Déficit de professores inunda universidades estaduais de temporários | Jornal Plural
22 abr 2019 - 9h00

Déficit de professores inunda universidades estaduais de temporários

UEM é a que tem maior déficit de concursados, usando 18 mil horas semanais

Um documento emitido pelo governo do Paraná revela o tamanho do déficit de professores nas universidades estaduais. Todas as instituições de ensino superior do Paraná, segundo o balanço, precisam de cargas altas de professores temporários para suprir a falta de profissionais concursados.

O relatório, produzido para responder a um pedido de informações do deputado estadual Requião Filho (MDB), mostra que no total as sete universidades paranaenses usam hoje, semanalmente, 67 mil horas de professores temporários – que são contratados por sistemas simplificados e não têm estabilidade.

A universidade com o maior déficit é a UEM, de Maringá, que responde por quase um quarto do total de horas contratadas. São 18 mil horas de professores temporários só para a instituição.

A UEL tem 8.366 horas de temporários. Na UEPG, 7.500. A Unioeste utiliza 8.435 horas semanais. A UENP, no Norte Pioneiro, com 5.125 horas semanais, é a que menos contrata temporários atualmente.

A Unicentro, com sede em Guarapuava, está em segundo lugar no número de horas temporárias, com 11.100 horas semanais. E a Unespar utiliza 8.560 horas para contornar a falta de professores.

Embora haja a previsão de contratação de professores que já foram aprovados em concursos, nada faz imaginar que a situação irá mudar nos próximos meses.

Deputado propõe extinção de cursos com menos de 50% de formandos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias