4 abr 2022 - 21h56

Copel alega que aguarda regulação da Aneel para ressarcir consumidores

A empresa afirma que já retirou as cobranças de Cofins/PIS da tarifa dos consumidores, mas ainda não deu prazos para que seja feita a devolução

A divulgação do resultado de uma consulta pública da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) seria o que falta para o consumidor paranaense saber se vai ou não ser ressarcido de tributos federais (PIS e Cofins) que eram cobrados pela Copel, por conta da inclusão do ICMS no preço da energia. Em outras palavras: cobrança sobre cobrança.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o ICMS não poderia compor a base de cálculo das contribuições da União, que, por sua vez, recorreu da decisão. Em 2020, enfim, a Copel venceu uma ação judicial que impetrou no longínquo 2009 para deixar de apurar esses tributos de maneira indevida no talão de luz.

Em 2020 ainda, a empresa informou que teve uma “postura proativa” e que os clientes teriam uma redução nos valores das contas conforme a classe de consumo.

No ano passado, a Aneel abriu a consulta para decidir como seriam feitas as devoluções do que foi pago pelos contribuintes antes da decisão. A agência anunciou que seriam cerca de R$ 50,1 bilhões de créditos tributários para os consumidores, referentes a decisões da Justiça sobre a retirada do ICMS da base de cálculo nas contas de luz em todo Brasil.

Na proposta, a diretoria da Aneel previa a devolução dos valores por meio de abatimento nos próximos reajustes tarifários no quinquênio anterior.

Depois da notícia, muitos consumidores – principalmente empresas – quiseram saber como reaver o dinheiro. A advogada Leilaine Silva, especialista em direito tributário e colunista do Plural, que representa algumas pessoas jurídicas nesse tema, afirma que a Copel pediu para que fosse aberto um chamado, o protocolo, para prosseguir o atendimento, mas isso não aconteceu na esfera administrativa. Agora o caso foi parar no Judiciário. “Quando foi publicada esta decisão houve uma chuva de questionamentos das empresas, mas a dificuldade é fazer a conta destes valores”, explica.

Para entender: as tarifas eram formadas pelos custos de geração, transmissão e distribuição (o valor real do custo de fornecimento de energia, mais lucro das empresas), além de PIS/Cofins, ICMS e subsídios diversos.

De acordo com a advogada, “o trânsito em julgado da ação judicial da Copel permitiu à companhia o reconhecimento de um resultado no montante inicial de R$ 810 milhões, somente em relação ao crédito da Cofins, valor esse ajustado no terceiro trimestre de 2021 para cerca de R$ 940 milhões”.

No entanto até agora nenhum consumidor recebeu o reembolso. De acordo com a Copel, isso acontece porque a empresa aguarda a regulação da Aneel para decidir como essa devolução será feita.

Em nota, a empresa afirmou que “desde o fim da incidência de PIS/Cofins sobre o ICMS, decretada pelo poder Judiciário, a Copel excluiu a cobrança da tarifa. Assim, a partir agosto de 2020, os clientes da Copel tiveram redução média de 3,8% na tarifa de energia, com variação de 3,5% a 4,1% conforme a classe de consumo. A Copel segue aguardando a decisão da Aneel [para a devolução]”.

A Copel tem 4,9 milhões de consumidores, de acordo com o governo do Estado, e alguns deles já procuraram o Procon para pedir orientações sobre o ressarcimento. É possível que a empresa seja notificada pelo órgão nos próximos dias.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

7 comentários sobre “Copel alega que aguarda regulação da Aneel para ressarcir consumidores

  1. Eu pago energia em 3 lugares a muitos anos e gostaria de estar informada sobre o ressarcimento agora estou idosa e precisando é continuo pagando energia em 3 lugares casa do meu filho deficiente sitio onde moro e a casa que tenho em londrina quando tenho que ir no medico gostaria de mais informações como vai ser .grato

  2. Interessante, a Copel fala que não sabe como calcular os valores mas aplica um “desconto de 3,5” na tarifa achando que isso significa quanto? Uma micharia no montante de impostos cobrado a longo dos anos. E agora da a desculpa de esperar a decisão da ANEEL. Muito fácil, já começa a calcular a diferença a mais que foi cobrado aos longo dos anos.

  3. A empresa fica fazendo onda para devolver o que o cidadão tem direito, Vocês da Copel deveriam ter vergonha na cara e deixar de lesar o cidadao, nunca fazem nada de bem estar para a sociedade chega de enganos, quem só enriquece são os administradores, lamentável

  4. Se fosse para aumentar ainda mais o preço da energia elétrica não precisariam de nenhuma resolução como foi feito à alguns dias com os combustíveis o roubo começa pelos que deveriam recliminalos lamentável

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds