As escolas particulares estão prontas, diz Sinepe | Jornal Plural
17 nov 2020 - 21h37

As escolas particulares estão prontas, diz Sinepe

Volta às aulas na Rede Privada de Curitiba é recebida com “euforia e gratidão” pela entidade

“Estamos reivindicando isso há um bom tempo e hoje foi uma grata surpresa este ofício, recebido pelas escolas com eurofia e gratidão”, diz Douglas Oliani, presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe/PR). A entidade pedia a retomada presencial das aulas há nesses na Capital, mas só teve o pedido atendido nesta segunda-feira (16), com a autorização do Comitê de Técnica e Ética Médica de Curitiba.  

Com a liberação presencial de atividades curriculares – as extracurriculares já haviam sido liberadas no dia 19 de outubro em todo o Paraná –, as escolas particulares de Curitiba já podem voltar a receber alunos, mas somente até 10 anos. As demais faixas etárias continuam com o ensino curricular à distância.

De acordo com o presidente do Sinepe, 99% das escolas particulares filiadas estão prontas para iniciar as aulas “com os protocolos e responsabilidade sanitária e social”. As orientações com as medidas de proteção necessárias foram compiladas em uma cartilha de volta às aulas, distribuídas em supermercados.

Mesmo com os casos de Covid-19 em alta em Curitiba, e há menos de um mês para o fim do ano letivo, Douglas reafirma ser válida a retomada presencial. “Nosso papel frente às famílias é de extrema importância. É um momento de resgate, para poder dar vida a estas crianças, dar vida a estas escolas, dar vida a estas famílias, no sentido amplo da educação.”

Os alunos têm a opção de não retornar. “O ofício não obriga nenhuma família a voltar, só libera as escolas e os funcionários, que irão fazer uma chamada para este retorno, com responsabilidade mútua. Tem que ser algo flexível, de mãos dadas com a família.”

Douglas acredita não ser possível se basear nas pesquisas anteriores das escolas com os pais, sobre volta às aulas, pois elas estão desatualizadas. “Temos visto uma receptividade das famílias nesta questão (de retorno presencial). Pode ser que a primeira semana não tenha o resultado 100% esperado, no entanto, ao longo da caminhada é provável que voltem os alunos.”

Calendário 2021

Para o ano que vem, o ensino deve ser híbrido: on-line e presencial. “Nada será igual. A área educacional é de avanços tecnológicos. Consigo até imaginar o holograma de um professor dentro da casa de um aluno, conversando com 20,30 alunos. Estou exagerando um pouco, mas já existe tecnologia pra isso. Entendo que esse novo tempo vem para ser aproveitado com as duas metodologias.”

O presidente destaca que “o Conselho Nacional de Educação já tem recomendações de emendar o ano de 2020 com 2021 mas isso ficará a critério da gestão de cada escola, especialmente sob o viés pedagógico e psicopedagógico”.

Segundo ele, é necessário um processo de empatia pelas escolas para entender a não operação delas por todo esse tempo. “Além das questões pedagógicas, são diversas alterações, sob o viés econômico, as adaptações e metodologias do ensino, os reflexos psicopedagógicos com os alunos e a relação com as famílias. É muita motivação para tudo isso.”

Para Douglas, não houve ligação no fato da autorização para reabertura das escolas ter vindo um dia após a reeleição do prefeito Rafael Greca (DEM). “Não quero acreditar que houve motivação política mas competência da secretária Márcia.”

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “As escolas particulares estão prontas, diz Sinepe

  1. Voltar ás aulas agora: só mesmo em um lugar tão inteligente como aquele em que moramos, onde cresce o número de infectados pela Covid-19… As escolas precisam justificar “aulas” em novembro e dezembro, ou seja, no final do ano. Educação como negócio é isso. Parabéns. Depois, contemos as vítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias