Lixo hospitalar é jogado na rua no Centro de Curitiba | Jornal Plural
6 jul 2020 - 20h07

Lixo hospitalar é jogado na rua no Centro de Curitiba

Agulhas, equipos e outros materiais, ainda nas embalagens, foram recolhidos pela Prefeitura, que investiga o descarte irregular

Materiais de uso hospitalar, ainda embalados, foram descartados na rua Amintas de Barros, no Centro de Curitiba. Os equipos (materiais para infusão endovenosa) e agulhas, dentre outros produtos, estavam jogados na calçada sem acondicionamento próprio, quando foram encontrados e coletados pela equipe de varrição da cidade. A Prefeitura investiga a origem do descarte irregular.

Embora não houvesse lixo infectante – produtos que foram usados para limpeza de secreções, coleta de sangue e outros procedimentos médicos – o material deveria ter sido descartado de forma especial por conter objetos perfurantes.

De acordo com a Prefeitura, os geradores de resíduos de Saúde precisam contratar o serviço de coleta e destinação, oferecido por empresas privadas, mediante a aprovação de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. A fiscalização do descarte é realizada pelo setor de Limpeza Pública do Meio Ambiente, em conjunto com a Vigilância Sanitária do Município. Denúncias podem ser feitas pelo 156, com informações sobre o local.

O que diz a Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divide o lixo hospitalar em cinco categorias, cada uma com especificidades de acondicionamento, destinação e tratamento. Os perfurocortantes – agulhas, lâminas e utensílios de vidro, por exemplo – devem ser descartados em recipiente rígido, “resistente à punctura, ruptura e vazamento, impermeável, com tampa, contendo a simbologia da substância”.

Os potencialmente infectantes – resíduos com possível presença de agentes biológicos que podem apresentar risco de infecção, como tecidos corporais, culturas de micro-organismos e amostras de sangue – devem ser acondicionados em sacos identificados com o tipo de substância e colocados em recipientes de material lavável e resistente, com tampa de acionamento sem contato manual.

Remédios, desinfetantes e reagentes entram na categoria de resíduos químicos e devem ser descartados com base nas recomendações específicas do fabricante.

Os radioativos, em recipientes de chumbo identificados com símbolo de radioatividade e blindagem adequada ao tipo e ao nível de radiação emitida.

Já os resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à Saúde ou ao Meio Ambiente – como restos de alimento, papel higiênico e fraldas – podem ser descartados normalmente, em sacos impermeáveis.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias