Ayahuasca: a cura sagrada | Jornal Plural
23 jan 2021 - 16h02

Ayahuasca: a cura sagrada

Adeptos relatam utilização da bebida no auxílio de tratamentos contra depressão e drogadição

Esta publicação faz parte do Festival de Jornalismo Literário, organizado em parceria pelo Plural e faculdades de jornalismo de Curitiba e Ponta Grossa

Percepções moldam a realidade. Nossa mente define o quanto  conseguimos experimentar, entender e imaginar. Daí a impossibilidade de estabelecer um sentido absoluto para o vasto  universo que nos cerca. A subjetividade faz parte da natureza humana. Aquilo que é apresentado diante dos nossos olhos  pode ser interpretado de infinitas formas. Depende do cérebro  que processa a informação. 

O poeta português José Luís Peixoto escreveu que o poema não tem mais que o som do seu sentido. De que importa a  forma? A palavra poema não começa com a letra P. Justamente  porque não é uma palavra. O poema é qualquer coisa que nos  faça sentir. As lembranças de uma manhã distante de domingo,  um beijo, uma angústia, uma incerteza. Sem um sentido, não  há ânimo para levantar da cama. Sem ele, nada muda. 

Talvez seja este o maior fardo da depressão: a incapacidade  de atribuir sentidos. De ler o poema que é a vida. O resultado  é o caminhar certeiro rumo à escuridão. Há quem se encha de  forças só de ver as cores de uma flor qualquer no jardim. Também há quem sequer abra a janela. A diferença é perceptiva.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde  (OMS), a depressão acomete, hoje, aproximadamente 322 milhões de pessoas em todo o mundo – com crescimento de 18,4% só nos últimos 10 anos. No Brasil, 12 milhões sofrem com  a doença. O número corresponde a assombrosos 5,8% da população e ultrapassa a taxa global em 1,4%, o que é bem significativo. Estamos no país mais depressivo da América Latina.

Por muito tempo, Andre Caldart Cezar, 24 anos, fez parte  destas estatísticas. Passou pelo momento mais complicado da  vida aos 20. Além de cultivar uma depressão desde cedo, acabou se envolvendo com todo tipo de drogas a partir da adolescência – fator que potencializou a situação e, alguns anos mais  tarde, o deixou quase que sem saída. Como em tantos outros  casos, a âncora foi a cocaína. 

Andre nasceu na cidade de Anápolis, interior de Goiás, e  ainda criança se mudou para Curitiba com a família. O ambiente de casa sempre foi de abertura espiritual. O pai, Herminio, é  psicólogo. Deu total liberdade ao casal de filhos para que construíssem um modo de pensar baseado nas experiências de cada  um. Nunca manifestou uma religião que precisasse imperar no  meio familiar como uma herança inescapável. Myrtha, a mãe,  também compartilha da filosofia. É espírita kardecista, mas  não obrigou ou incentivou os filhos a professarem a mesma  fé. O pensamento dos pais foi refletido na educação formal das  crianças, que concluíram o Ensino Fundamental e Médio em  colégios não religiosos – fossem eles públicos ou particulares. 

“Tive uma abertura para decidir os meus papéis e esclher os meus caminhos”, conta Andre, relembrando aspectos  de uma infância que também teve o seu lado negativo. Olhando  para trás, ele tenta buscar elementos que pudessem explicar o  desenvolvimento de uma depressão que, enrustida, o acompanhou desde os primeiros estágios de formação individual.  Recobra pelo menos dois: a questão da sua bissexualidade,  mesmo que bem aceita pela família, e o convívio com a dislexia  e com o déficit de atenção. Por conta disso, teve grande dificuldade de aprendizado no período escolar. São componentes  importantes, mas provavelmente insuficientes para explicar,  sozinhos, a origem da doença. Os demais fatores podem ser  tantos que o próprio Andre, anos depois, diz não ter condições  de saber a medida certa de todos eles. 

Se faltava concentração para os assuntos da escola, sobrava  interesse pelo que aprendia fora dela. O modo como foi criado  abriu caminho para o contato com outras culturas e crenças.  Aproveitou a autonomia da melhor maneira que pôde. No ápice  da adolescência, se aproximou de grupos ligados ao movimento rastafári, do reggae, e conheceu de perto a espiritualidade de grupos da cultura andina. Participava regularmente das  rodas de rezo e começou a meditar. Foi quando descobriu o  poder do autoconhecimento. “Era a época dos meus 15 anos”, recorda. “Eu era uma pessoa bem ingênua ainda.”

Outra importante influência durante o período foi a irmã,  Fernanda. Ela, que é quase 10 anos mais velha, conheceu o  xamanismo enquanto frequentava comunidades indígenas para  fazer serviços sociais e atividades de permacultura. Cada vez  mais envolvida, levou, aos poucos, o conhecimento nativo para  dentro de casa. Mais adiante, por meio de um professor de yoga,  soube da existência da ayahuasca. A primeira cerimônia com  a medicina foi no Instituto Ayahuasca, um grupo gnóstico que  estuda e investiga a espiritualidade das mais diversas culturas mundo afora – como a indiana, a egípcia, a oriental e a xamânica. Desconhecia os possíveis efeitos da bebida e não tinha certeza alguma do que aconteceria naquela noite.

Mesmo assim, teve  uma experiência maravilhosa. “Tudo que eu aprendi fez muito  sentido naquele dia”, diz. A impressão foi da mais pura por alguns motivos: sentia-se preparada, tinha um objetivo bastante  concreto – de explorar o seu interior e se abrir a novas possibilidades –, e contava com uma espiritualidade já bem madura. 

Encantada, frequentou o Instituto pelos dois anos seguintes. O processo de transformação pessoal foi tão marcante que  não conseguiu esconder as atividades dos pais. No início, tinha  medo de que tomassem a medicina por uma droga qualquer.  Conseguiu a aprovação depois de insistentemente explicar os  benefícios por um lado mais racional e científico. A mudança  em si era prova irrefutável – e a família toda, com o tempo, não  pôde deixar de perceber. “Eu voltava de lá emocionada, com  amor irradiando de mim”, garante. “Sabiam que eu estava fazendo algo bom. Fui me tornando uma pessoa cada vez melhor  no relacionamento com eles e com outras pessoas.”

Já com certa dimensão do assunto, Andre não demorou a  seguir pelas mesmas veredas. Aos 16, acompanhado da irmã,  participou do seu primeiro ritual. Fernanda sugeriu outro espaço holístico que havia conhecido: o Instituto Luz da  Consciência, localizado na Região Metropolitana de Curitiba e  voltado para atividades terapêuticas e de autoconhecimento.  O grupo encara o estágio preparatório para a ayahuasca com  muita responsabilidade. Andre precisou de duas semanas de  aula para ter acesso à cerimônia, especialmente por ser jovem e iniciante. Tudo para que pudesse compreender o contexto e  a importância sagrada do que estava prestes a fazer.

Dos trabalhos com a medicina, lembra-se de poucos de talhes. Considera que a vivência, normalmente associada à  figura fundamental do rito de passagem, causou um impacto bastante modesto. Teve a sua relevância, mas passou longe  de significar uma alteração drástica no modo de viver ou de  pensar. Coube a ela o papel de introdução a uma nova base  de conhecimentos. “Eu não estava tão pronto para aquilo. Não  estava procurando mudança”, esclarece. Ainda assim, teve al gumas mirações. Leves, mas suficientes para mostrá-lo que o  nosso corpo é muito mais forte do que parece.

Nunca imaginou  que pudesse se concentrar e ficar em silêncio durante horas  com tanta facilidade. No êxtase, não havia déficit de atenção.  Apenas a calmaria intocada pelos problemas de fora.  O processo na chácara do Instituto não foi a primeira experiência de Andre com psicoativos. Tampouco a última. Fumava maconha desde os 15. Aos 17, cerca de um ano depois de experimentar ayahuasca, começou a se envolver com outras substâncias que  também provocam estados elevados de alteração da consciência  – caso do LSD e do ecstasy. Consumir drogas virou sinônimo das  baladas e festivais de música eletrônica que frequentou regularmente até os 19. Tinha a companhia de um grupo de amigos e a  necessidade, talvez irrefletida, de continuar explorando o corpo e  a mente a fim de escapar da impiedosa realidade. 

Naturalmente teve as primeiras ligações com a cocaína, o  que ainda estava longe de representar um verdadeiro tormento. Pode-se dizer que estava viciado na experiência psicodélica, não exatamente nas drogas. Tirar a cabeça do lugar comum  parecia uma maneira de expandir os horizontes e se conhecer  cada vez mais e melhor. Tudo isso tinha um quê de espiritualidade, mesmo que nada sagrada. Um recurso que deslocava  a importância do aspecto material e apontava a lanterna para  campos pouco explorados da imaginação. 

O envolvimento com psicoativos nunca passou totalmente  despercebido pelos pais, que aos poucos descobriram sobre a  maconha e os sintéticos. O autocontrole que o filho sempre  demonstrava, entretanto, não permitia que tivessem uma noção precisa das proporções que todo aquele estilo de vida poderia tomar. Havia outros componentes em jogo que o próprio  Andre pouco considerava. “Eu passava uma sensação de calma  e de que eu sabia muito bem o que estava fazendo”, conta. “Às  vezes era para esconder, porque depressão a gente só mostra  quando quer pedir ajuda.”

Adquiriu a impulsiva habilidade de  ser um ótimo ator dele mesmo – de modo que, para os outros, distinguir essência e máscara era tarefa impraticável. Há uma linha entre o prazer e o suplício que a instabilidade  mental torna bastante sutil. Céu e inferno, sonho e pesadelo,  separados por um pequeno passo. É complicado mensurar o  estrago que o desequilíbrio emocional pode causar durante e  depois de uma experiência psicodélica aleatória. É o elemento  que torna os limites quase invisíveis, e que, aliado à rotina de  depressão e drogas, tornou a vida de Andre uma sucessão de  aflições e torturas. 

Não podia imaginar, inclusive, que o declínio começaria  justamente onde menos se espera: no amor, ou pelo menos naquilo que um dia se pareceu com o amor. Dos 18 para os 19  anos, se apaixonou por um rapaz e iniciou o relacionamento  mais longo que já teve. Só tinha experimentado algo de semelhante intensidade com uma menina, anos antes – uma relação  que lhe rendeu bons aprendizados e que guarda até hoje com  enorme carinho. O namoro mais recente, pelo contrário, figura no espectro das coisas que desejamos esquecer para sempre  e que as particularidades da memória fazem questão de nunca  permitir. 

Três anos depois, com a clareza que apenas o distanciamento havia de trazer, reconhece que foi vítima de um relacionamento abusivo. “A gente brigava muito. Tudo o que eu não  gostava em mim eu achei nele”, recorda. As manipulações e  a agressividade do companheiro logo se transformaram num  martírio sem fim. Por cerca de dois anos, Andre passou por  incontáveis situações de humilhação. Sofreu abusos sexuais e  teve a própria casa invadida duas vezes. Pertences como roupas, celular e notebook foram escondidos ou quebrados como  parte de discussões ou chantagens emocionais que pareciam  incontornáveis. 

As drogas passaram a tomar conta da vida dos dois. Os dias  de festas e baladas raramente terminavam sem brigas pesadas.  Agressões físicas e psicológicas, de ambos os lados, aconteciam  quase todas as noites. Um círculo vicioso que lhe minou toda a  estrutura sentimental. Depois de muito refletir, continua sem  entender direito como não pôde terminar aquilo mais cedo. A  única explicação plausível que encontrou foi a de estar procurando se autodestruir, mesmo que de forma inconsciente. 

Provavelmente uma injustiça. Além de enfrentar um relacionamento abusivo – e os seus artifícios de difícil identificação  –, precisava lidar com a depressão que, àquela altura, tinha tomado a forma de um autêntico colosso. 

O pior é que só se deu conta disso quando finalmente juntou a coragem necessária e terminou com o namorado. O que  deveria dar paz trouxe o vazio absoluto. Percebeu que havia  perdido a rotina dos últimos dois anos e não tinha ao alcance  das ideias uma única perspectiva de futuro. Passou a conviver  com a inquietante sensação de estar à deriva no oceano da solidão – um exílio, sobretudo, interior. Perdeu o resto de controle  que tinha sobre a cocaína e buscou refúgio na companhia dos  amigos, também usuários. O cenário de melancolia se agravou,  mas ao menos tinha com quem compartilhar o desalento e os  recorrentes instantes longe da sobriedade. “Foram eles que me  mantiveram vivo, por mais que como um zumbi”, revela, no jeito delicado e afável que as tempestades do passado não foram  capazes de mudar. 

Sem estudar ou trabalhar formalmente desde o Ensino  Médio, tirava dinheiro apenas com negócios avulsos que fazia como tatuador. Desenhar e pintar eram a maior paixão, e  nunca teve vontade de se aprofundar em outro ramo. Jamais  considerou uma faculdade ou teve como objetivos de vida o diploma e o status social que a maioria dos pais deseja para os  filhos. Não foi pressionado, é verdade, a correr atrás do que  possivelmente o faria mais infeliz do que realizado. Fato é que,  deixando de lado quaisquer conjecturas, encontrava-se agora  no centro da areia movediça – sem ambições e cego pela nebulosidade dos pensamentos. Chegava a passar dias fora de casa,  sem dar satisfações ou o mínimo sinal de preocupação com a  própria saúde. 

“Chegou num ponto em que eu já tinha abandonado o meu  corpo”, ressalta. Sequer tinha condições de raciocinar sobre o  real impacto da cocaína. Diz que era mais simples adequá-la à  sua situação de vulnerabilidade e ignorar os malefícios. “Você  para de achar que aquilo é errado. Não queria pesar minha  consciência no que eu estava fazendo.” A conta por tanta apatia  não tardou a chegar. Tentou suicídio algumas vezes por diversas formas: cortes, remédios e até overdoses forçadas. Por sorte ou graças à última gota de juízo que tinha na cabeça, falhou. Sabe-se lá como, conseguiu esconder todas as tentativas –  com apenas uma exceção. Numa noite quase trágica, foi interrompido pelo pai, que, desconfiado, arrombou a porta do banheiro e o impediu de se cortar. O episódio foi decisivo para o  ultimato vindo da família. Precisou escolher entre a clínica de  reabilitação e a rua. Alternativas cruéis, sim, mas consequentes  da falta de opções e de esperança que consumia ambos os pais.

Myrtha de Cássia Caldart, 54 anos, é uma mulher de tenacidade ímpar. Parece não ter se desgastado nada com a luta diária de pelo menos quatro anos tentando compreender e ajudar  o filho mais novo. Além de ser gastrônoma de formação, atua  também como médium. Talvez venha daí tamanha serenidade.  “Ele estava tão misturado com as sombras, tão transformado  pelos medos e pela ansiedade, que já não era mais o Andre”,  assegura, resgatando lembranças da época em que conviveu de  perto com a possibilidade de perdê-lo. O sofrimento que a circunstância impunha obrigou Myrtha a  recorrer mais vezes à ayahuasca. Confrontava-se ocasionalmente  com os encantos da medicina desde que testemunhou a evolução  espiritual de Fernanda, tempos antes. Carecia da cura e do equilíbrio que só dela poderia vir. Precisava garantir que estaria mentalmente bem para auxiliar nos processos obscuros do filho. Em  segundo plano, tinha que estar preparada para continuar caso ele  optasse pelo pior. Foi uma espécie de alívio quando Andre escolheu o duro caminho das privações e do tratamento.

Os primeiros indícios de mudança já eram motivos óbvios de felicidade. Ter tomado a decisão não significa exatamente que tinha  vontade de se internar. “Eu não queria ir”, conta. “Queria parar  de usar cocaína, que foi o que me levou para o fundo do poço,  mas não a maconha e o cigarro. Não queria parar com mais  nada.” O que não sabia é que o quadro de depressão e dependência química compreende uma série de elementos cotidianos que naturalizava desde os 15 anos e não tinha a  intenção de abandonar. Além da impossibilidade de consumir  qualquer droga, experimentou a abstinência da presença dos  amigos e da desorganização à qual estava habituado. Para passar o tempo, desenhava. Era o que fazia quando  não estava dopado pelos remédios – durante um mês, tomou  de três a quatro injeções por dia. Só assim conseguia dormir.  O choque foi imediato e deixou lições. “A clínica me mostrou  que eu estava num ciclo destrutivo”, relata. “É muito difícil sair,  mas dá. Eu tinha me levado até lá.” Por mais árduo que fosse,  constatou em definitivo que a solução andava de mãos dadas  com o enfrentamento. 

Quando voltou para casa, ainda desnorteado, resolveu dar  continuidade ao procedimento de recuperação. O local escolhido foi a Comunidade Terapêutica Missão Shalon, no município de Piraquara. Era a alternativa de melhor custo-benefício. Myrtha admite que gostaria de ter confiado o filho aos  cuidados do xamanismo, mas havia o impedimento financeiro  de custear a longa estadia em aldeias indígenas fora do Estado. As investidas pontuais com as medicinas da floresta não  tinham, até então, atingido o resultado esperado. Por iniciativa  da mãe, participaram juntos de algumas cerimônias no Instituto Ayahuasca. Experiências e reflexões momentâneas que  eventualmente desapareciam nas brumas do amanhã, incapazes de superar os efeitos do vício e do abatimento. 

Na nova “prisão”, Andre teve que assimilar a rotina regrada  na marra. Acordava às 7h todas as manhãs para ler a bíblia –  um baita castigo até para os cristãos mais devotos. Ao longo do  dia, era obrigado a assistir aulas e frequentar palestras. Conversava com psicólogos à noite. “Era muito chato. Foi horrível”,  diz, sem desconsiderar os aspectos importantes. Aprendeu  que disciplina é primordial para não perder o foco no dia a  dia. Faz um justo paralelo com a meditação: “Você senta e se  enfrenta, porque a tua mente não vai calar”. Restava, portanto,  tomar as rédeas do próprio corpo ao invés de ser manipulado  por ele. Naquele estágio de transição, o maior dos desafios. 

Manter-se distante da cocaína foi uma provação. Além do  pai, que é psicoterapeuta, teve acompanhamento de outros  profissionais da psiquiatria e da psicologia. Tomava remédios  controlados desde a primeira internação, e pensava estar condenado a eles para o resto da vida. Mas a depressão ainda era  um problema a ser resolvido, e sustentar os hábitos recém-adquiridos era algo próximo do impossível. Voltou a sair com  o mesmo grupo de amigos e cedeu à maconha e ao cigarro.  Sentia que a crescente frustração podia levá-lo a qualquer momento de volta para o inevitável torpor. 

Continuou, inclusive, realizando trabalhos com o xamanismo. Estava imerso na cultura nativa desde o início da juventude e tinha influências indiscutíveis na família. Não custava  seguir tentando. Até foi ao Daime duas vezes. Queria desintoxicar o corpo, mas acabou não conseguindo devido a questões  de acomodação e contexto. A religiosidade e as normas inflexíveis não eram para ele, e não pôde se entregar da maneira  como deveria ou gostaria.  

O ponto de virada foi quando conheceu, por meio da mãe,  um terapeuta xamânico que fazia orientações coletivas e individuais com ayahuasca. Carlos Caruso, 37 anos, tinha passado  por um processo muito parecido com o dele. Esteve envolvido  com drogas pesadas e também vivia da arte – tocava bateria  numa banda de rock. Transformou-se por completo quando  encontrou a medicina. 

Medicina sagrada

Carlos espalha energia por onde passa. Costuma vestir roupas muito coloridas e nunca deixa de carregar faixas e  braceletes com a arte kene dos Huni Kuin. Nasceu na cidade  litorânea de Rio Grande, a mais de 300 quilômetros de Porto  Alegre. Ficou por lá até os 15 anos, período em já que se interessava por Beatles, Rolling Stones, Elvis Presley, Chuck Berry,  entre outros. “O bichinho do rock me picou”, brinca. Montou uma banda com o primo, Giovanni Caruso, e continuaram tocando juntos depois da mudança para Curitiba. Foram para  São Paulo depois de dez anos. Toda a época da banda foi marcada por sexo, drogas, rock n’roll e nenhum controle. Além  da bebida, conheceu uma série de outros psicoativos: cocaína,  anfetamina, LSD, ecstasy. 

Só quando o grupo já estava no último respiro, em meados  de 2007, é que começou a mudar de hábitos. Tinha percebido por conta própria que precisava abandonar as drogas, e já  havia iniciado sozinho uma tentativa de abstinência. Foi ali o  primeiro contato com a ayahuasca – por meio do Santo Daime.  “Queria descobrir quem eu era. Eu criei um personagem por  causa da banda, dos meus ídolos, e tinha perdido a identidade”,  revela. “Despertei minha consciência e tive uma morte. Morri  para o meu passado e renasci para o meu futuro.” A partir dali,  sentiu uma fortíssima conexão com a doutrina daimista. Além  de participar dos rituais, passou pelo processo de fardamento  e hoje é membro efetivo da instituição. Trabalha nos preparativos e auxilia durante as cerimônias portando a farda branca e  a estrela de seis pontas. Voltou a residir em Curitiba depois de  um tempo, mas continuou participando da organização. 

Carlos teve um contato profundo com questões espirituais  desde a infância. Cresceu rodeado por três religiões: catolicismo, kardecismo e umbanda. Como não podia ser diferente,  desenvolveu uma perspectiva de vida sincrética e multilateral.  Também gostava muito de estudar outras culturas e outros  povos. Passou a pesquisar sobre os indígenas da América do  Norte e, depois, sobre os brasileiros. Apaixonou-se. Visitou a Amazônia algumas vezes e estabeleceu uma relação de apoio  e amizade com os povos nativos de lá. Está há cinco anos trabalhando com representantes Huni Kuin e organizando, com eles, rituais e festivais de cultura indígena pelo Brasil.

A ayahuasca tem, para ele, uma função de guia. “Ela me  mostrou o lugar em que eu estava, como eu era, e apontou o  caminho para eu me curar”, explica. O chamado para trabalhar com terapia foi poderoso. Percebeu que a missão dele era  justamente esta: levar para os outros a possibilidade de ter as  experiências que ele teve. Hoje, trabalha com uma série de técnicas alternativas e da medicina oriental: massagem, naturopatia, fitoterapia, reiki, acupuntura e auriculoterapia. Começou a orientar pessoas que buscam tratamentos medicinais.

Andre, claro, é um dos “pacientes”. No início, realizavam  trabalhos com meditação, defumação, yoga, rapé e sananga  – as duas medicinas ajudam a controlar o instinto e manter  a concentração. Depois, também na Casa Raiz, onde Carlos  faz os atendimentos xamânicos, Andre começou a participar  de cerimônias coletivas com ayahuasca. Teve experiências  similares a de outros lugares, com a diferença de sentir uma  proximidade muito maior com o contexto original indígena.  As músicas de rezo faziam com que se colocasse em harmonia  com o universo, e teve mirações relacionadas à natureza e aos  espíritos da floresta.  

Sentia-se absolutamente livre. Depois de mais três rituais  em grupo, fez a primeira orientação individual com ayahuasca.  Uma revolução. Perde as palavras quando tenta explicar a propriedade mágica das coisas que, aos montes, lhe cruzavam o entendimento. Na pequena salinha, ao simples som de um  violão, sofreu o estalo de ruptura pelo qual desesperadamente  havia esperado. “Não tem explicação. Quanto mais você permite, mais ela entra”, afirma. “Vinha forte. Parecia uma índia  descendo em mim, como se eu fosse ela e ela fosse eu. Uma coisa só.” Nenhuma vivência foi mais impactante e especial. Visões como a que teve naquela noite demonstram que a  nossa realidade está cheia dos mais extraordinários segredos.  A honestidade com que se entregou à planta só foi possível por  ter sentido uma conexão com o divino que jamais havia percebido. Tal era a força do processo catártico que, nos dias seguintes, foi acometido pela vontade de viver que há anos já não  existia. Agora, tinha certeza de que a vida que vinha levando  nada mais era que uma superfície ilusória. Uma casca. Mais  embaixo encontrava-se a seiva – e só precisava de um propósito para alcançá-la. 

“Quando ele chegou, estava iluminado”, diz Myrtha, que  também já havia passado pela experiência individual. Não se  convence até hoje de que o que vivenciou foi simbólico. Jura  de pé junto que morreu e, no outro lado, foi confrontada com a  opção de poder voltar. Uma morte para que pudesse renascer.  Por isso, nunca duvidou da capacidade de salvar o filho que enxergava na figura de Caruso. Estava certa. O acompanhamento  atencioso durante os trabalhos aumenta, e muito, as chances  de êxito. 

Depois de participar de inúmeras cerimônias diferentes em  formato, Andre acredita que a ayahuasca não é só a ayahuasca.  É o contexto e o ritual. O grau da experiência depende do ambiente e de quem está ali compartilhando os momentos com  você. Sem o devido preparo e a abertura espiritual necessária,  não há substância psicoativa que lhe entregue precisamente o  que deseja. Saber interpretar as mirações é mais essencial do  que apenas tê-las. Andre teve sucesso na oportunidade certa  porque pôde acessar e trabalhar da melhor forma um material  inconsciente que, no fundo, já tinha dentro de si. 

Existem ainda outros elementos que contribuem para que  o resultado positivo seja viável. Um deles é a questão do superego. Na teoria psicanalítica de Freud, é ele o responsável por  reprimir os nossos instintos mais primitivos – e faz isso, de  maneira geral, com base nos valores morais injetados em nós  pela família e pela sociedade. Andre manteve o superego bem  ativo, por mais que tenha desistido de enfrentar os problemas  por diversas vezes. Estava consciente da situação e sabia que  precisava mudar. Na miração, mexeu com imagens criadas pelas inúmeras conversas que teve com os pais e, principalmente, pelas reflexões diárias acumuladas por anos. A ayahuasca  foi o instrumento capaz de trazer as abstrações para a realidade concreta.  

“Ela te coloca numa tensão para mostrar o que está a ponto  de explodir em você. Depois vem o alívio”, explica Andre, que  continua participando dos rituais individuais e coletivos. Considera a ayahuasca como algo bastante sensível, mas que empurra ao máximo todos os limites. A bebida transforma conceitos e pensamentos em experiências psicológicas e até físicas.  “Mexe com todos os sentidos. Você sente e vive ela”, completa.  “É como acessar uma consciência externa que, na verdade, é sua também. Entendi que sou qualquer coisa e posso chegar  onde eu quiser. Isso para mim é fé.” Notou que é intrínseca à  medicina a faculdade de aniquilar as infinitas preocupações e  a ansiedade que o faziam de marionete até quando dormia. Um  antídoto para o peso do mundo. 

Abandonou as drogas poucos meses depois. Até largou os  remédios psiquiátricos. Não precisa mais deles porque sequer  cogita se aproximar do cotidiano de antes. O conteúdo das mirações ressignificou não só a cocaína, mas todo o modo de vida  que o deixava propenso a cair nas tentações. “Hoje em dia eu  vejo como droga e percebo o quanto ela me fez mal”, explica.  “Como eu posso dizer que ela é boa? Pode ser que seja espiritual para outra pessoa, mas para mim nunca vai ser. Não tive  cabeça para lidar com isso.” O monstro da depressão também  desapareceu – e quase que de repente. Um dia, acordou diferente. Liberto. Garante que a súbita mudança de comportamento foi percebida pela família e pelos conhecidos: “Todo  mundo fala alguma coisa, e eu acho legal. Sinal de que eu realmente mudei.”

Ninguém poderia ficar mais feliz do que Myrtha. “Ele voltou. Hoje eu sinto meu filho presente”, atesta. Depois de tudo,  aumentou ainda mais o intenso respeito que carrega pelo  xamanismo. “A medicina rompe couraças bem resistentes e vai  direto no medo e no trauma”, diz.

Fernanda, hoje instrutora  de técnicas alternativas de cura e criadora da Escola de Energia Sabedoria Transcendental, destaca ainda mais o papel da  ayahuasca na metamorfose do irmão: “Ela chega na raiz dos  vícios e nos coloca em conexão com a essência. É uma professora, uma sábia, uma mãe.” Os três volta e meia participam  juntos dos rituais. Apoiam-se mutuamente e respeitam o espaço e as crenças um do outro. Um colo e uma boa conversa  não faltam nos momentos mais delicados.  

Mas é preciso salientar a enorme importância dos tratamentos tradicionais. As internações e os medicamentos, apesar de não terem resolvido a questão, serviram como contenção. Deram um choque de realidade, mesmo que Andre tenha se tornado refém dos remédios pelos dois anos e meio que vieram a seguir. Permanecia infeliz, mas estava vivo. Casos assim  são bem comuns. Não dá para depender do medicamento regular até o fim. É como um gesso. Aí reside a disparidade para  a ayahuasca, que ataca propriamente a fonte do problema: o  psicológico. Não basta medicar o corpo se a doença é própria  da mente. 

Também não se pode dizer que o xamanismo seja um conhecimento superior e mais eficiente que os outros. Muitos  têm sucesso a partir de métodos totalmente diferentes. Inegável é que a experiência enteógena oferece uma possibilidade  de mudança drástica – para Andre e tantos mais, a única forte  o suficiente para alterar a estrutura psicológica da qual a cura  é apenas consequência.

Andre não só se afastou das drogas e da depressão. Teve  que mudar os mínimos detalhes do cotidiano para não colocar  tudo a perder, e os efeitos duradouros da medicina xamânica têm ajudado. Apesar de ainda participar dos rituais, recorre à  ayahuasca apenas quando termina um ciclo – se dispôs a cumprir algumas metas antes de voltar a tomar. O esquema funciona. Já começou a colher, hoje em dia, o que plantou durante o  último trabalho.  

Procura ocupar o tempo com o máximo possível de atividades. Está sempre cuidando das plantinhas que cultiva no  jardim, passou a fazer exercícios físicos e praticar esportes –  que havia deixado de fazer por conta do sedentarismo imposto  pelos vícios – e também voltou a tatuar. Um futuro que não podia imaginar há cinco anos. O ciclo de amigos também é outro,  embora muito menor. Ao passo que tenta encontrar pessoas  com quem possa compartilhar os novos interesses, mantém as  poucas e verdadeiras amizades da adolescência. “Todo dia é  um aprendizado. O importante é nunca achar que você sabe  tudo e ser humilde para reconhecer os erros. Essas coisas eu  aprendi com a ayahuasca”, conta. 

O comportamento contagia, inclusive, o ambiente de casa.  Conheci o Andre quando o visitei para fazer esta entrevista.  Conversamos no quarto colorido e cheio de desenhos pelas  paredes que ele transformou em íntima obra de arte. É ali onde  guarda os quadros que começou a pintar com mais frequência nos últimos anos. As referências espirituais estão por toda  parte – até na pele, que dá lugar a símbolos alegóricos como a  águia e o amuleto hamsá. A memória que tenho dele se confunde com a imagem que  conservo de Emil Sinclair, personagem histórico do imortal  Demian de Hermann Hesse que, para acompanhar as transfigurações do espírito, principiou também a pintar. Tentou reproduzir à exaustão o rosto da menina que para ele era quase  um amor platônico, mas jamais conseguiu. Do contrário, percebeu com singular temeridade que havia feito um desenho  universal em que era possível ver a si mesmo ou a qualquer outro. Uma representação do que era o seu interior, o seu destino  e o seu demônio. Como os quadros de Andre, tão abstratos e  enigmáticos quanto. Se algum dia fizer um autorretrato, haveremos de ver o jovem afetuoso e sincero que, enfim, descobriu  onde é que a vida está. 

No escuro

Óbvio que muitos, ao contrário do Andre, não conseguem se  tratar por meio da ayahuasca. Seria fantástico, senão utópico,  pensar que um gole da medicina pudesse resolver a totalidade  dos casos. Mas também não podemos deixar a complexidade  do assunto ser dominada por argumentos simplistas. Claro  está que os efeitos não são positivos para todas as pessoas,  mas, pelo menos no Jornalismo, é nosso dever buscar explicações capazes de contribuir para o desenvolvimento do tema – e  para auxiliar, inclusive, o trabalho da ciência.  

Os estudos de caso, levando em consideração os mais diversos aspectos que envolvem o consumo da bebida, parecem,  de início, um ótimo caminho. Eles mostram que experiências  ruins podem ser esclarecidas pela falta de preparação e adaptação ao contexto ayahuasqueiro, bem como pela ausência de  uma condução adequada do processo terapêutico. São fatores  que influem diretamente nos resultados. 

Uanderlei João Giongo, 52 anos, e Niceia Aparecida Caldas,  50 anos, tomaram ayahuasca apenas uma vez. Foi mais do que  o suficiente para não repetirem a dose. A única experiência  que tiveram foi há dez anos, na companhia do filho Wagner.  Estavam lá, aliás, exclusivamente por conta dele. Era viciado em crack e não conseguia largar a droga a partir de outros tipos de tratamento. Alcançou períodos consideráveis de abstinência, mas recaía de forma repetida. Internações, remédios e  terapias nunca deram certo.  

As três sessões no Santo Daime, infelizmente, também não.  Wagner foi assassinado a tiros em setembro de 2014, aos 26  anos, numa comunidade próxima à residência da família, no  bairro Pinheirinho, zona sul de Curitiba. Continuava na dependência. Confesso que senti certo nervosismo antes de conversar com os pais sobre um assunto tão delicado, mas percebi  de imediato que são verdadeiras fortalezas. É admirável a capacidade que têm de lidar com tudo o que já passaram. 

Uanderlei, conhecido por todo mundo como Silva – fruto de brincadeiras com a dificuldade de escrever o nome –, é  um vendedor de caminhões cujo bom humor é unanimidade  entre os colegas. Carrega uma autoridade congênita e, como  quem domina a arte de vender há tempos, tem enorme facilidade para se expressar. Assim como Niceia, que passou boa  parte da vida no comércio de secos e molhados. Hoje, sem trabalho, ela fica mais em casa. Foi a que mais se abateu durante o período de drogadição do Wagner, e chegou até a desenvolver depressão – embora, também com o auxílio da medicação  psiquiátrica, tenha aprendido a controlar melhor o problema.  Eles têm ainda uma filha mais nova, Vitória, hoje com 22 anos. 

São cristãos desde sempre. Foram católicos por 40 e poucos anos, e depois tornaram-se evangélicos. Uma família típica de classe média brasileira. Imagine o choque, então, quando  descobriram que o filho, aos 17 anos, estava envolvido com  drogas. Naquela época, era apenas maconha, mas foi o suficiente para que os pais ultrapassassem o estado de alerta. Silva  diz que fizeram um “revolução” no bairro, indo conversar pela  vizinhança para saber o que é que estava acontecendo. “Nunca  ficamos omissos perante a droga”, afirma Niceia.

Buscaram psicólogos e psiquiatras. Tentaram exames toxicológicos a cada 15 ou 30 dias para controlar a abstinência, mas  nada rendeu resultados favoráveis. Wagner sempre estudou  em escolas públicas da região, e ali firmou amizades que o introduziram no mundo das drogas. Os pais acreditam que mudou um pouco de comportamento enquanto serviu ao exército,  a partir dos 18, mas retomou a vida de antes logo que voltou.  Seguiram nesse impasse pelos próximos meses. 

Certo dia, quando estava com seus 21 anos, Wagner sumiu.  Pegou o carro para visitar a namorada e desapareceu por dois  dias. Avisou os pais, por telefone, que tinha sido sequestrado.  “Era uma manipulação”, lamenta Silva. O próprio filho, ao retornar, contou que estava utilizando crack. “Aquilo foi um balde de água gelada”, completa. Apavoraram-se. Sabiam que o  controle era mais difícil porque era uma droga pesada, e também estavam conscientes dos obstáculos que apareceriam no futuro – já que casos envolvendo o consumo de crack pipocam  pelos noticiários televisivos. Mas jamais deixaram de procurar  uma solução. 

Fizeram tudo o que foi possível. Wagner foi internado diversas vezes em clínicas psiquiátricas e terapêuticas. Fez até  um tratamento com ibogaína, um alcaloide utilizado principalmente no combate à dependência química – a substância,  caríssima, é importada e, na época, só estava disponível em  São Paulo. Ele ficava longe do crack por 10, 12 meses, mas sucumbia. “Quando voltava, se afundava. Descia a ladeira com  tudo”, conta Silva.  

O ambiente também nunca foi favorável à recuperação total.  Havia tráfico na esquina do prédio onde os pais moram até hoje,  uma região tranquila e perigosa ao mesmo tempo. O local ainda  é rodeado por comunidades dominadas pelo tráfico de drogas,  como é o caso da Vila Pluma, onde o corpo do rapaz foi encontrado, e da Vila Nossa Senhora da Luz, um pouco mais distante,  que até recebeu uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

 Wagner trabalhava e também estudava. Fez Administração e Marketing, ambas em universidades particulares, mas  conseguia levar uma espécie de vida paralela. Invariavelmente  era visto em meio aos traficantes das comunidades vizinhas.  Tornou-se amigo próximo de uma turma que vivia, como ele,  refém do universo das drogas. “Diziam que pagava droga para  todo mundo. Tinha um coração que não era dele”, relata Niceia.  De acordo com o pai, era um rapaz muito tranquilo; mesmo  durante aquele processo, continuou sendo respeitador. 

Nas fotografias espalhadas pelo apartamento, nota-se que  era muito alto. Tinha 1,94 de altura. Além da imposição física,  parecia tão generoso quanto o resto da família. Em uma das  fotos, aparece vestido com uma camiseta das cores do exército, as entradas já visíveis para o cabelo curto, enquanto sorri  e segura nas mãos um filhote de passarinho. Um contraponto  para o que diz o pai, hoje, sobre usar todas as armas à disposição, se preciso um batalhão inteiro, para eliminar o problema  das drogas já no começo: “Você tem que usar um canhão para  matar um passarinho”. 

A ayahuasca veio em seguida. Não teve papel de arma ou  de qualquer outra coisa. Poderia, se não fossem as intermináveis variáveis. Acabou como a experiência mais louca que Silva e Niceia tiveram até o momento – e tudo indica que continuará  sendo até o final. A bebida foi indicação de um amigo da família,  cujo irmão estava em drogadição e tinha conseguido se curar  indo ao Santo Daime. Resolveram, sem hesitar, arriscar para ver  no que dava. O desespero era tão grande que aceitariam qualquer coisa que pudesse melhorar a situação. Tinham até um relato animador de um caso semelhante ao do filho, então sequer  foi necessário repensar sobre o que estavam prestes a fazer. 

Não faziam, os dois, a menor ideia do que era ayahuasca – e  suspeito que o entendimento não tenha melhorado muito de lá  para cá. Wagner topou participar, mas também não sabia onde  estava se metendo. No dia 30 de abril de 2009, encaminharam-se para o Céu da Nova Vida, casa daimista localizada em  Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba. Iam os três e o ami go que os convidou. Era uma quinta-feira, véspera de feriado. 

Niceia até que procurou se preparar um pouco, evitando  comer gorduras e carnes. Silva, pelo contrário, mandou para  dentro um espeto corrido naquele mesmo dia. A despreocupação com o que podia acontecer no ritual era tanta que, às 5h do  dia seguinte, sairia para pescar com os amigos em outra cidade. E tinha fatalmente que ir, porque estava com o dinheiro de  todos eles para transporte e estadia. O pensamento de que não  podia se atrasar assaltou-o a noite inteira. 

Fizeram a inscrição durante a semana e, chegando lá, tiveram  uma explicação de como seria o ritual e de quais eram as normas  da instituição para poder tomar a bebida. A cerimônia começou  às 20h. O mesmo padrão do Daime: mulheres e homens separados; músicas envolvendo figuras cristãs e o padrinho conduzindo  os trabalhos. Também receberam saquinhos plásticos para caso  vomitassem. Em seguida, foram colocados em fila para tomar a  primeira dose do chá. “Era do tamanho de um copinho de café.  Um gosto bem amargo e pesado”, relembra Silva, que não quis saber de tomar metade. Niceia aceitou um pouco menos. 

A partir daí, os três passaram por um turbilhão de acontecimentos muito diferentes entre si. Quando tomou a primeira  dose, Silva não se sentiu bem: “Já não curti o assunto. De imediato. Começou a me fazer um mal tão grande que eu não via  a hora de sair lá de dentro”. Não estava preparado para aquilo.  A agonia era tão grande que queria vomitar de qualquer jeito,  mas não conseguia. Sentia-se imensamente desconfortável.  Tinham dito que a medicina expandia a consciência, mas isso  para ele nada significava de concreto. Estava ali às cegas. Tomou a segunda dose a contragosto. Mas as coisas mudaram.

“Acho que eu comecei a entrar em transe, porque comecei  a dançar. Eu olhava para o meu filho e ele dava risada de mim”,  relembra. Conserva memórias extremamente vivas daquele dia. Lembra-se, com perfeição, da hora em que cenas materializaram-se na frente dos olhos. “Eu me vi quando era criança  pequena, de 2, 3 anos”, conta. “Foi vindo um filme da minha  vida.” Transitou ainda pela adolescência e pela fase adulta, visitando divergências que teve em todo esse tempo. Num dos  episódios, evocou uma discussão banal que teve com um chefe  de trabalho há mais de 25 anos. Ali, naquele momento que parecia tão real quanto o que se passou lá atrás, pediu perdão.

Niceia, por outro lado, não sentiu nada de muito forte até  tomar a segunda dose. Pediu, desta vez, uma inteira. O baque  não tardou. A questão é que ela jamais tinha passado por uma  experiência, mínima que seja, de estados alterados de percepção. Nunca usou nenhuma droga. Não bebe, não fuma. Foi as sm toda a vida. Além disso, tinha na cabeça a ideia de que nada  poderia alterar o estado normal das coisas. Durante todo o ritual, lutou contra os efeitos práticos do chá. Não queria admitir  que podia “pirar” por conta de uma simples bebida.

Somados  os fatores, o resultado não poderia ser diferente: passou muito  mal. Teve, inclusive, alucinações insuportáveis. “Via os homens com o rosto deformado. Três olhos, duas  bocas, quatro orelhas”, relata. “Alucinei com muita resistência,  achando que ninguém ia fazer a minha cabeça.”

Vejam se é possível ter algum benefício em condições como essa. Continuou  mal, inclusive, depois da cerimônia. Levou quase três dias para  voltar à racionalidade completa, e só depois que foi ao médico – levada pelos parentes, que a repreenderam por ter feito uma  loucura daquelas. 

Silva e Niceia vomitaram muito. Saíram de lá às 2h, apenas  quando ele teve plenas condições de dirigir de volta para casa.  Quanto ao Wagner, não sabemos qual foi o efeito subjetivo da  ayahuasca durante os trabalhos, mas também passou mal. “No  último episódio que eu vi, ele estava vomitando muito. Foi a  pessoa que mais vomitou e mais fez barulho”, diz a mãe. 

Conversaram, os três juntos, sobre as experiências que tiveram. Niceia conta que o filho chegou a comparar a medicina  com o crack. O efeito era ainda mais forte. Em certa medida,  eram até parecidos. Silva chegou a levar o Wagner a mais duas cerimônias nos anos seguintes, mas nunca teve coragem para  passar por aquilo de novo. Ficou esperando no carro, do lado  de fora. Ele desconfia que o jovem tenha aproveitado aqueles  momentos para se drogar. “Ele viu que o negócio era alucinógeno, então talvez tenha usado para drogadição. Mas a inte ção não era para ser essa”, aponta. 

De fato não era. Se viu alguma coisa de importante durante a miração, Wagner não soube trabalhar. Talvez por falta de  preparo, ou até por não ter tido um acompanhamento adequado. Além do mais, saía do Daime e logo estava diante das mesmas coisas: a favela, os amigos, os traficantes, o crack. Nunca  pôde mudar o cotidiano. 

Os pais não pensam em voltar ao Daime jamais. Silva, em  especial, afirma que não precisa da ajuda da ayahuasca porque  não tem muita coisa para resolver. “Talvez ela tenha me feito  muito mal porque eu não estava precisando daquilo”, pondera. Também não está disposto a enfrentar aquela angústia mais  uma vez. Foi uma experiência marcante em vários sentidos,  menos no que era para realmente ter sido. “Poderia ter dado  certo em qualquer momento, mesmo com outros tratamentos,  mas, no caso dele, não deu. Assim como poderia ter dado certo  de ele nunca ter experimentado a droga”, afirma. 

Ambos, desde antes do falecimento do filho, participam de  um grupo de apoio chamado Amor Exigente. Sentem que precisam compartilhar a história que tiveram com outros pais que  passam pela mesma situação. Foi ali que aprenderam a necessidade de se abrir com as pessoas. Sofreram calados por dois  anos, blindando o resto da família e lidando sozinhos com o  imprevisível. Depois de anos com espada e escudo em riste,  entendem que, com apoio e orientação, qualquer tratamento  pode ser determinante para a cura. “O Wagner tinha predisposição, mas paciência. Só sabemos que, infelizmente, ele foi  embora”, diz Silva, “e está num lugar muito melhor do que nós.”

*Quarto capítulo do livro-reportagem ‘Os caminhos do cipó: perspectivas sobre o consumo contemporâneo de ayahuasca’. Acompanhe os próximos aqui no Plural.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias