‘Clubes’ ajudam motoristas de aplicativos a se manter seguros | Jornal Plural
Clube Kotter
22 set 2019 - 21h25

‘Clubes’ ajudam motoristas de aplicativos a se manter seguros

Grupos têm comunicação e localização 24h. Associação busca benefícios e melhorias nos apps

O perigo que acompanha os motoristas de aplicativo é constante. Não se sabe ao certo quem vai entrar para a próxima corrida. Casos de assaltos, assédios e mortes são constantes, como em São Paulo, que registrou três assassinatos de motoristas em serviço só na última semana. Na tentativa de inibir novos casos no Paraná, os condutores se uniram em grupos, ligados 24h, com localizador, apoio tático de segurança e benefícios exclusivos.

Os grupos, ou clubes como alguns preferem chamar, podem ser pequenos ou muito grandes. Alguns são restritos a amigos mais próximos e familiares, como o SOS Alfa, ou o Vegas, que contam com uma média de 50 participantes. Já o Driver Elite Club (DEC) e o Curitiba Online Drivers vão de mil a quatro mil membros.

“Temos canais de comunicação via rádio e vários convênios, com produtos e serviços que os motoristas necessitam, com descontos exclusivos para membros. Hoje o DEC é quase uma associação e um clube de benefícios e segurança”, conta o vice-presidente do grupo, Flávius Maximus.

Com atuação no Paraná e Santa Catarina, ele coloca seus membros em comunicação o tempo todo, com a localização exata de cada carro. Para casos de emergência, há veículos de apoio nas ruas. “São hoje 40 operacionais que dão respaldo aos motoristas, porém não fazemos abordagens, pois  isso implicaria na segurança da vítima. Em confirmação de ocorrência, acionamos os serviços de segurança pública, que são nossos parceiros”, explica Maximus.

Só em Curitiba, são cerca de 40 grupos; seus representantes se reúnem em assembleias mensais e já formaram até uma associação, a União dos Motoristas de Aplicativos (UNMA). “As lideranças se encontram e debatemos para organizar e alinhar ações efetivas”, ressalta o motorista, também presidente da associação.

A comunicação entre os motoristas ocorre durante todas as corridas. “Em situações de risco, podemos pedir ajuda. Isso traz uma segurança a mais para os motoristas, pois os apps não oferecem o devido suporte”, acredita Ana Paula Alves, há dois anos nesta profissão.

Sua colega, Márcia Dalla Stella, reforça que se sente muito mais segura participando dos grupos. “Se entra um passageiro suspeito, automaticamente já avisamos todos; tanto a corrida quanto o destino são acompanhados pelo grupo, o que traz maior tranquilidade, especialmente a nós mulheres”, diz ela, também há dois anos como motorista.

Para seu filho, Geovani Dalla Stella, há três anos no ramo, o risco é permanente. “Risco corremos sempre. Estamos diariamente em locais perigosos, então, lutamos por mais segurança, como, por exemplo, um cadastro mais rígido do passageiro, por parte da empresa de aplicativo. Precisava um reconhecimento maior, por face ou digital, pois o cadastro não é abrangente”, percebe. “Você dispensa uma corrida por suspeita e eles mandam pra outro motorista, do que adianta.”

Aplicativos

Procuradas pelo Plural, das três empresas que operam aplicativos de transporte em Curitiba, apenas a Uber não se manifestou com relação aos procedimentos de segurança adotados.

A 99 informou que envia notificações aos motoristas sobre viagens que passam por zonas perigosas. O levantamento é feito utilizando estatísticas internas do aplicativo e dados externos das Secretarias de Segurança Pública. “É importante ressaltar que estas zonas de risco são dinâmicas e não fixas”, diz a nota. O aplicativo também desenvolve tecnologias com foco em prevenção. “Entre as medidas estão o botão de segurança para motoristas, com o qual eles podem compartilhar a rota com contatos de confiança, e a opção de aceitar ou não corridas com pagamento em dinheiro. Além disso, também pedimos que todos os passageiros coloquem CPF ou cartão de crédito antes da primeira corrida.”

A Cabify ressaltou que consegue acompanhar todas as etapas da corrida, incluindo o pedido, aceite do motorista, finalização do trajeto e pagamento, até mesmo por GPS. Com essas informações, a equipe pode oferecer suporte em situações de incidente. Há uma Central de Atendimento 24 horas para dúvidas, orientações e solicitações dos motoristas. A plataforma também disponibiliza um Seguro de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP), em casos de morte ou invalidez. “Outro recurso disponível é o mapeamento de áreas de risco. Desta forma, algumas são excluídas por medida de segurança, permitindo ao motorista, que atua de forma autônoma, ter um controle melhor de suas faixas e regiões para dirigir. Ainda visando a proteção deles, a Cabify possui uma função que desabilita a opção de pagamento em dinheiro, em determinados horários e locais.”

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias