, entre os 14 aos 16 anos, que ele mais acredita que as questões sexuais devam ser discutidas. 

Algumas das palestras que ministra nas escolas são separadas por gênero, apesar de pensar ser desnecessário. Acontece que as professores e funcionárias preferem assim, porque alguns meninos contam piadas com frequência. Quando está sozinho com os estudantes, acaba por fazer algumas piadas para que eles olhem a sexualidade com um olhar natural. Ele não quer ser dogmático nessas ocasiões. 

No entanto, alguns comentários exigem ações mais firmes do profissional. Moreira já ouviu um adolescente, em uma escola pública, de Curitiba falar para o próprio psicólogo: “Vou te fuder sem camisinha”, seguido de várias gargalhadas. 

Naquele dia, o Moreira foi bem maldoso. Ele entende que nessa fase da vida, a reafirmação de uma identidade descolada precisa se sobrepor. Durante a palestra, lembra-se que esse mesmo estudante começou a falar muito de sexo em um tom que já sabia de tudo e não precisava do que estava sendo dito. Principalmente com os colegas da turma. Moreira respondeu o adolescente:

— Geralmente quem fala muito, não faz nada. 

A turma caiu na gargalhada, como imaginado. O psicólogo não gosta de usar o poder. No entanto, às vezes, precisa ser um pouco assertivo para que entendam a importância do assunto. Dois dias depois, Moreira recebeu uma ligação da mesma escola, afirmando que os pais desse menino queriam conversar com o ele. Estavam extremamente bravos com o tom que o profissional havia falando. Com toda paciência, ele respondeu:

— Vocês podem achar que estão criando um homem hétero de família, mas, na verdade, ele está se tornando um machista mal informado ao fazer esse tipo de piada.

***

No dia 15 de março de 2020, o cantor sertanejo Leonardo viralizou na internet. Não era uma música de sucesso ou anúncio de aposentadoria. O artista que criou uma carreira musical no Brasil desde 1983, comparou a pandemia do coronavírus com a epidemia de HIV. Durante o show, ele usou o seguinte argumento:

“Trinta milhões de pessoas no Brasil têm HIV. Trinta milhões. Para ser sincero…ninguém usa camisinha. Agora 900 casos confirmados têm que usar máscara. Eu cheguei à conclusão que: gente, morrer fudendo é melhor do que morrer tossindo”.

Moreira acredita que seria uma “putaria”, no pior sentido da palavra, se a aids surgisse hoje. Ele diz que a fala do cantor reflete o pior dos discursos preconceituosos, que acaba sendo apoiado pelo presidente da República e seus seguidores. Inclusive, acredita que a psicologia precisaria construir todo um manual para estudar esse movimento que relativiza doenças. 

A banalização vem do fato de que está se falando menos sobre a aids do que antes. A jornalista Elza Filha concorda. Ela acredita que é extremamente péssimo não se falar sobre a doença, como se fazia no início dos anos 2000. A profissional considera grave o fato de que, aparentemente, as campanhas estão sendo feitas apenas na época do carnaval, e que se resumam à distribuição de camisinhas. Depois, no resto do ano, somem. Durante os anos em que trabalhou na redação, Elza percebeu que houve um momento significativo no aumento dos casos de mulheres. Depois, os casos saltaram na faixa etária mais velha. Agora em 2020, parecem crescer entre a juventude. 

Ela defende a educação sexual nas escolas e mais debates na academia. Atuando como professora no curso de Comunicação Organizacional na UTFPR, em 2019 ela coordenou um projeto de campanha publicitária, na qual os estudantes deveriam escolher um tema de interesse público e construir uma estrutura comunicacional. Uma das equipes que orientou realizou uma ação sobre a aids voltada para jovens. Elza acredita que mais desenvolvimentos como esse deveriam ser feitos para garantir que o assunto continue no debate público. E não descarta que se a aids surgisse em 2020, seria uma “matança de homossexuais no paredão”. Ela comenta que já vivemos um aumento na onda de homofobia. Imagine pensar a ideia de 1984 de “câncer gay”.

***

Um harmônico “vixe, complicado” é reproduzido quando Gil e Zilene pensam sobre a mesma questão. Gil acha que seria um caos total e uma matança. Principalmente em decorrência dos pensamentos do presidente atual, Jair Bolsonaro, e da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves. 

Eles criticam também a fala de Bolsonaro ao dizer que “o paciente de aids é um gasto para o país”. Na visão de Zilene, toda doença é um gasto. Câncer é um gasto. Diabetes é um gasto. O que acontece é que a aids ainda possui aquela visão de culpa, no sentindo de que foi por causa da promiscuidade. Enquanto isso, câncer e diabetes são doenças sobre as quais o ser humano não tem controle. Gil lembra, inclusive, que o paciente de diabetes hoje toma mais remédio do que um paciente de aids. Então, por que apenas o HIV seria um gasto?

— Eu acho que a aids veio na hora que tinha que vir –, afirma Zilene.

Para Gil, da Pastoral da Aids, não haveria avanços. Os mesmos preconceitos em relação a carregarem uma culpa por ter a doença continuariam a ser reproduzidos. 

— Eu acho seria algo do tipo: “Se virem, seus devassos” –, explica Gil.

Os dois nunca acreditaram que a aids estivesse ligada a castigos. Gil explica que em sua visão é uma responsabilidade dividida entre os dois envolvidos na transmissão. Um paciente não carrega toda a culpa por viver com o HIV. Ele calcula que a contaminação se dá em 50/50, via sexo desprotegido. Com exceção em casos graves, como estupro, quando é impensável achar que a vítima teria sequer uma parcela de culpa. Zilene pensa que nos casos da falta de preservativo, o infectado não tem culpa em amar. O amor não é crime. Assim como Moreira, ela vê que o paciente passa a viver uma nova realidade, à qual todo mundo está suscetível. 

***

A enfermeira aposentada Maria Alba nunca pensou que alguém merece ser julgado por estar contaminado com HIV. Ela usa como exemplo as mulheres de parceiros fixos, que se infectavam por causa do marido. Esse fato em si derrubava os preconceitos em achar que HIV é coisa de promíscuos ou grupos de riscos. Alba entende que para a contaminação acontecer, basta ser humano. Ao atender casais fixos, trabalhava a filosofia de que cada um dos dois tem 100% de responsabilidade com o outro. Não existe isso de 65% para a mulher e 35% para o homem. O compromisso é de ambos. 

Era difícil falar para alguém casado usar preservativo. Na década de 1980 e 1990, nem se podia “meter a colher na vida do casal”, como ela mesma diz. No entanto, o avanço nas pesquisas mostrava que para o enfoque epidemiológico, fidelidade não conta. Não é possível computar a fidelidade. Então, tinha que se fazer um acordo. 

Nos atendimentos, Alba pedia para os casais expressarem uns aos outros seus sentimentos em relação ao relacionamento; e que criassem um pacto. Por mais que não usassem preservativos, teriam o compromisso de se respeitar. No entanto, caso o parceiro transe com outra pessoa, é obrigatório o uso do preservativo. Primeiro a saúde. Se o casal ia se separar depois ou não, ficava para um segundo momento. 

Nesses anos, ela aprendeu um leque de questões sobre a sexualidade. Alba sabe que o ser humano pode ser animalesco. Com os avanços no tratamento, a aids não é mais transmitida via transfusão sanguínea. Em atendimentos precoces é possível que uma mãe que vive com HIV possa ter o filho sem a doença. O que sobra? O sexo. E a aids vai continuar sendo transmitida via sexual. Por isso, Alba fala que esse cuidado de preservar o próprio corpo precisa se manter, para evitar a transmissão.

É o que pensa Silas também. O assistente social sempre teve um carinho pelos pacientes e nunca pensou que fosse castigo. Por culpa, ele entende apenas a falta do uso de preservativo. Em casos de transmissão, foco no tratamento e segue a vida. Mas pensar que alguém está tendo o que merece é desumano. A aids é doença como qualquer outra. Ninguém pega doenças porque mereceu. Ele define como descuidos que acontecem com qualquer pessoa.

***

Os jornalistas Jorge Javorski e Marleth Silva acreditam que a aids está saindo de pauta. Deve-se falar mais sobre educação sexual, para evitar que a transmissão continue. Para Jorge, se a aids surgisse hoje, seria um total descaso. Não haveria a devida importância do governo para a doença e seria uma administração tão ruim quanto a do coronavírus. O fato seria alimentado pelos discursos radicais de Bolsonaro. 

Marleth concorda. Inclusive, chama a atenção para o que o Brasil um dia já foi: referência no tratamento da aids. Ela acha que com o atual governo, os laboratórios não iriam querer encarar um “câncer gay”. Faz uma comparação. Na década de 1980 e 1990, quando os preconceitos da sociedade eram mais naturalizados e menos discutidos, fez-se o que tinha de ser feito. A jornalista acredita que o país fez a coisa certa. Quebrar patentes. Investir na proteção. 

Ela relembra que pode parecer um momento esquisito para a nova geração. Quem nasceu de 1990 para a frente, raramente viu alguém morrer em decorrência da aids. E parece que as pessoas esquecem de falar e discutir sobre. O que tira dessa história é simples: nenhuma geração aprende com a outra.

***

Cléa é mais otimista. Entende que na época de 1980 era muito mais estigmatizado. A população viu os pacientes morrerem. Atualmente, quem é diagnosticado passa a ser tratado com um ou dois comprimidos e fica bem. Até esquece que tem. Acredita que é necessário investir para que tenhamos mais pacientes iguais a esses. Eles irão cortar a cadeia de transmissão.

A infectologista nunca achou que o infectado tem culpa de estar com a doença. Ela mesma diz que na hora da paixão e do tesão ficamos cegos. Jamais julgaria. Ninguém tem culpa por amar e querer se sentir amado. É natural do ser humano. Cléa teve uma experiência com um amigo, que representa bem O debate. Há cerca de 20 anos, ele teve um susto e achou que tinha se infectado. Cléa conversou seriamente com ele e pronto. Explicou da importância da proteção.

Dois anos depois ele se infectou na França. Ligou para a Cléa. Geralmente se pensa que ela deveria ficar brava, porque o amigo se infectou, mesmo com os conselhos dela. No entanto, não é assim que funciona. Não queria saber como pegou. Se ele se cuidou o suficiente. O presente precisa ser vivido. Tudo que ela falava era: “Não se puna. Não se culpe. O que interessa agora é começar a tratar”. 

Rita Esmanhoto está de acordo. Não se deve culpar o paciente com HIV. Existem maneiras mais humanas e empáticas de abordar o assunto. Claro que é melhor viver sem a doença. No entanto, como médica, não tem o papel de juiz do paciente. Entende que essa sensação do sexo, o desejo do prazer é o sentimento mais humano que existe no mundo. É isso que nos faz existir. 

Por essa razão, não acredita na vida casta. Realmente. Se não transar, não se contamina. Mas não é bem assim na prática. A sexualidade faz parte do pacote chamado homem, mulher. As relações nos deixam mais saudáveis e, mesmo inconscientemente, buscamos essa paixão. O que é necessário depois da aids é algumas adaptações para que isso continue acontecendo de forma segura.

O tratamento mudou muito. Os conhecimentos mudaram muito. De uma “sobrevida” de três meses para uma longevidade. O ideal agora é que se teste a cada três meses, caso tenha uma vida sexual ativa. Quanto mais cedo descobrir, melhor para a adesão. Hoje, existem até outras técnicas além da camisinha. O PrEP, por exemplo, é um coquetel de pré-exposição, usado por profissionais do sexo ou homens gays que possuem uma vida sexual acima da média. Existe também o PeP que é a pós-exposição. É necessário tomar a partir das primeiras 72 horas por 28 dias depois de ter tido contato com o vírus. Todos esses tratamentos somados com o uso do preservativo mudam bastante coisa 35 anos depois do primeiro paciente. Foram necessários todos esses anos para se conseguir feitos gigantescos sobre a doença. 

Para Cléa, não faz sentindo o paciente viver carregando uma culpa. Temos que tocar o barco, com ela diz, e ser feliz e beijar muito. Depois de toda essa viagem, vale uma última dica dada por Antônio Moreira:

— A única coisa que quero deixar claro: se for transar, use camisinha. Cuide-se.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias