22 fev 2022 - 8h00

Curitiba tem metade do público infantil vacinado com a primeira dose 

Segundo a Secretaria de Saúde, o período de férias escolares pode ter influenciado na baixa adesão da vacinação do grupo

Apesar de ter concluído a convocação de todas as faixas etárias do público infantil para a vacinação contra a covid-19 no dia 8 de fevereiro, Curitiba tem apenas 56,8% do grupo vacinado com a primeira dose. Das 93.674 crianças de 5 a 11 anos que receberam a primeira aplicação, 15 receberam também a segunda.

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), entre os fatores que podem ter contribuído para que pais, familiares e responsáveis ainda não tenham levado as crianças para se imunizarem é o período final de férias escolares de janeiro – em que muitas famílias não estavam na cidade – e o fato de uma parcela do grupo infantil estar no período de 30 dias de intervalo necessário para receber a vacina nos casos em que a criança testou positivo para a doença.

Uma das alternativas para tentar reverter a baixa adesão da imunização do público infantil, utilizada em capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, é a aplicação das doses nas escolas. Curitiba, no entanto, não adotará a medida porque, segundo a secretaria, levar as vacinas às escolas requer uma logística que essas instituições não dispõem. 

“A SMS preza pela segurança do armazenamento adequado da vacina. Por isso, a SMS não tem nenhuma programação de imunização extramuros e segue aplicando as doses da vacina contra a covid-19 em dez unidades de Saúde com espaços específicos para a população infantil”, afirmou a pasta, em nota.

Até o momento, não houve registro de falta de imunizantes pediátricos na capital e, seguindo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO), por enquanto Curitiba não aplicará doses de reforço nas crianças.

Resistência 

Segundo um levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) entre os dias 14 e 17 de fevereiro, mais de 59% das cidades brasileiras relataram enfrentar resistência da população quanto à vacinação infantil. A pesquisa ouviu 2.193 municípios, o que representa 39,4% das cidades do Brasil. Destes, apenas 19 ainda não iniciaram a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos.

Conforme a pesquisa, 94,4% das gestões municipais não registraram reações graves em crianças que receberam a vacina contra o coronavírus. Apenas 2,3% contabilizaram sintomas adversos e 3,3% não responderam ao questionamento.

O levantamento também abordou a falta do imunizante para crianças de 5 a 11 anos. Faltaram doses pediátricas em 11,2% dos municípios. Outros 87% não registraram a falta do imunizante.

Casos e mortes

Conforme boletim da SMS da última sexta-feira (18), Curitiba registrou 1.209 novos casos de covid-19 e nove óbitos. Ao todo, a capital contabiliza 397.955 casos e 8.054 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia. São 12.364 casos ativos na cidade.

De acordo com a pasta, desde o início da pandemia, houve seis mortes de crianças de 0 a 11 anos em Curitiba. Destas, quatro tinham fatores de risco para o agravamento da doença.

A taxa de ocupação dos 102 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 72%. Restam 29 leitos livres. A taxa de ocupação dos 256 leitos de enfermarias SUS covid-19 está em 53%. Há 120 leitos vagos. Ainda na sexta, foram desativados 10 leitos de UTI Covid no Instituto de Medicina, em função da baixa taxa de ocupação.

Na segunda-feira (21/2), Curitiba contabilizou três crianças internadas em leito pediátrico de UTIs SUS para casos de covid-19. 

Cronograma de vacinação

Nesta semana, a capital avança na ampliação da vacinação com o início da aplicação da segunda dose para crianças de 5 a 11 anos e a inclusão de adolescentes imunossuprimidos de 12 a 17 anos para o recebimento da dose de reforço. A SMS também mantém a repescagem contínua para a população infantil nas dez Unidades de Saúde com espaço exclusivo para esse atendimento.

Os pontos de vacinação funcionam das 8h às 17h e podem ser conferidos no site Imuniza Já Curitiba.

