Colégio Militar é o primeiro a retomar as aulas presenciais em Curitiba | Jornal Plural
16 set 2020 - 0h58

Colégio Militar é o primeiro a retomar as aulas presenciais em Curitiba

Alunos voltam ao colégio na próxima semana, depois de seis meses sem aulas presenciais

O Colégio Militar de Curitiba (CMC) será o primeiro a retomar as aulas regulares na cidade. A partir do dia 21 de setembro, os alunos da instituição federal, que fica no bairro Tarumã, retornam de modo escalonado às aulas presenciais. O colégio diz que nos próximos dias dará mais informações sobre o processo de retorno.

Os pais dos alunos foram informados da volta às aulas presenciais nesta terça-feira (15), por meio de um comunicado. As aulas presenciais, assim como nas demais instituições de ensino da cidade, estão interrompidas desde 23 de março, por causa da pandemia de Covid.

No dia 21 de setembro, voltam os alunos do Ensino Médio, que inicialmente terão aulas segunda, quarta e sexta. No dia 22, voltam os alunos do 8º e do 9º anos, que frequentam o colégio na terça e na quinta. Na semana seguinte (28), voltam os demais alunos, sempre seguindo um escalonamento que tenta evitar a presença de todos os alunos na sede simultaneamente.

O comando do CMC diz que abolirá temporariamente o uso das catracas e que os alunos deverão, desde a entrada, manter dois metros de distância entre si, com supervisão dos monitores. Todos passarão também por uma triagem, na qual os alunos que apresentarem febre ou outros sintomas de Covid serão barrados.

O protocolo estabelecido pelo colégio diz ainda estar terminantemente proibido qualquer contato físico entre os alunos. Todos deverão usar máscaras durante o período em que estiverem na instituição, e a sugestão é de que todos lavem seus uniformes após cada dia de aulas.

Instituição federal

Sobre a retomada das aulas presenciais, mesmo com a não autorização pelo governo do Estado, a Secretaria Estadual de Educação (Seed) informou que, por se tratar de uma instituição federal, o Colégio Militar de Curitiba não tem vinculação direta com a pasta, mas com o Ministério da Educação.

“As escolas particulares, as municipais e as estaduais estão vinculadas aos Estado, inclusive mandam a grade para ser aprovada. Ademais, o decreto que fechou as escolas o fez com base em critério sanitário. O único órgão que pode aplicar sanção, valendo-se de critérios sanitários, é a Sesa (Secretaria Estadual de Saúde).”

Questionada pelo Plural, a Sesa informou que “não há possibilidade de retorno das aulas presenciais neste momento. As conversas e debates sobre o assunto estão sendo feitas junto à Seed e o Comitê do Governo, para que quando existirem condições sanitárias e epidemiológicas o retorno seja feito”.

A Promotoria de Justiça de Proteção à Educação de Curitiba – ligada ao Ministério Público – vai instaurar notícia de fato para avaliar quais as medidas pertinentes nesse caso.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

5 comentários sobre “Colégio Militar é o primeiro a retomar as aulas presenciais em Curitiba

  1. Militares mandando lavar uniformes todos os dias devem estar ampliando a ignorância- que já é própria da farda, porque estamos com falta de água já fazem alguns meses, com racionamento bastante severo e podendo piorar.

  2. “Fica em casa”
    Fique na ignorância, seja burro que é mais fácil ser subjugado.
    Morra de fome…. Depois os Prefeitos, Governadores e STF, vão arrumar emprego pra vocês e vão dar caviar na boquinha de vocês….

  3. Esperamos que a Procuradoria e Justiça de Proteção à Educação de Curitiba, adote a medidas cabíveis para impedir essa atrocidade. É inadmissível colocar a saúde de nossas crianças e seus familiares em risco, por puro capricho do governo federal. Nada pode estar acima da saúde da população!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias