HC busca pessoas que querem parar de fumar | Plural
6 out 2019 - 17h15

HC busca pessoas que querem parar de fumar

Pesquisa tem encontros semanais para auxiliar participantes a cessar com o tabagismo

Se você integra os 11% da população de Curitiba que faz uso do cigarro, o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) tem uma opção gratuita para que você saia desta estatística. Uma pesquisa da instituição busca voluntários para encontros semanais de terapia em grupo, com o intuito de auxiliar os participantes a parar de fumar.

O estudo clínico busca testar a “Efetividade da prática Mindfulness em comparação à terapia cognitivo comportamental na cessação do tabagismo”. O programa consiste em encontros semanais – sempre às segundas e quartas-feiras – durante um mês, no modelo de terapia em grupo. A próxima turma deve começar em 21/10, às 16h15.

Para participar é preciso ter mais de 17 anos, ser fumante ativo, consumir mais de cinco cigarros por dia, sem ter alcançado abstinência superior a três meses no último ano. Não podem participar alcoolistas, dependentes químicos, analfabetos, pacientes sob uso de medicação para o tratamento do tabagismo (incluindo bupropiona, nicotina e vanericlina).

Interessados devem entrar em contato por whatsapp (41) 99741-4152 ou pelo email mindfulnessufpr@gmail.com.

Tabagismo

De acordo com relatório da Vigitel, que compõe o sistema de Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), do governo federal, os que mais fumam no Brasil são homens e têm entre 35 e 65 anos. Destes, 2,6% fumam 20 ou mais cigarros por dia.

Em Curitiba, 11% da população faz uso de cigarros. Os que fumam uma carteira, ou mais, por dia representam 5% dos fumantes da região, sendo que a maioria deles está entre os 55 e 65 anos, aponta a Vigitel.

O jovem ainda fuma muito, mas a maior frequência do tabagismo, conforme reforça a Vigitel, está associada ao grau de escolaridade e informação. A frequência de adultos fumantes é de 10%, sendo mais alto o índice entre homens com até oito anos de estudo (18%). Esse número é cerca de duas vezes a frequência observada entre indivíduos com 12 ou mais anos de estudo.

Tratamento

“A maioria, sem dúvida, procura deixar para parar só quando tem uma doença, mas ainda temos outros relatos, como motivação por reclamações da família, gestante buscando a saúde do feto e pais pelo pedido dos filhos. Alguns ainda buscam melhorias em dentes e pele e ainda há os que relatam sofrer preconceito pelo hábito de fumar”, revela a médica pneumologista Mariana Sponholz Araújo, responsável pelo laboratório de Tabagismo do Hospital de Clínicas, em Curitiba.

Ela lembra que o tratamento envolve o trabalho psicológico, para lidar com as motivações, os medos e a dependência física da nicotina. As pessoas que precisam de auxílio maior no tratamento são as que fumam mais, ou as que fumam logo ao acordar, o que caracteriza grande grau de dependência.  “A taxa de quem tenta parar por conta própria é inferior (3%) a de quem procura assistência ou ajuda profissional”, ressalta a médica.

De acordo com a pneumologista, de 70% a 80% dos fumantes dizem que querem parar, porém, menos de 6% conseguem ficar sem fumar ao final de um ano. “Mas se você faz terapia de grupo, isso pode girar em torno de 20%. Com terapia e medicação, em torno de 40%. Tudo depende da pessoa, do grau de dependência, do componente genético e, claro, da motivação.”     

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Últimas Notícias