TERÇA-FEIRA (22/2)

Primeira dose

  • Repescagem de crianças de 5 a 11 anos com e sem comorbidades; 
  • Repescagem de pessoas com 12 anos completos ou mais.

Segunda dose

  • Crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a 1ª dose de Coronavac até 25/1;
  • Pessoas com 12 anos ou mais que receberam: 
    • Pfizer: vacinados com primeira dose até 1.º/2;
    • Coronavac: vacinados com primeira dose até 25/1;
    • Repescagem de Astrazeneca: vacinados com a 1.ª dose até 23/1;
    • Dose de reforço da dose única da Janssen para pessoas com 18 anos ou mais vacinadas até 28/12.

Dose de reforço (3.ª dose)

  • Todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 16/10 e repescagem;
  • Repescagem adolescentes imunossuprimidos (12 a 17 anos) vacinados com a segunda dose até 27/12.

Quarta dose (2.ª dose de reforço)

  • Imunossuprimidos com 18 anos ou mais vacinados com o reforço até 25/10.

QUARTA-FEIRA (23/2)

Primeira dose

  • Repescagem de crianças de 5 a 11 anos com e sem comorbidades;
  • Repescagem de pessoas com 12 anos completos ou mais.

Segunda dose

  • Crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a 1ª dose de Coronavac até 26/1;
  • Pessoas com 12 anos ou mais que receberam: 
    • Pfizer: vacinados com primeira dose até 2/2;
    • Coronavac: vacinados com primeira dose até 26/1;
    • Repescagem de Astrazeneca: vacinados com a 1ª dose até 24/1;
    • Dose de reforço da dose única da Janssen para pessoas com 18 anos ou mais vacinadas até 29/12

Dose de reforço

  • Todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 18/10 e repescagem;
  • Repescagem adolescentes imunossuprimidos (12 a 17 anos) vacinados com a segunda dose até 27/12.

Quarta dose (2.ª dose de reforço)

  • Imunossuprimidos com 18 anos ou mais vacinados com o reforço até 26/10.

QUINTA-FEIRA (24/2)

Primeira dose

  • Repescagem de crianças de 5 a 11 anos com e sem comorbidades; 
  • Repescagem de pessoas com 12 anos completos ou mais.

Segunda dose

  • Crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a 1ª dose de Coronavac até 27/1;
  • Pessoas com 12 anos ou mais que receberam: 
    • Pfizer e Coronavac: vacinados com primeira dose até 3/2;
    • Coronavac: vacinados com primeira dose até 27/1;
    • Repescagem de Astrazeneca: vacinados com a 1ª dose até 25/1;
    • Dose de reforço da dose única da Janssen para pessoas com 18 anos ou mais vacinadas até 30/12.

Dose de reforço

  • Todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 23/10 e repescagem;
  • Repescagem adolescentes imunossuprimidos (12 a 17 anos) vacinados com a segunda dose até 27/12.

Quarta dose (2.ª dose de reforço)

  • Imunossuprimidos com 18 anos ou mais vacinados com o reforço até 27/10.

SEXTA-FEIRA (25/2)

Primeira dose

  • Repescagem de crianças de 5 a 11 anos com e sem comorbidades; 
  • Repescagem de pessoas com 12 anos completos ou mais.

Segunda dose

  • Crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a 1ª dose de Coronavac até 28/1;
  • Pessoas com 12 anos ou mais que receberam:
    • Pfizer: vacinados com primeira dose até 4/2;
    • Coronavac: vacinados com primeira dose até 28/1;
    • Repescagem de Astrazeneca: vacinados com a 1ª dose até 26/1;
    • Dose de reforço da dose única da Janssen para pessoas com 18 anos ou mais vacinadas até 31/12.

Dose de reforço (3.ª dose)

  • Todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 28/10 e repescagem;
  • Repescagem adolescentes imunossuprimidos (12 a 17 anos) vacinados com a segunda dose até 27/12.

Quarta dose (2.ª dose de reforço)

  • Imunossuprimidos com 18 anos ou mais vacinados com o reforço até 28/10.
O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds