2 fev 2021 - 19h52

Aulas presenciais devem ser reavaliadas, diz MPT

Órgão exige atenção aos profissionais da Educação, expostos ao coronavírus com a retomada escolar

A volta às aulas presenciais no Paraná deve ser reavaliada. Está é a orientação do Ministério Público do Trabalho ao Governo do Estado e também à Prefeitura de Curitiba. O documento foi enviado nesta terça-feira (2) e envolve as Redes Pública e Privada. Segundo o órgão, a exposição dos profissionais de Educação e dos estudantes a maior risco de contágio pela Covid-19 levará a um aumento dos casos e dos óbitos causados pela doença.

Como o texto é apenas uma recomendação, ele já prevê situações para o caso da retomada, anunciada pelo Executivo para 18 de fevereiro em todo o Estado. Neste caso, o MPT pede a organização de comitês representativos de classe, tanto patronais quanto de trabalhadores, para que se observem as regras de saúde e segurança no trabalho.

“Deverão ser programadas ações e medidas necessárias para possibilitar a negociação do transporte privado das trabalhadoras e trabalhadores ou adotada jornada em horários alternativos para reduzir a possibilidade de contágio desses profissionais (próprios, terceirizados ou autônomos) no transporte público.”

Também deverá ser estabelecido o rodízio entre os profissionais de limpeza, portaria, recepção, auxiliares de Educação e professores “que prestarão suas atividades de forma presencial, fixando-se preferencialmente um regime híbrido de prestação de serviços presencial e remoto”.

O documento reforça a necessidade de acesso à internet por todos os profissionais e também o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), higienização e desinfecção de salas, prédios e materiais.

Busca Ativa

Outro ponto destacado pelo MPT é a Busca Ativa por casos de infecção por coronavírus entre os profissionais das escolas. As instituições devem registrar e aceitar o atestado de saúde familiar, que garante isolamento estendido. Este prevê que “o atestado emitido pelo médico que determina a medida de isolamento será estendido às pessoas que residam no mesmo endereço”.

Nas 20 páginas enviadas ao Executivo Estadual e Municipal, o MPT/PR fala de gestão de riscos e saúde ocupacional, como protocolos de barreiras sanitárias e práticas de verificações diárias de saúde.

Segundo o órgão, insistir na retomada, “acarretará exposição dos profissionais da Educação a um risco biológico evitável, num momento em que a única forma efetiva de prevenção é a vacinação em massa, que infelizmente não se encontra ainda disponível para estes profissionais”.

“Ainda, a maior exposição dos profissionais da Educação e dos alunos fatalmente levará a um maior aumento dos casos e dos óbitos, com significativo impacto no sistema de saúde, público e privado.”

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br