Assaltante rende funcionários no restaurante da UFPR | Plural
Fide 2019
9 out 2019 - 18h36

Assaltante rende funcionários no restaurante da UFPR

Homem queria o dinheiro que estava no cofre. Polícia investiga o caso

Quando os funcionários terceirizados do Restaurante Universitário (RU) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) chegavam para trabalhar nesta terça-feira (8), foram surpreendidos por um homem armado, que rendeu três deles. O assaltante queria a chave do cofre, que ele não conseguiu abrir. Apesar dos danos materiais e psicológicos, não houve feridos.

A tentativa aconteceu no campus da Reitoria, no Centro de Curitiba, por volta das 5h50, início do turno, antes da abertura para o café da manhã, que ocorre às 6h45. Depois de aterrorizar os trabalhadores e danificar portas e objetos do RU, o homem arrombou o escritório onde fica o cofre. Ao perceber que não ia conseguir abri-lo, fugiu sem levar nada. A polícia investiga o caso.

A falta de segurança no campus é apontada como um agravante que pode ter motivado o crime. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação das Instituições de Ensino Superior no Paraná (Sinditest-PR), a redução de custos na UFPR – causada pelo corte de verbas do governo federal – levou à diminuição de funcionários terceirizados responsáveis pela segurança do RU e seu entorno.

A vigilância no local, segundo a entidade, era realizada 24h. Depois dos cortes, passou a ter apenas um funcionário atuando durante o dia, para atender o RU, e a Casa da Estudante Universitária de Curitiba (CEUC). Depois do assalto, o vigia passou a acompanhar também a abertura do restaurante pela manhã.

“Não há registros recentes de ações parecidas nas dependências da UFPR, indicando que a debilidade da segurança patrimonial foi percebida como uma brecha para colocar o plano do assalto em prática”, acredita a entidade.

“Os servidores precisam entender que esse tipo de situação está sendo causada por causa da política do governo Bolsonaro para as universidades federais. Se precisar, vai colocar em risco a vida de toda a comunidade universitária até cumprir seu real objetivo, que é acabar com as universidades federais”, afirma o coordenador-geral do Sinditest-PR, Daniel Mittelbach.

Cofre foi danificado mas dinheiro não foi levado. Foto: Sinditest

A UFPR confirmou o assalto e informou que a empresa Blumenauense presta serviços terceirizados para a instituição desde 2018. Ela é a responsável pelo fornecimento de refeições e é a contratante de pessoal. Em 2018, os RUs da UFPR forneceram quase três milhões de refeições, das quais 2,1 milhões foram servidas nos quatro restaurantes da capital. No Paraná, a instituição mantém dez RUs.

“Com os contingenciamentos em seu orçamento discricionário de 2019, ocorridos a partir de maio (30%) e que tiveram redução parcial em setembro (para 15%, o que deixa as despesas do último bimestre em aberto), a instituição teve de promover ajustes em contratos terceirizados. A universidade reafirma que tem se empenhado para amenizar, na medida do possível, os danos causados por esse cenário para toda a sua comunidade acadêmica, com especial atenção aos contratos de terceirização”, diz a UFPR, em nota.

Porta do escritório foi arrombada. Foto: Sinditest
Prejuízos materiais foram contabilizados. Foto: Sinditest
Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Últimas Notícias