Violência contra mulher poderá ser denunciada por mensagens | Jornal Plural
17 jun 2020 - 20h44

Violência contra mulher poderá ser denunciada por mensagens

Projeto quer facilitar denúncias e auxiliar mulheres que convivem com o agressor, especialmente durante o isolamento social. Violência doméstica aumentou 8% nos primeiros meses de 2020

Os deputados da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovaram, em primeiro turno, nesta quarta-feira (17), projeto que cria um serviço por mensagem para denunciar situações de violência doméstica e familiar. A ideia é que o serviço seja permanente e dê suporte para a população feminina por um baixo custo.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (Sesp), os casos de violência doméstica aumentaram em 8,5% no 1º trimestre de 2020, na comparação com o mesmo período no ano passado. O número foi de  13.807 casos para 14.989 ocorrências.

A autora do projeto, deputada Luciana Rafagnin (PT), afirmou que a iniciativa recebeu o apoio de vários parlamentares e serve para combater a chamada “violência silenciosa”. O projeto foi feito pensando em ajudar mulheres que são obrigadas a conviver com os seus agressores. Essa situação se torna ainda mais grave com o período de isolamento social.

Segundo a deputada, o aumento de 22% no número de feminicídios no Brasil, entre os meses de abril e maio, mostram a importância de seu projeto. Durante a sessão plenária, ela ainda citou um dado do Ministério Público do Paraná, que revelou um crescimento da morte de mulheres no Estado. O aumento foi de 17,5% em março e abril deste ano, comparado ao mesmo período no ano passado.

Luciana destacou que, diante desse cenário, o Legislativo tem que tomar atitudes para combater a violência contra as mulheres. Ela acredita que o projeto – que cria um canal de denúncias por meio de mensagens via Whatsapp – é uma maneira rápida de informar as forças de segurança sobre o que está acontecendo. Ela ressalta que sua proposta pode salvar vidas.

Caso o projeto seja aprovado nas próximas duas votações, o governo deverá começar a promover campanhas de divulgação do serviço. Toda ação deve estar articulada com a Rede de Atenção à Mulher no Paraná. 

A proposta tem baixo custo e o número do Whatsapp estará ligado à Rede de Segurança do Estado. “O projeto tem um custo baixíssimo e com certeza terá um resultado muito positivo, que é a vida das mulheres do Paraná”, sustenta.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias